PREMISSAS DECOLONIAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE PROTEÇÃO ESCOLAR

Autores

  • Fernando Guimarães Oliveira da Silva Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2023.v11.14735

Palavras-chave:

Desigualdades socioeducacionais, Proteção ao estudante, Diversidades

Resumo

O sistema escolar brasileiro arquitetou-se física e simbolicamente em padrões coloniais da opressão de pessoas que se localizam nos marcadores sociais de classe, raça, gênero, sexualidades e outras diferenças. Este estudo é oriundo de dois eventos marcantes em minha condição política docente: um, sobre a minha experiência de trabalho vivida em dez anos de atuação nas áreas de educação, assistência social e saúde mental na adolescência; e a outra, ao lecionar a disciplina “Escola e sistema de garantia de direitos de crianças e adolescentes (SGDCA)”, junto ao programa de pós-graduação em educação, de uma Universidade Estadual. Para realizar um olhar científico, político e institucional, pesquisei engajado nas letras decoloniais para abordar por meio do: levantamento bibliográfico, a experiência vivida e a escrevivência do tempo de trabalho, os elementos necessários para cunhar três movimentos de sentipensar falsbordiano: 1) Acreditar; 2) Embriagar e 3) Afrontar e resistir; que apontam recomendações para a construção de um sistema de proteção escolar.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Guimarães Oliveira da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Professor do Programa de pós-graduação em educação e do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS, Paranaíba). Doutor em educação pelo programa de pós-graduação em educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Coordena o Núcleo de estudos e pesquisas em educação antirracista (NEPEA).

Referências

ALVARENGA, Mirella S. Riscos e vulnerabilidades: razões e implicações para o uso na nova política nacional de assistência social. Dissertação (Mestrado em Política Social) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

AMPARO, Deise et al. Adolescentes e jovens em situação de risco psicossocial: redes de apoio social e fatores pessoais de proteção. Estudos de Psicologia, Natal, v. 13, n. 2, p. 165-174, ago. 2008.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 15 jul. 2022.

COLLINS, Patricia H. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness, and the Politics of Empowerment. New York: Routledge, 2009.

COLLINS, Patricia H.; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2020.

DICIONARIO ONLINE. Dicionário online de Português. 2022. Disponível em: <https://www.dicio.com.br/premissas/>. Acesso em: 14 set. 2022.

DINIZ, Debora. Carta de uma orientadora: o primeiro projeto de pesquisa. 2ª ed. Brasília: Letras livres, 2015.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2016.

FALS BORDA, Orlando. Ante la crisis del país: ideas-acción para el cambio. Bogotá: El Áncora Editores/Panamericana Editorial, 2003

FOUCAULT, Michel. Os anormais. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Última entrevista de Paulo Freire. São Paulo, 1997. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Ul90heSRYfE>. Acesso em: 5 dez. 2022.

hooks, bell. Ensinar a transgredir: a educação como prática de liberdade. 2ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

LOPES, Ana Christina B. Desafios da Proteção Integral no Âmbito Escolar. In: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. (Org.). Enfrentamento à Violência na Escola. Curitiba: SEED-PR, 2008. p. 43-58.

MACEDO, Neusa D. de. Iniciação a pesquisa bibliográfica: guia do estudante para a fundamentação do trabalho de pesquisa. São Paulo: Loyola, 1995.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade da decolonialidade: algumas dimensões básicas In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramon. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2020. p. 27-54.

MENDES, Ana Clara M. A escola e o trabalho em rede: construindo redes internas e explorando a rede de proteção social. In: MEDEIROS, Amanda M. A.; et al. Docência na socioeducação. Brasília: UNB, 2014. p. 293-303.

MEYER, Dagmar. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar E.; PARAÍSO, Marlucy A. (Org.) Metodologias de Pesquisas Pós-críticas em Educação. 2ª ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014. p. 49-64.

MIRANDA, Eduardo O. Corpo-território & educação decolonial: proposições afro-brasileiras na invenção da docência. Salvador: Edufba, 2020.

MISKOLCI, Richard. Do desvio às diferenças. Teoria & Pesquisa, São Carlos, v. 47, n. 1, p. 9-42, 2005.

MOTA NETO, João C. da. Paulo Freire e Orlando Fals Borda na genealogia da pedagogia decolonial latino-americana. In: 38a Reunião Nacional da ANPEd, 2017, São Luís. Anais... São Luís: UFMA, 2017. p. 1-17.

RAMOS, Ana C. Abandono e evasão escolar de adolescentes: problema para uma rede (integrada) de proteção. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2021.

RIBEIRO, Vanda M.; VÓVIO, Claudia L. Desigualdade escolar e vulnerabilidade social no território. Educar em Revista, Curitiba, ed. esp., n. 2, p. 71-87, set. 2017.

OLIVEIRA, Megg R. O diabo em forma de gente: (r)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. Tese (Doutorado em educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

SANTOS, Émina M. N. dos. A educação como direito social e a escola como espaço protetivo de direitos: uma análise à luz da legislação educacional brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 1, cont. 2019.

SANTOS, Émina M. N. dos; LIMA, Francisco W. S; VALE, Cassio. Decálogo da escola como espaço de proteção social: consolidando a função social da escola como espaço democratizante. EccoS – Rev. Cient., São Paulo, n. 54, p. 1-17, jul./set. 2020.

TIBÉRIO, Wellington. A produção de professores nas escolas: o Sistema de Proteção Escolar e suas articulações com o saber/poder. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 2, p. 387-401, abr./jun. 2013.

TIBURI, Marcia. Complexo de vira-lata: análise da humilhação brasileira. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2021.

YANNOULAS, Silvia C. A escola como instrumento de promoção e garantia de direitos. In: MEDEIROS, Amanda M. A.; et al. Docência na socioeducação. Brasília: UNB, 2014.

WALSH, Catherine; OLIVEIRA, Luiz F.; CANDAU, Vera M. Colonialidade e pedagogia decolonial: Para pensar uma educação outra. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, Arizona, v. 26, n. 83, 2018.

Downloads

Publicado

2023-10-21

Como Citar

Silva, F. G. O. da. (2023). PREMISSAS DECOLONIAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE PROTEÇÃO ESCOLAR. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 11(1). https://doi.org/10.34024/olhares.2023.v11.14735