Descarte de resíduos sólidos em Terras Indígenas e Educação Ambiental: as estratégias do povo Gavião lidar com o lixo na Amazônia

Autores

  • Airton Alves de Lima Universidade Ceuma https://orcid.org/0009-0000-3230-1420
  • Francarlos Diniz Ribeiro Universidade Estadual do Maranhão, Universidade Ceuma
  • Maria Raimunda Chagas Silva Universidade Ceuma
  • Diogo de Almeida Viana dos Santos Universidade CEUMA, Universidade Estadual do Maranhão
  • Maycon Melo Universidade CEUMA https://orcid.org/0000-0002-6802-9630

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.15301

Palavras-chave:

Resíduos Sólidos; Terras Indígenas; Educação Ambiental; Amazônia

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever o modo como os Gavião realizam o manejo de resíduos sólidos dentro da Terra Indígena Governador. Trata-se de um estudo etnográfico, realizado por meio da observação participante e aplicação de questionários com professores indígenas e anciões. O descarte de resíduos sólidos esteve relacionado com períodos de proximidade e de afastamento da cidade, exigindo práticas específicas de manejo. A Gincana do Meio Ambiente, organizada pelos professores da escola indígena, integrou conhecimentos científicos e tradicionais voltados a conscientização relativa aos resíduos descartados. Refletir sobre o manejo de resíduos dos Gavião nos permite pensar nossos problemas com o lixo e a vida humana no planeta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francarlos Diniz Ribeiro, Universidade Estadual do Maranhão, Universidade Ceuma

Atualmente é tutor presencial da Universidade Estadual do Maranhão e professor da Universidade Estadual do Maranhão. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Maranhão. Mestrando em Direito e Afirmação de Vulneráveis pela Universidade Ceuma.

Maria Raimunda Chagas Silva, Universidade Ceuma

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Federal do Maranhão (1999), Formação pedagógica, Licenciatura em Química pela Instituto de Ensino Superior Franciscano ( 2017), Especialização Educação Ambiental e Recursos Hídrico pela EESC-CRHEA/USP ( (2001) mestrado em Química (Química Analítica) pela Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Química Analítica pelo Instituto de Química de São Carlos (2006).Works Mission- Pós- Doutorado: Projeto Desenvolvido no Departamento de Solo Qualitativo, Wageningen University Holanda (2010).Desenvolve de Projeto de Pesquisa e atualmente consultora ADHOC na FAPEMA e CNPQ e Avaliadora da revista CERES e Revista Ciências Exatas e Naturais e RENEFARA. Atualmente é Professora e Pesquisadora ( Mestrado Meio Ambiente da Universidade Ceuma ) e os Cursos de Engenharia Ambiental e Cívil Produção, Farmácia, Nutrição,Biomedicina. Medicina (linha de pesquisa: gestão ambiental e Politica e Saúde e Meio Ambiente) . Tem experiência na área de Química, com ênfase em Análise de Metais - Traços e Química Ambiental e identificação microbiológicas e parasitas em areia e água na zona costeiras, atuando principalmente nos seguintes temas: Água potável, águas subterrâneas, microbiologia do solo e água , efluente , alimentos, bromatologia, resíduos sólidos e sedimentos, herbicidas , solo, educação ambiental e bacias hidrográficas; Orcid.org/0000-0002-8685-7608

Diogo de Almeida Viana dos Santos, Universidade CEUMA, Universidade Estadual do Maranhão

Possui doutorado PhD em International Cooperation--Governance and Law - Universidade de Nagoya-Japão (2010), mestrado em LL.M. Comparative Law - Universidade de Nagoya-Japão (2007), graduação em Direito Bacharelado pela Universidade Federal do Maranhão (2003). Atualmente é professor professor do Mestrado Profissional em Direito e Afirmação de Vulneráveis da Universidade CEUMA, da UEMA-Universidade Estadual do Maranhão, de Teoria das Relaçõers Internacionais e da Universidade CEUMA, de Direito Constitucional, e Direito Internacional. Foi Diretor do curso de Direito Bacharelado da Universidade Estadual do Maranhão. É avaliador parecerista das revistas Veredas do Direito (Qualis A1), Revista Estudos Institucionais (Qualis B1), Revista da Faculdade de Direito da UFPR (Qualis A2), Revista Direitos Democráticos e Estado Moderno, Revista Brasileira de Direito (Qualis A1), FLEKS - Scandinavian Journal of Intercultural Theory and Practice, Revista Brasileira de Estudos Políticos (Qualis A1), Revista Brasileira de Filosofia do Direito (Qualis C), INDEX Law Journals - Conpedi (avaliador nacional e internacional), Revista Opinião Jurídica (Qualis A2), Revista de Direito Econômico e Socioambiental (Qualis A2), A Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais (Qualis B2), REI-Resvista Estudos Institucionais (Qualis B1), CONPEDI-Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito (conferências), Dom Helder Revista de Direito (Belo Horizonte), Revista de Iniciação Científica em Relações Internacionais (Qualis B2), Gestão Pública-Práticas e Desafios (Qualis B4), Revista Direitos Fundamentais & Democracia (Qualis A1), Revista do Direito (Qualis A3), Revista da Faculdade Mineira de Direito (Qualis A2), Revista Paradigma (Qualis A4), Revista Direitos Humanos e Democracia (Qualis A4), Revista da AGU (Qualis B1), Revista de direito Internacional, Econômico e Tributário (Qualis B1), Revista Mosaico (Goiânia) (Qualis A3), Revista Videre (Qualis A4), e Revista (Re)Pensando o Direito (Qualis B4). Membro do Conselho Editorial da Revista Científica da Faculdade de Balsas (Qualis B4). Tem experiência nas áreas de Direito Internacional Público e Ciência Política, com ênfase em Comportamento Legislativo, atuando principalmente nos seguintes temas: Direito Internacional, Teoria Constitucional, Federação, Propriedade Intelectual, e Responsabilidade Internacional.

Maycon Melo, Universidade CEUMA

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduação em Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES). Graduação de Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).No âmbito da graduação atua como professor na Universidade CEUMA. É professor na Pós-Graduação em Direitos Humanos (UEMA),professor do Mestrado em Meio Ambiente (UNICEUMA) e do Mestrado em Direito e Afirmação de Vulneráveis (UNICEUMA). Membro Consultivo da Comissão da Promoção da Igualdade Racial -OAB\MA. Membro da Câmara de Assessoramento da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Maranhão (FAPEMA). Coordenador do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos e Povos Indígenas - NEPI (UNICEUMA). Editor científico associado da Revista CEUMA Perspectivas (UNICEUMA). Membro do corpo editorial da Revista ABYA-YALA: Revista sobre Acesso à Justiça e Direitos nas Américas - Direito/UFG. Participa de pesquisas nas áreas de Etnologia Indígena, Meio Ambiente, Direitos Humanos e Políticas Públicas.

Referências

ARISI, B. M.; CANTERO, M.A. Lixo industrializado, consumo e descarte: vicências dos povos indígenas Matis (Amazônia, Brasil) e Guarani (Cuidad del Este, Paraná, Paraguay). In: RIAL, C. (org). O poder do lixo: abordagens antropológicas sobre resíduos sólidos. Rio de Janeiro. Associação Brasileira de Antropologia, pp. 381-399, 2016.

BOCCO, G.; VELÁSQUEZ, A.; TORRES, A. Ciência, Comunidades Indígenas y Manejo de Recursos Naturales: um caso de investigacion participativa em México. Interciencia, v.25, 64- 70, 2000.

BARATA, M.H. Os Pukobyê e os Kupen: análise de um drama. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília. 1981.

BAUMAN, Z. Liquid modernity. Cambridge and Malden: Polity Pressa, 2000.

CAPITANGO, J.; CALLEJAS, G. V. Conhecimentos, experiências e práticas vitais tradicionais indígenas como fundamento para a construção de uma cultura de sustentabilidade. Revista de Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande – FURG. v. 24, n.2, 2019.

COLOMBIJIN, F.; RIAL, C. Introdução: abordagens antropológicas dos resíduos sólidos nas sociedades pós-industriais. In: RIAL, C. (org). O poder do lixo: abordagens antropológicas sobre resíduos sólidos. Rio de Janeiro. Associação Brasileira de Antropologia, pp.7-41, 2016.

ERIKSEN, T.H. Human security and social anthropology. In: BAL, E.; SALEMINK, O. (org). A world of insecurity: Anthropological perspectives on human security. London and new York: Pluto Press, p.1-19, 2010.

FANY, R. Terras Indígenas e Unidades de Conservação da natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2004.

FERRANTE, L.; FEARNSIDE, P. M. Indigenous lands protect Brazil’s agribusiness. Science. v.376 (6595): 808, 2022.

GORDON, Cesar. Economia selvagem: ritual e mercadoria entre os índios Xikrin-Mebêngôkre. Rio de Janeiro, UNESP, 2006.

HARAWAY, D. Antropoceno, Capitoloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes. Climacom Cultura Científica. v.3, n.5: p.139-146. 2016.

HOWARD, C.V. A domesticação das mercadorias: Estratégias Waiwai. In: BRUCE, A.; RAMOS, A.R. (org). Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte-amazônico. São Paulo, 37-56, 2002

INGOLD, T. Antropologia versus etnografia. Cadernos de Campo. v.26, n1, p.222-228, 2017.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo, Companhia das Letras, 2019.

LIBORIAN, M. Plasticizers: a twenty-first-century miasma. In: GABRYS, J.; HAWKINS, G; MICHAEL, M. Accumulation: the material politics of plastic. London and New York: Routledge, 2015.

MATAVELI, G.; CHAVES, M.; GUERRERO, J.; ESCOBAR-SILVA, E.V.; CONCEIÇÃO, K.; OLIVEIRA, G. Mining Is a Growing Threat within Indigenous Lands of the Brazilian Amazon. Remote Sens. v.14, n.4092, p.1-13, 2022.

MELO, M. O Nome e a pele: nominação e decoração corporal Gavião (Amazônia maranhense). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017. Disponível em: <https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/2077>. Acesso em 09 de agosto de 2023.

MELO, M.; SOARES, L. R. Redes de relações Timbira: estudo de caso a partir dos etnônimos em uso pelos RamkokamelraCanela e os Gavião Pyhcop catiji. Revista Pós Ciências Sociais. v.15:15-31, 2018.

MELO, M.; SILVA, F. B; SANTOS FILHO, O. Conhecimento indígena, sistema de manejo e mudanças ambientais na região de transição Amazônia-Cerrado. Desenvolvimento e Meio ambiente. v.59: 1-22, 2022.

NIMUENDAJU, C.U. The Eastern Timbira. California, University of California Press. 1946

NURSEY-BRAY, M.; PALMER, R; SMITH, T.F; RIST, P. Old ways for new days: Australian Indigenous peoples and climate change. Local Environment, v. 24, n.5, p.473-486, 2019.

OLIVEIRA, G.; QUEIROZ, L. N.; MAIA, R. C. Etnoecologia e Educação Ambiental sobre manguezais com indígenas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v.16: 88-104, 2021.

PEIRANO, Marisa. “Etnografia não é método”. Horizontes Antropológicos, v.42: pp.377-391, 2014.

JOHNSON DE AREA, L.; FERREIRA, P.J.S.; RIBEIRO, L.C.S.; CARVALHO, T.S.; PEREIRA, H.B.B. Policy in Brazil (2016–2019) threaten conservation of the Amazon rainforest. Environmental Science & Policy, v.100, p.8-12, 2019.

SILVA JÚNIOR, C.; ALVORADO, S.T.; CELENTANO, D.; ROUSSEAU, G.; HERNANDEZ, L.M.; FERRAZ, T. M.; SILVA, F.B.; MELO, M.; RODRIGUES, T.C.S.; VIEGAS, J.C.; SOUZA, U.D.V.; SANTOS, A.L.S.; BEZERRA, D. 2021. “Northeast Brazil’s imperiled Cerrado”. Science, v.30, n.1, 2021.

SILVA JUNIOR, C.; SILVA, F.; ARISI, B.M.; MATAVELI, G. PESSOA, A.C.M.; CARVALHO, N.S.; SILVA, P.V.M; RIBEIRO, F.D.; SIQUEIRA-GAY, J.; ALENCAR, A.; SAATCHI, S.; ARAGÃO, L.E.O.C; ANDERSON, L.; MELO, M. Brazilian Amazon indigenous territories under deforestation pressure. Sientific Reports, v.13, n.5851, p.1-9, 2023.

TSING, A. L. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no antroponoceno. Brasília, IEB, Mil Folhas, 2019.

Downloads

Publicado

18-08-2023

Como Citar

Lima , A. A. de, Ribeiro, F. D., Silva, M. R. C., Santos, D. de A. V. dos, & Melo, M. (2023). Descarte de resíduos sólidos em Terras Indígenas e Educação Ambiental: as estratégias do povo Gavião lidar com o lixo na Amazônia. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(5), 431–444. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.15301

Edição

Seção

Anais de evento
##plugins.generic.dates.received## 03/07/2023
##plugins.generic.dates.published## 18/08/2023

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.