Políticas públicas de Educação Ambiental: História, formação e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.12811

Palavras-chave:

Pârametros Curriculares Nacionais, Base Nacional Comum Curricular, Educação Ambiental Crítica, Gestão Escolar, Cidadania Ambiental

Resumo

O presente artigo apresenta uma retrospectiva sobre os principais documentos internacionais e políticas públicas nacionais que tratam da Educação Ambiental (EA), além de analisar algumas visões sobre a sua prática. Em especial, são abordadas as possibilidades de atuação com a Educação Ambiental crítica e a aprendizagem baseada em investigação, projetos e/ou problemas, que possuem abordagens complementares e relacionadas ao uso do método científico na busca por caminhos que suportem transformações locais e globais por meio do debate cidadão, da participação e da colaboração. Por fim, os avanços e retrocessos referentes às diretrizes curriculares que norteiam a prática pedagógica no ensino formal são apresentados, e especialmente discutidos para o caso do currículo municipal de São Paulo, com foco nos desafios aos educadores em um cenário de constantes modificações das políticas públicas no ensino formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Grandisoli, Instituto de Energia e Ambiente da USP, Grupo de Acompanhamento e Estudos em Governança Ambiental (GovAmb)

Pós-doutorando do Programa Cidades Globais do Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA-USP). Doutor em Educação para o Desenvolvimento Sustentável pelo Programa de Ciência Ambiental da USP (PROCAM-USP). Bacharel e licenciado em Ciências Biológicas, mestre em Ecologia de Ecossistemas Terrestres e Aquáticos (USP). Consultor e Palestrante em Educação para o Desenvolvimento Sustentável. Colaborador do Laboratório de Práticas e Pesquisa em Sustentabilidade (LAPPES-USP). Diretor Educacional da Escola da Reconectta. Formador de professores das redes pública e particular de ensino. Editor Executivo da revista Ambiente & Sociedade.

Eliana Cordeiro Curvelo, Instituto Federal do Paraná

Professora do Instituto Federal do Paraná, no Curso de Licenciatura em Artes Visuais; Professora de Arte na Secretaria de Educação de Botucatu - Ensino Fundamental II; Professora de História da Arte para o Ensino Médio no Liceu Anglo de Botucatu, ex-professora de Arte na Rede Marcelina de Educação; ex-professora de Arte e História da Arte no ADV - Colonize & Colonize - Ensino Fundamental II, Ensino Médio e Pré Vestibular. Fui Assessora Pedagógica da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - FMVZ da Unesp de Botucatu - 2006 até 2015. Assessora Pedagógica da Faculdade de Ciências Agronômicas - FCA da Unesp de Botucatu - 2006 até 2013. Doutoranda em Educação Escolar - Faculdade de Ciências e Letras - FCLAr - UNESP. Mestre em Educação Escolar - Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - FCL - UNESP, Especialização em Metodologia de Ensino - Departamento de Educação do Instituto de Biociências - IB - Botucatu - Unesp e Graduação em Artes Cênicas - Faculdades Integradas Teresa D'Avila de Santo André. 

Zysman Neiman, Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP

Doutor em Psicologia (2007), passagem pelo programa de doutorado em Ciência Ambiental (2000-2004), mestre em Psicologia (1991), Licenciado em Ciências (1986), Licenciado em Biologia (1986), e Bacharel em Ciências Biológicas (1986), todos pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Pesquisador e Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), atuando como Coordenador da Cátedra Sustentabilidade. Teve grande atuação como Educador no Ensino de Ciências e Biologia (1985-1996). Foi Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) lotado no Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade (CCTS), onde coordenou o Laboratório de Ecologia, Percepção e Educação Ambiental - LEPEA. Foi Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade na Gestão Ambiental - PROSGAM-UFSCar. Também atuou no Programa de Pós-Graduação em Educação do CCTS - UFSCar. Foi um dos redatores do Tema Transversal "Meio Ambiente", dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Fundamental do MEC (1998). É autor de diversos livros na área de Ecologia, Educação, Meio Ambiente e Sustentabilidade. 

Referências

ABREU, Y. V.; OLIVEIRA, M. A. G.; GUERRA, S. M. G. Energia Sociedade e Meio Ambiente. Málaga – Espanha: Eumed. Net, Universidad de Málaga, 2010. 175 p.

ABRIC, J. C. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P.; OLIVEIRA D. C. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Tradução de Pedro Humberto Faria Campos. 2. ed. Goiânia: AB, 2000. p. 307.

ANDRADE, M.C.P.; PICCININI, C. L. Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular: retrocessos e contradições e o apagamento do debate socioambiental. Anais do IX EPEA – Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. Juiz de Fora – MG, 2017.

BACICH, L.; MORAN, J. (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. 238 p.

BAEDER A. M. et al. Jovens em ação! Ações para melhorar o ambiente e a qualidade de vida nas cidades. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 2000.

BARBOSA, G.S. O Desafio do Desenvolvimento Sustentável. Revista Visões 4º edição. Rio de Janeiro, v. 1, n. 4, 2008.

BARBOSA, L.C. Políticas Públicas de Educação Ambiental numa sociedade de risco: Tendências e desafios no Brasil. Brasília, 2008. 21p.

BARDON, J.; QUEIROLO, G.; SALDAÑA, P. Base Final: Entenda o que diz a versão definitiva da Base Curricular e o que falta para ela chegar às salas de aula de todo o país. 2017. Disponível em: <http://arte.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/12/21/base-final/> Acesso em: 20 mai. 2020.

BARROSO, J. A utilização do conhecimento em política: O caso da Gestão Escolar em Portugal. Campinas, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v30n109/v30n109a04.pdf> Acesso em: 15 fev 2018.

BARROSO, J. A Regulação das políticas Públicas de Educação: Espaços, Dinâmicas e Atores. Lisboa, 2006. 262p.

BARROSO, J. O Estado, a Educação e a Regulação das Políticas Públicas. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 92, p. 725-751, Especial - Out. 2005 8

BAUMAN, Z. Capitalismo Parasitário. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. 92p.

BAUMAN, Z. Retrotopia. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2017. 164p.

BERGER, P. I.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 33. ed. Tradução de Floriano de Souza Fernandes. Petrópolis: Vozes, 2011. 239p.

BERGER, P. L. Perspectivas Sociológicas: uma visão humanística. Tradução de Donaldson M. Garschagen. 31ª edição. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21 Global, s.d. Disponível em < https://antigo.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global.html>, acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e Quarto ciclos do ensino fundamental. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Fundamental, 1997.

BRASIL, Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular – Apresentação. Brasília: MEC. 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base>. Acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do ensino fundamental – Brasília: MEC, 2012. 137p. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12827-texto-referencia-consulta-publica-2013-cne-pdf&category_slug=marco-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 21 de maio de 2020.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 542p.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 28/04/99.

BRASIL. Lei número 9.394 de 20 de Dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em 22 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília (DF). 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf>. Acesso em: 1 set. 2018.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em: 26 fev 2018.

CARVALHO, I. C. M. C. Educação Ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: PHILIPPE, P. L. (coord.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental; Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 13-24, 2004.

COELHO MONTEIRO, I.F.; MONTEIRO, P.D.E.B.S.C.O. A Educação Ambiental e as representações sociais dos professores da rede pública no ensino fundamental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 165-176, 2017.

CZAPSKI, S. A Implantação da Educação Ambiental no Brasil. Brasília: Coordenação de Educação Ambiental, Ministério da Educação, 1998. 166p.

DALL’ONDER, A. Educação Ambiental e resíduos sólidos: um estudo nas escolas públicas municipais de São Paulo. 2018. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade) – Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/100/100136/tde-09042018-095938/>. Acesso em: jun. 2018.

DOURADO, L. F. Políticas e Gestão da Educação Básica no Brasil: Limites e Perspectivas. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 921-946, out. 2007.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido: saberes necessários a práticas educativas. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Por uma pedagogia da pergunta. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Instituto Paulo Freire, Série Unifreire; 2, 2009.

GOHN, M. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., v. 14, n. 51, p. 27-38, jan./mar. 2006. Disponível em: <http://escoladegestores.mec.gov.br/site/8-biblioteca/pdf/30405.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2018.

GRANDISOLI, E. Projeto Educação para a Sustentabilidade: transformando espaços e pessoas. Uma experiência de sete anos no ensino médio. Tese de doutorado. IEE-USP; orientador: Pedro Roberto Jacobi. – São Paulo, 2018.

GRANDISOLI, E. Aprendizagem por desafios: conectando pessoas e contextos. 2019. Disponível em <https://respostasparaoamanha.com.br/ noticias/categoria/4/tudo-sobre-o-premio/noticia/25/aprendizagem-por-desafios-conectando-pessoas-e-contextos/>. Acesso em 21 de abril de 2020.

GRANDISOLI, E.; SOUZA, D. T. P.; MONTEIRO, R. A. A.; JACOBI, P. R. Participação, cocriação e corresponsabilidade: um modelo de tripé para a educação para a sustentabilidade. In: GRANDISOLI, E.; SOUZA, D. T. P.; JACOBI, P. R.; MONTEIRO, R. A. A. (orgs.) Educar para a sustentabilidade: visões de presente e futuro. São Paulo: IEE-USP: Reconectta: Editora Na Raiz, 2020.

GUERRA, L. D.; SILVA, J. B. Cultura e desenvolvimento: uma visão crítica dos termos do debate. In: BRASILEIRO, M. D. S.; MEDINA, J, C. C.; CORIOLANO, L. N. (orgs.). Turismo, cultura e desenvolvimento [online]. Campina Grande: EDUEPB, pp. 195-233, 2012.

GUIMARÃES, M. A Formação de Educadores Ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

GURSKI, B. ROBERTO, G. TENDOLINI, P. Conferência de Estocolmo: Um marco na Questão Ambiental. Revista Unicuritiba, v. 11, n. 12, 2012.

HOY, W. K. Administração Educacional: teoria, pesquisa e prática. Tradução: Henrique de Oliveira Guerra. 9ª ed. Porto Alegre: 2015. 519p.

JACOBI, P. R.; TOLEDO, R. F.; GRANDISOLI, E. Education, sustainability and social learning. Brazilian Journal of Science and Technolog, v.3, n.3, 2016.

JACOBI, P.R.; GUERRA, A.F.S.; SULAIMAN, S.N.; NEPOMUCENO, T. Mudanças Climáticas Globais: a resposta da educação. Revista Brasileira de Educação, v.16, n. 46, 2011.

KELLERT, S. R. Experiencing nature: affective, cognitive and evaluative development in children. In: KAHN, P. H.; KELLERT, S. R. Children and nature. Psychological, sociocultural, and evolutionary investigations. MIT, 2002.

KOPNINA, H. Education for the future? Critical evaluation of education for sustainable development goals. The Journal of Environmental Education, v.51, Issue 4, 2020.

LAYRARGUES, P. P. Muito além da natureza: Educação Ambiental e reprodução social. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. C. de (orgs). Pensamento complexo, dialética e Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, pp. 72-103, 2006.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. Mapeando as macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental contemporânea no Brasil. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVII, n. 1, pp. 23-40, 2014.

LEFF, H. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. In: PHILIPPI Jr. A. et al. Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Signus, p. 179, 2000.

LEMES, S.S. Indagações sobre as políticas educacionais e reflexões sobre demandas percebidas pelo estado brasileiro: tópicos para análise circunstanciada de seus instrumentos de ação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. esp. 3, p.1616-1625, 2016.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. 8. ed. São Paulo: Cortez, 544 p, 2009.

LOUREIRO, C. F. B. et al., Contribuições da teoria marxista para a Educação Ambiental crítica. Cadernos Cedes, Campinas, vol. 29, n. 77, p. 81-97, jan./abr. 2009.

LUCAS, A. M. The role of Science Education in Education for the Environment. The Journal of Environmental Education, v.12, n.2, p.33-37, 1980.

MINTZBERG, H. Estrutura nas Escolas. In: HOY, W. K. Administração Educacional: teoria, pesquisa e prática. Tradução: Henrique de Oliveira Guerra. 9ª ed. Porto Alegre: 2015. 519p.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (Orgs.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Coleção Mídias Contemporâneas, v.II, PROEX/UEPG, 2015.

MORITZ, G. O.; MORITZ, M. O.; PEREIRA, M. F. Planejamento por Cenários Prospectivos: Referencial Metodológico Baseado em Casos para a Aplicação Prática nas Organizações. São Paulo, SP: Atlas, 2012. 111p.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2003. 404 p.

NOVICKI, V.; SOUZA, D.B. Políticas públicas de Educação Ambiental e a atuação dos conselhos de meio ambiente no Brasil: perspectivas e desafios. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., v.18, n.69, Rio de Janeiro Oct./Dec. 2010.

OLIVEIRA, L, D. A Conferência do Rio de Janeiro – 1992 (Eco-92): reflexões sobre a geopolítica do desenvolvimento sustentável. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro6/anais/ARQUIVOS/GT15-170-31-31-20120626115525.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2017.

OLIVEIRA, L. D. A Geopolítica do Desenvolvimento Sustentável na CNUMAD — 1992 (Eco-92): entre o Global e o Local, a Tensão e a Celebração. Revista de Geopolítica, Ponta Grossa, PR, v. 2, n. 1, p. 43 — 56, jan./jun. 2011b.

OLIVEIRA, L. D. A Geopolítica do Desenvolvimento Sustentável: um estudo sobre a Conferência do Rio de Janeiro (Rio-92), 2011. 283 p. Tese (Doutorado em Geografia). Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2011 a.

OLIVEIRA, L. D. Da Eco-92 à Rio + 20: uma breve avaliação de duas décadas. Boletim Campineiro de Geografia, v. 2, n. 3, 2012.

OLIVEIRA, L.; NEIMAN, Z. Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.15, n.3, p.36-52, 2020.

OTERO, P. B. G.; NEIMAN, Z. Avanços e desafios da Educação Ambiental brasileira entre a Rio 92 e a Rio+20. Revista Brasileira de Educação Ambiental (online), v. 10, pp. 20-41, 2015.

PEDRINI, A. G; DE-PAULA, J. C. Educação Ambiental: críticas e propostas. In: PEDRINI, A. G. (Org.). Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. 6. ed. Petrópolis: Vozes, p. 90-146, 2008.

PEDRINI, A.; COSTA, E.; GHILARDI, N. Percepção ambiental de crianças e pré-adolescentes em vulnerabilidade social para projetos de educação. Ciência & Educação, v. 16, n. 1, p. 163-179, 2010.

PEREIRA, M.C.S. Educação Ambiental na perspectiva da intervenção social: abordagem interdisciplinar a partir do Projeto Ocupe a Praça (São Paulo-SP). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Análise Ambiental Integrada, Unifesp, Diadema, 2019. Disponível em <https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/56228>. Acesso em 17 out. 2021.

PHILLIPI JÚNIOR, A. et al. Interdisciplinaridade em ciências ambientais. São Paulo: Signus, 318 p. [Série textos básicos para a formação ambiental, 5], 2000.

RAMOS, E.C. Educação Ambiental: Evolução Histórica, Implicações Teóricas e Sociais. Uma Avaliação Crítica. 1996. 147 f. Dissertação de Mestrado em Educação na área de Concentração de Educação e Trabalho. Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, PR, 1996.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Diretrizes pedagógicas e programa municipal de Educação Ambiental. Texto Aline Danielle Paes Julião; Juliana Ferreira de Castro. São Paulo: SMA, 2014. Disponível em: <http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/cea/2014/11/diretizes-pedagogicas.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2018.

SÃO PAULO (Município). Currículo da Cidade. 2017. Disponível em: <http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/47274.pdf>. Acesso em: 3 set. 2018.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Direitos de Aprendizagem dos Ciclos Interdisciplinar e Autoral. Coleção Componentes Curriculares em Diálogos Interdisciplinares a Caminho da Autoria. 72 p. 2016a. Disponível em: <http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Colecao-Componentes-Curriculares>. Acesso em: 3 set. 2018.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Projeto Político Pedagógico. São Paulo: Município de São Paulo, 2016b. Disponível em: <http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Main/Noticia/Visualizar/PortalSMESP/Projeto-Politico-Pedagogico>. Acesso em: 31 jan. 2016.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, pp. 317-322, maio/ago. 2005b.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, M.; SAUVÉ, L. M.; CARVALHO, I. C. M. (Orgs.). Educação Ambiental: pesquisas e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005a.

SILVA THIESEN, J. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, 2008.

SILVA, A. F.; LEMES, S. S. Uma discussão com vistas ao desenvolvimento de um sistema online de avaliação do desempenho escolar: um estudo experimental sobre avaliação de desempenho escolar em rede. RPGE–Revista online de Política e Gestão Educacional, v.20, n.2, p. 271-281, 2016

SILVA, F.B.; CECCON, S.; GUNTZEL-RISSATO, C.; SILVEIRA, T.R.; TEDESCO, C.D.; GRANDO, J.V. Educação Ambiental: Interação no Campus Universitário através de Trilha Ecológica. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 17, 2006.

SILVA, M. P. Educação Ambiental para as séries iniciais. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade de Brasília, Brasília - DF, 2011.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; JUNIOR, L. A. F. Educação Ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.

SPUDEIT, D. Elaboração do plano de ensino e do plano de aula, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio – Centro de Ciências Humanas E Sociais – CCH. Rio de Janeiro, fev. 2014.

TÁVORA, F.L. A Herança da Rio + 20. Senado Federal. Brasília. 2012. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos.../tipos.../a-heranca-da-rio-20>. Acesso em: 15 fev. 2018.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Trad. de Lívia de Oliveira. Londrina: EdUEL, 2012.

UNESCO. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável. 2017. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002456/245656POR.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2017.

UNESCO. Educação para os objetivos de desenvolvimento sustentável: objetivos de aprendizagem. Brasília: Unesco, 2017. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0025/002521/252197por.pdf> Acesso em jun. 2018.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 14. ed. São Paulo: Papirus, 2002.

Downloads

Publicado

01-12-2021

Como Citar

Grandisoli, E., Curvelo, E. C. ., & Neiman, Z. (2021). Políticas públicas de Educação Ambiental: História, formação e desafios. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(6), 321–347. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.12811

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-10-10
Aceito: 2021-11-16
Publicado: 2021-12-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>