Saída de campo como estratégia metodológica em Educação Ambiental: o uso de lendas para a conservação da natureza

Autores

  • Hellen Jaqueline Cordeiro Mizerski Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Marina Comerlatto da Rosa Universidade Tecnológica Federal do Paraná https://orcid.org/0000-0001-9140-8471
  • Lia Maris Orth Ritter Antiqueira Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13560

Palavras-chave:

aula de campo, lendas, Unidade de Conservação

Resumo

Objetiva-se refletir as potencialidades educacionais da saída de campo como estratégia metodológica utilizando as lendas regionais no ensino da conservação da natureza. A pesquisa foi estruturada cinco momentos: a pesquisa bibliográfica, processo de análise e escolha dos sujeitos pesquisados, aula em ambiente escolar, saída de campo e, novamente, aula em ambiente escolar.  Os resultados apontam a relevância da saída de campo no processo de ensino e da conservação da natureza, a estratégia despertou interesse dos alunos diante dos temas abordados. É importante inserir cada vez práticas que levem à interdisciplinaridade, permitindo aos alunos a significar conhecimentos que fazem parte de sua cultura. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUINA, R.O.; LISITA, J.; BRAGA, A.R. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis: Memórias, reflexões e boas histórias. In: RABINOVICI, A.; NEIMAN, Z. (Org). Princípios e Práticas de Educação Ambiental. Diadema: V&V Editora, 2022. p. 10 – 25.

ANDRADE, M.R. Notas para discussão sobre o diálogo de saberes: experiências inovadoras no ensino de ater. Anais do II Seminário Nacional de Ensino e Extensão Rural, 2010, Santa Maria – RS.. Disponível em: <http://w3.ufsm.br/seminarioextensaorural/arqs/Dialogo_de_saberes.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2021

ARAÚJO, M.C.P. de. A Educação Ambiental e a formação da consciência dos sujeitos. In: ZAKRZEVSKI, S. B.; BARCELOS, V. (Org.). Educação Ambiental e compromisso social: pensamentos e ações. Erechim: EDIFAPES, 2004. p. 183-192.

ARROYO, M.A. Educação patrimonial ou a cidade como espaço educativo? Revista Outro Olhar, v. 4, n. 4, 2005.

CAMPOS, C.R.P. (Org.). Aulas de campo para alfabetização científica: práticas pedagógicas escolares. Vitória: IFES, 2015.

CASCUDO, L.C. Geografia dos mitos brasileiros. São Paulo: Livraria J. Olympio Editora, 1976.

COSTA, H.; ANDRADE, D.F. As pesquisas no Parque Estadual Cunhambebe com destaque para a Educação Ambiental e o patrimônio histórico e cultural: resultados de uma revisão sistemática integrativa. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 17, n. 1. p. 79-94, 2022.

DELLA MONICA, L. Manual do Folclore. São Paulo: Global, 1989.

FERNANDES, J.A.B. 2007. 326p. Você vê essa adaptação? a aula de campo em Ciências entre o teórico e o empírico. Tese (Doutorado em Educação) – Curso de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo.

GARDNER, H. Estruturas da mente: a Teoria das Inteligências Múltiplas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES, E.S.L. et. al. As lendas nos livros didáticos: uma análise mítica. In: FERREIRA-SANTOS, M.; GOMES, E. S. L. (Org.). Educação e religiosidade: imaginários da diferença. João Pessoa: Ed. UFPB, 2010. p. 119-140.

INSTITUTO ÁGUA E TERRA. Parque Estadual do Guartelá (PEG), 2022. Disponível em: https://www.iat.pr.gov.br/Pagina/Parque-Estadual-do-Guartela-PEG. Acesso em: 21 fev. 2022.

JACOBI, P. Educação Ambiental: cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, março/ 2003.

JUNQUEIRA, M.E.R; OLIVEIRA, S.S. de. Aulas de campo e Educação Ambiental: potencialidades formativas e contribuições para o desenvolvimento local sustentável. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 111-123, 2015.

LÓSSIO, R. Mídia e transformações nas lendas e mitos em Pernambuco. Famecos/PUCRS, Porto Alegre, n. 21, 2009.

LOUREIRO, C.F.B. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

MARCONDES, D. Iniciação à História de Filosofia: dos pré-socráticos a Wittgensteisn. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

MIYASHIRO, S.F. de O. Lendas e mitos no ensino fundamental. Anais do Congresso Internacional do Curso de História da UFG/Jataí, p. 30-41, 2016.

NASCIBEM, F.G.; VIVEIRO, A.A. Para além do conhecimento científico a importância dos saberes populares para o ensino de ciências. Interacções, v. 11, n. 39, p. 285-295, 2015.

OLIVEIRA, A.P.L. de. 2013. 117p. Da teoria à prática: o estudo dos ecossistemas recifais com base na aula de campo para os alunos do ensino médio. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Curso de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Alagoas.

OLIVEIRA, T.M.R.; AMARAL, C.L.C. Discutindo Conceitos De Educação Ambiental Com Professores Em Uma Escola Pública De São Paulo. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 12, n. 2, p. 140-155, 2019.

PEIXOTO, S.B. 2016. 60f. Produção de histórias infantis: um recurso didático para Educação Ambiental. Monografia – Curso Tecnólogo em Gestão Ambiental, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP, Campus São Roque.

PINTO, M.H. Educação histórica, cultura escolar e patrimônio: contributos da educação patrimonial para a aprendizagem. Anais do Congresso Internacional das Jornadas de Educação Histórica. v.15, n.2, p.159-181, 2015.

PRIEVE, P.E.; LISOVSKI, L.A. Uso do Parque Municipal Miguel Pereira pelos professores de Ciências e Biologia de Roncador – PR. Cadernos da Pedagogia, São Carlos, v. 4, n. 7, p. 111-124, jan./ jun. 2010.

PROENÇA, G. et al. Canyon Guartelá. Curso de guia de turismo especializado em atrativo natural do SENAC de Castro. 2010. Disponível em: <http://www.tibagi.uepg.br/iiiepuepg/turismo/canyon.htm>. Acesso em: 03 mar 2021.

REIGOTA, M. Meio Ambiente e representação social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

RODRIGUES, D. Patrimônio cultural, memória social e identidade: interconexões entre os conceitos. Letras Escreve, v.7, n.4, p. 337-361, 2017.

ROSA, M.C. da, PAULA, A.P de. Ensino de ciências, escola do campo e as saídas de estudo em campo. In: VIGÁRIO, A.F.; GONÇALVES, V.F.; FALEIRO, W. (Org). Processos educativos em ciência da natureza na educação básica. Goiânia: Kelps, 2020, p. 165 – 178.

SENICIATO, T.; CAVASSAN, O. Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências – um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciência & Educação, v. 10, n. 1, p. 133-147, 2004.

SENICIATO, T.; CAVASSAN, O. Afetividade, motivação e construção de conhecimento científico nas aulas desenvolvidas em ambientes naturais. Ciências e Cognição, v. 13, n. 3, p. 120-136, 2008.

SILVA, M.S.; CAMPOS, C.R.P. Aulas de campo como metodologia de ensino: fundamentos teóricos. In: CAMPOS, C.R.P. (Org). Aulas de campo para alfabetização científica: práticas pedagógicas escolares. Vitória: IFES, 2015. p. 17-30.

SILVA, A.S.; SILVA, F.T.; FIGUEIREDO, T.R. A importância das aulas de campo em Unidade de Conservação (UC) na educação básica: pós-isolamento social. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v.15, n.7, 2020.

SILVA, L.H.A.; ZANON, L.B. A experimentação no ensino de ciências. In: ARAGÃO, R. M. R.; SCHNETZLER, R. P. (Org.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. Piracicaba: UNIMEP/CAPES, 2002. p.120-153.

VIVEIRO, A.A. 2006. 172p. Atividades de campo no ensino das ciências: investigando concepções e práticas de um grupo de professores. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Curso de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

VIVEIRO, A.A. 2010. 191p. Estratégias de ensino e aprendizagem na formação inicial de professores de ciências: reflexões a partir de um curso de licenciatura. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) - Curso de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

VIVEIRO, A.A.; DINIZ, R.E.S. Atividades de campo no ensino das ciências e na Educação Ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, v. 2, n. 1, 2009.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Mizerski, H. J. C., Rosa, M. C. da, & Antiqueira, L. M. O. R. (2022). Saída de campo como estratégia metodológica em Educação Ambiental: o uso de lendas para a conservação da natureza. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(3), 57–71. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13560

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido: 2022-03-08
Aceito: 2022-03-21
Publicado: 2022-06-01