Ações educacionais no consumo da água: uma perspectiva sustentável para combater a escassez

Autores

  • Alisson Barbosa da Silva Universidade de Pernambuco
  • Gerlane Pereira de Albuquerque Rodrigues Universidade de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14680

Palavras-chave:

Água, Educação, Escola, Meio ambiente

Resumo

A busca pela água em regiões mais secas, como o Nordeste do Brasil, tornou-se um fator preocupante. O questionamento central desta pesquisa é: como é realizado o combate ao desperdício de água em ambientes educacionais? O objetivo do trabalho é evidenciar ações educacionais desenvolvidas com alunos de algumas escolas públicas, frente às técnicas lúdicas desenvolvidas para o reaproveitamento da água. O estudo segue uma abordagem qualitativa com objetivo descritivo. A pesquisa mostrou que a aprendizagem lúdica é importante para o desenvolvimento socioambiental, sendo integrador e relevante para os alunos a partir da construção de ideias sustentáveis para soluções de problemas atuais em sua região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ÁGUA. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/agua.html> Acesso em: 03 ago. 2022.

AZEVEDO, M.N.; OLIVEIRA, L.J.C. Educação Ambiental infantil: a importância da água. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 7, n. 3, 2016.

BACHA, M.L. et al. Considerações teóricas sobre o conceito de Sustentabilidade. Anais do VII SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2010, p.3.

BARBOSA, G.; OLIVEIRA, C.T Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 37, n. 1, p. 323-335, 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições, v.70, 2011.

BRASIL, CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 01 nov. 2019.

BRASIL. Decreto Federal 9.672, de 2 de janeiro de 2019, Disponível em: <https://www.gov.br/mma/pt-br> Acesso em: 01 nov. 2019

BRASIL. Lei N. 11.445 de 05 de janeiro de 2007. DIRETRIZES NACIONAIS PARA SANEAMENTO BÁSICO. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 03 ago. 2022.

DIAS, A.L. Gestão Ambiental na Ufba sob a Perspectiva dos Eixos Temáticos da A3P. Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal da Bahia para obtenção de título de Mestre em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade. Salvador, 2014.

FERREIRA, J. G. FIGUEIREDO, F.F. Seca, memória e políticas públicas na região Nordeste do Brasil. Anais do XXXI Congreso ALAS Uruguai. 3 a 8 deciembro. 2017. Disponível em: <https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-R&as_sdt=2005&sciodt=0%2C5&cites=15624624602776103410&scipsc=&q=SECA%2C+MEM%C3%93RIA+E+POL%C3%8DTICAS+P%C3%9ABLICAS+NA+REGI%C3%83O+NORDESTE+DO+BRASIL+Jos%C3%A9+Gomes+Ferreira&btnG> Acesso em: 03 ago. 2022.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª edição. São Paulo: Atlas, 2002. p. 133-145.

LIMA, S. B.; OLIVEIRA, A. L.Educação Ambiental e cidadania por meio da educação formal. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.17, n.6, pp.420–439, 2022.

LUCENA, C. Y. S. et al. O reuso de águas residuais como meio de convivência com a seca no semiárido do Nordeste brasileiro. REGNE, v. 4, sup., p. 1-17, 2018.

MENDES, B. M.; BARBA, C. H. A prática interdisciplinar da Educação Ambiental em escolas rurais do município de Porto Velho (RO). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.17, n.6, pp.348–364, 2022.

NASCIMENTO, J.S.; DANTAS, V.M.C.S. Educação Ambiental e atividade extensionista: a ludicidade como prática pedagógica. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - SERGIPE, v.6, n.2, p.65, 2020.

OLIVEIRA, L.; NEIMAN, Z. Educação Ambiental no âmbito escolar: análise do processo de elaboração e aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 3, p. 36-52, 2020.

NUNES, M. M.; LEHN, C. R. (2022). Educação Ambiental e preservação da biodiversidade: relato de um estudo de caso em distintas realidades escolares. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.17, n.6, pp;498–511. 2022.v17.13415

Nunes, G. C. et al. Pesquisa Científica: conceitos básicos. Id on Line. Revista de Psicologia, Pernambuco, 10(29), 144-151.

PICCOLI, A. S. et al. A Educação Ambiental como estratégia de mobilização social para o enfrentamento da escassez de água. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 797-808, 2016.

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO. Disponível em: <https://www.gov.br/mdr/pt-br> Acesso em: 05 ago.2022.

RÊGO, G.S.; PIMENTA, H.C.D.; SARAIVA, V.M. Agenda Ambiental na Administração Pública-A3P: um estudo sobre a potencialidade de aplicação no município de São Gonçalo do Amarante/RN. Holos, v. 4, p. 29-50, 2011.

SANTANA, V.L. et al. Democratização do acesso à água e desenvolvimento local: a experiência do Programa Cisternas no semiárido brasileiro. Anais do I Circuito de Debates Acadêmicos.Brasília. 2011. Disponível em: <https://www.ipea.gov.br/code2011/chamada2011/pdf/area7/area7-artigo34.pdf> Acesso em: 11 ago.2022.

SIMONIAN, L.T.L. Políticas públicas e participação social nas Reservas Extrativistas amazônicas: entre avanços, limitações e possibilidades. Desenvolvimento e Meio ambiente, v. 48, 2018.

XIMENES, P.S.M.P. et al. Análise da severidade da seca no Agreste Pernambucano utilizando índice de precipitação padronizado. Sigmae, Alfenas, v.8, n,2, p. 331-339. 2019.

Downloads

Publicado

01-03-2023

Como Citar

Silva, A. B. da, & Rodrigues, G. P. de A. (2023). Ações educacionais no consumo da água: uma perspectiva sustentável para combater a escassez. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(2), 62–74. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14680

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.