Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

Palavras-chave: BNCC, Educação Ambiental, Educação Básica

Resumo

A despeito de ser uma abordagem prevista desde a constituição de 1988 e regulamentada por Diretrizes Nacionais bem como por diversos instrumentos da legislação, a Educação Ambiental só se consolidou no currículo formal de ensino a partir da aprovação dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) em 1998. O “Tema Transversal Meio Ambiente”, garantia uma abordagem interdisciplinar no âmbito escolar que cumpria a necessidade do debate extremamente importante para os tempos atuais, tendo a sustentabilidade como princípio. No entanto, o atual governo federal está propondo uma reformulação tanto no ensino fundamental quanto no médio, de modo a implantar uma nova Base Nacional Curricular Comum (BNCC), que foi aprovada no final de 2018 e na qual a Educação Ambiental não está contemplada. Este artigo visa descrever o processo de elaboração e aprovação da BNCC analisando sua implicação para o futuro da Educação Ambiental no ensino formal.

Biografia do Autor

Zysman Neiman, Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP

Doutor em Psicologia (Psicologia Experimental com pesquisa em Educação Ambiental) (2007), passagem pelo programa de doutorado em Ciência Ambiental (2000-2004), mestre em Psicologia (Psicologia Experimental, com ênfase em Ecologia Comportamental) (1991), Licenciado em Ciências (1986), Licenciado em Biologia (1986), e Bacharel em Ciências Biológicas (1986), todos pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Pesquisador e Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), atuando como vice-coordenador e professor no curso de Bacharelado em Ciências Ambientais. Teve grande atuação como Educador no Ensino de Ciências e Biologia (1985-1996). Foi Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) lotado no Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade (CCTS), onde coordenou o Laboratório de Ecologia, Percepção e Educação Ambiental - LEPEA. Foi Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade na Gestão Ambiental - PROSGAM-UFSCar, onde atualmente é docente e pesquisador. Também atua no Programa de Pós-Graduação em Educação do CCTS - UFSCar. Exerceu a função de Presidente do Instituto Physis - Cultura & Ambiente, é líder da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS), e é Diretor da Sociedade Brasileira de Ecoturismo (SBEcotur), uma entidade científica. Foi um dos redatores do Tema Transversal "Meio Ambiente", dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Fundamental do MEC (1998). É autor de diversos livros na área de Ecologia, Educação, Meio Ambiente e Sustentabilidade, e é Editor Chefe da Revista Brasileira de Ecoturismo (Qualis B1). Tem experiência na área de Ecologia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Ambiental, Unidades de Conservação, Sustentabilidade, Percepção Ambiental, Ética e Meio Ambiente, Terceiro Setor, Ambientalismo, e Ecoturismo.

Referências

ADAMS, B. G. A Importância da Lei 9.795/99 e das Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Ambiental para docentes. Monografias Ambientais REMOA/UFSM, Santa Maria, v. 10, n. 10, p. 2148 – 2157, 2012.

BARBOSA, L.C. Políticas Públicas de Educação Ambiental numa sociedade de risco: Tendências e desafios no Brasil. Brasília, 2008. 21p.

BERNARDES, M. B. J. e PRIETO, É. C. Educação Ambiental: disciplina versus tema transversal. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande: FURG- RS, v.24, p. 176-178. 2010.

BRASIL, Ministério da Educação. Programa Parâmetros em Ação Meio Ambiente na Escola. Brasília: MEC. 2001.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – 1º Versão. Brasília: MEC. 2016a.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – 2º Versão. Brasília: MEC. 2016b.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – Perguntas Frequentes. Brasília: MEC. 2017 a.

BRASIL, Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular - Introdução. Brasília: MEC. 2017 b.

BRASIL, Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular – Apresentação. Brasília: MEC. 2017 c.

BRASIL, Ministério da Educação. Os relatórios analíticos e pareceres relativos à segunda versão podem ser consultados no site. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017 d.

BRASIL, Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular – A Estrutura da BNCC. Brasília: MEC. 2017 e.

BRASIL, Ministério da Educação. Novo Ensino Médio – Dúvidas. Brasília: MEC. 2017f.

BRASIL, Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular – A Etapa do Ensino Fundamental. Brasília: MEC. 2017 g.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – Ensino Médio. Brasília: MEC. 2018 a.

BRASIL, Ministério da Educação. Etapa do Ensino Médio é homologada e Base Nacional Comum Curricular está completa. Brasília: MEC. 2018b.

BRASIL, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Caderno de Educação em Direitos Humanos. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais. Brasília: Coordenação Geral de Educação em SDH/PR, Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, 2013.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 de junho de 2014.

BRASIL. Lei número 9.795 de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental, Diário Oficial da União, Brasília, 1999.

CZAPSKI, S. A Implantação da Educação Ambiental no Brasil. Brasília: Coordenação de Educação Ambiental do Ministério da Educação e do Desporto, 1998. 166p.

DIAS, E.S.A.C. Formar e pesquisar para quê? Ensaio: aval.pol.públ.Educ. vol.26 no.98 Rio de Janeiro jan./mar. 2018

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9.ed. São Paulo: Gaia, 2004.

FOEPPEL, A. G. S.; MOURA, F. M. T. Educação Ambiental como Disciplina Curricular: Possibilidades Formativas. Revista da SBEnBIO, n. 7, 2014.

FURTADO, D. J. Os caminhos da educação ambiental nos espaços formais de ensino-aprendizagem: qual o papel da política nacional de Educação Ambiental? Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. Rio Grande, v. 22, janeiro a julho de 2009.

GALIAN, C. V. A. Os PCN e a Elaboração de Propostas Curriculares no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, p. 648-669, 2014.

GUIMARÃES, M. A Formação de Educadores Ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

LOPES, A. R. C. Política de currículo: recontextualização e hibridismo. Currículo sem Fronteiras, v. 5, n. 2, p. 50-64, 2005.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 39 p.

MOURA, J. D. P.; HIRATA, C. A. A Educação Ambiental em Debate. Pró Docência Revista Eletrônica das Licenciaturas/UEL, v. 1, n. 5, 2013.

NETO, D. V.; KAWASAKI, C. S. “Meio Ambiente” é um tema transversal nos documentos curriculares nacionais do ensino fundamental? Camine: caminhos da educação, Franca, v. 5, n.1, 2013.

NOVICKI, V.; SOUZA, D.B. Políticas públicas de educação ambiental e a atuação dos conselhos de meio ambiente no Brasil: perspectivas e desafios. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. vol.18 no.69 Rio de Janeiro Oct./Dec. 2010.

OLIVEIRA, L. Princípios da Radiação e Principais Acidentes Ocorridos no Mundo. 2016. 55f. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de São Paulo, Diadema, 2016.

PINHEIRO, L. R. D. Estudo sobre o Comportamento do Consumidor frente à Questão Ambiental. 2009. 150f. Dissertação de Mestrado. Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano, 2009.

SALDAÑA, P. Gestão Temer acelera votação da Base Curricular sem novo debate. São Paulo, 2017. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/12/1940027-gestao-temer-acelera-votacao-da-base-curricular-sem-novo-debate.shtml>. Acesso em 02 dez. 2017.

SANTINELO, P. C. C.; ROYER, M. R.; ZANATTA, S. C. A Educação Ambiental no Contexto Preliminar da Base Nacional Comum Curricular. Pedafog. Foco, Iturama (MG), v. 11, n. 6, p. 104-115, 2016.

SANTOS, T. C.; COSTA, M. A. F. Um olhar sobre a Educação Ambiental expressa nas Diretrizes Nacionais para a Educação Ambiental. Revista Práxis. Ano VII, n. 13, p. 143-151, 2015.

SORRENTINO, M.; PORTUGAL, S. Educação Ambiental e a Base Nacional Comum Curricular. Relatório interno, MEC, 2016.

Publicado
2020-05-21
Como Citar
Oliveira, L. de, & Neiman, Z. (2020). Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira De Educação Ambiental, 15(3), 36-52. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10474
Seção
Artigos