https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/issue/feed Olhares: Revista do Departamento de Educação da Unifesp 2021-11-25T14:11:11+00:00 Equipe Editorial Olhares olhares@unifesp.br Open Journal Systems <p>A revista Olhares é um periódico de publicação quadrimestral, exclusivamente eletrônico, de circulação nacional e internacional, do Departamento de Educação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Paulo. Vinculada aos Programas de Pós-Graduação – PPG Educação e Saúde na Infância e na Adolescência e PPG em Educação.</p> https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12548 Por uma Pedagogia dos direitos humanos em Paulo Freire 2021-09-09T18:26:42+00:00 Ivone Laurentino dos Santos laurensantos@globo.com <p>Paulo Freire, na sua compreensão ético-político-antropológica de uma epistemologia crítico-educativa, que tem como ponto central a humanização das sofridas gentes, dedicou-se à luta pelos plenos direitos e igualdade de oportunidades para todos e todas. Com base na premissa de que a práxis de Freire é indissociável da luta pela dignidade humana, torna-se necessário o resgate de sua pedagogia libertária, potencializando as vidas dos que se encontram à margem da sociedade, de modo a evidenciar a substantividade dos Direitos Humanos. Este texto tem como objetivo ampliar e qualificar o debate sobre a importância de uma Pedagogia dos Direitos Humanos em Paulo Freire, a partir da análise teórica e conceitual da sua 'ética universal do ser humano', na interface com os Direitos Humanos. A defesa do acesso à Justiça pelos vulneráveis sociais atravessa todo o pensamento de Freire, na sua luta incessante e engajada pela garantia dos Direitos Humanos. Freire expressou solidariedade pessoal aos excluídos da ética de mercado, afirmando o Direito como prática para a libertação. A teoria de Freire é, em síntese, um Tratado dos Direitos Humanos, visto que atravessada pela problematicidade, politicidade, eticidade e amorosidade. A proposta de uma Pedagogia dos Direitos Humanos em Freire, encontra legitimidade no fato de que, o discurso freiriano, nascido do real e concreto, em favor dos condenados da terra, dos oprimidos, dos esfarrapados do mundo, pode ser uma grande ferramenta na luta para se garantir condições de vida digna àqueles e àquelas que, em pleno Sec. 21, ainda sofrem com a negação de suas liberdades.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Ivone Laurentino dos Santos https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/11971 Educação, Pedagogia decolonial e direitos humanos: reflexões sobre utopia e emancipação em Paulo Freire 2021-05-04T15:52:12+00:00 Eduardo Carlos Bianca Bittar eduardocbbittar@gmail.com <p>Este artigo analisa a importância do conceito de <em>utopia</em>, enquanto atrelado à ideia de <em>esperança</em>, desenvolvido pelo pensamento do educador Paulo Freire. O artigo integra as iniciativas de celebração do centenário de Paulo Freire (1921-2021), procurando ressaltar a originalidade e a especificidade de sua luta em face da opressão social, das injustiças e das violências. Na busca pela autenticidade, a produção do sujeito emancipado não é uma tarefa externa ao próprio sujeito, por isso, a tarefa da educação é a de mobilizar as condições para o exercício de uma consciência emancipada. Esta é vista como condição para o processo de construção da cidadania, da autonomia e da democracia. Isso significa a passagem da ‘inexperiência democrática’ à ‘experiência democrática’, por sujeitos que agem na história, em favor de uma sociedade descolonizada de seu passado opressor e propensa à busca por justiça. O diálogo e a criticidade são os instrumentos de uma educação voltada para a cidadania e para a transformação social. É neste quadro de análise que a pedagogia freireana faz-se uma pedagogia decolonial, o que a conecta com a dimensão das lutas pelos direitos humanos. Nisto, a pedagogia freireana abre um caminho de enorme importância para as tarefas atuais da educação em direitos humanos.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Eduardo Carlos Bianca Bittar https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12541 Paulo Freire, bell hooks e a construção de uma Pedagogia feminista crítica 2021-09-24T12:48:19+00:00 Silviana Fernandes Mariz silviana_mariz@unilab.edu.br <p>O presente artigo reflete sobre como bell hooks (1984; 1994) incorporou e transformou o pensamento de Paulo Freire em base teórico­metodológica para a construção e o fortalecimento de uma pedagogia crítica engajada numa perspectiva feminista, antirracista e decolonial. Para tanto, considerando o pensamento freireano como teoria itinerante (SAID, 1983; 2006), realizamos pesquisa em diferentes fontes, bibliográficas e audiovisuais, físicas e virtuais, publicadas principalmente nos Estados Unidos, a fim de estabelecer os marcos de aproximação entre Freire e hooks. Por outro lado, adotamos a prosopografia como método de investigação das características comuns compartilhadas por Freire e hooks em suas trajetórias como intelectuais públicos, situados no campo da Pedagogia Crítica Radical, com a finalidade de identificar conexões e zonas de contato em suas histórias de vida. Com isto, foi possível confirmar a teoria freireana como teoria itinerante, tendo em hooks uma potente leitora e articuladora de sua expansão para os estudos feministas.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Silviana Fernandes Mariz https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12428 Os discursos sobre as diferenças na educação: da negação à utopia freiriana da comunhão na escola 2021-09-24T13:21:54+00:00 Luciana Pacheco Marques luciana.marques65@gmail.com Luka de Carvalho Gusmão lukagusmão87@yahoo.com.br Alan Willian de Jesus alan.faced@yahoo.com.br <p>Na Atualidade, ganham cada vez mais corpo as reflexões críticas acerca dos múltiplos modos de exclusão na sociedade, bem como sobre os reais sentidos das políticas de inclusão em diversos espaços de convivência, entre eles o escolar. No presente ensaio, objetivamos dar nossa contribuição a essas reflexões, discutindo os sentidos atribuídos às diferenças humanas no âmbito educacional e ressignificando-os à luz do pensamento de Paulo Freire. Adotando a escrita ensaística, percorremos uma trajetória de pensamento na qual primeiramente destacamos a existência de três diferentes formações ideológicas que caracterizam as atitudes humanas diante das diferenças: a da negação, a da marcação e a da comunhão, sendo que cada uma delas implica num olhar sobre o processo pedagógico. Em seguida, depois de denunciar os discursos da negação e da marcação, desenvolvemos e advogamos em favor da perspectiva da comunhão com as diferenças apoiando-nos nas categorias freirianas de inconclusão, conscientização e diálogo. Por fim, concluímos que a comunhão com as diferenças a partir da leitura freiriana é uma utopia não só possível, como necessária para a concretização de uma educação efetivamente inclusiva.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Luciana Pacheco Marques, Luka de Carvalho Gusmão, Alan Willian de Jesus https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12351 Ensinar exige colaboração: uma interface entre Paulo Freire e a educação inclusiva na perspectiva do ensino colaborativo 2021-07-19T22:07:33+00:00 Erika Souza Leme erika.leme10@gmail.com Jaqueline Luzia da Silva jaquelinedasilva@gmail.com Desirée Ramos Carmo desireeramos@id.uff.br <p>O presente artigo se relaciona às experiências de formação docente inclusiva na perspectiva do Ensino Colaborativo desenvolvidas pelo LaIFE – Laboratório de Inclusão, Formação Cultural e Educação, vinculado à Universidade Federal Fluminense - UFF. Trata-se de um recorte do projeto de pesquisa e extensão, que ocorreu na modalidade remota, em razão da pandemia da Covid-19, que ascende a formação de professores fundada na relação com a <em>pr</em><em>á</em><em>xis</em>, contextualizada e dialógica, que articula saberes científicos, pedagógicos e da experiência. Embasadas pelo referencial da Teoria Crítica e da pedagogia freiriana, neste texto, nos lançamos ao desafio de elaborar tessituras com os conceitos de ensino colaborativo e inédito viável, almejando o fortalecimento do processo de ruptura com as práticas pedagógicas excludentes, rumo à inclusão. Sustentadas pelo aporte teórico, privilegiamos narrativas abrindo espaço às experiências vividas registradas no caderno memorial, que toma por <em>corpus</em> os relatos de experiências registrados ao longo do curso de formação. A análise dos dados visa destacar os vínculos que se entretecem entre a compreensão do ensino colaborativo com o inédito viável e, assim, apreender e problematizar seus sentidos, bem como iluminar suas potencialidades no contexto da inclusão escolar. Os resultados apontam que precisamos avançar na formação inicial e continuada na perspectiva do ensino colaborativo como um inédito viável, buscando os enredamentos de formação humana calcada na sensibilidade e no tensionamento da cultura em prol do direito de todos à educação.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Erika Souza Leme, Jaqueline Luzia da Silva, Desirée Ramos Carmo https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12419 A contribuição de Paulo Freire aos estudos sobre educação e migrações internacionais: uma breve revisão de literatura 2021-09-24T12:25:24+00:00 Solange Martins Oliveira Magalhães solufg@hotmail.com Rômulo Sousa de Azevedo romulo.sousadm@gmail.com Cláudia Tavares do Amaral claudiatamaral@gmail.com Altina Abadia da Silva tinaufg8@gmail.com <p>Este artigo tem por objetivo analisar as contribuições da obra de Paulo Freire para os estudos sobre a relação educação e migrações internacionais. Realizamos um levantamento bibliográfico de teses, dissertações e artigos, no âmbito da pesquisa educacional, em que o pensamento freireano foi utilizado como referencial teórico. O recorte temporal foi 2010-2020. Foram consultadas as bases da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; da Biblioteca Brasileira de Teses e Dissertações, Google Scholar, e Scielo. A pesquisa mostra como a abordagem freireana pode favorecer a análise do tema proposto, suas obras são fonte profícua para implementar a transformação e a melhoria da realidade das crianças imigrantes e/ou refugiadas.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Solange Martins Oliveira Magalhães, Rômulo Sousa de Azevedo, Cláudia Tavares do Amaral, Altina Abadia da Silva https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12079 Pensamentos em fronteiras: que lições tirar nos processos de alfabetização africanos à luz das concepções de Paulo Freire? 2021-06-09T13:40:43+00:00 Cirlene Cristina de Sousa cirlene.sousa@uemg.br José de Sousa Miguel Lopes miguel-lopes@uol.com.br <p>O texto apoia-se numa pesquisa de cunho bibliográfico sobre as fronteiras do pensamento de Paulo Freire e seus encontros com a África a partir de várias de suas obras. Inicialmente, são abordadas as condições políticas e ideológicas que levaram Paulo Freire a ser preso pela ditadura de 1964 no Brasil, em virtude de suas propostas educativas revolucionárias. Sua ida para o exílio no Chile, onde publicou sua obra mais famosa “Pedagogia do Oprimido”, acabou levando Freire a se envolver nas lutas de outros povos latino-americanos e africanos. No caso específico do continente africano, suas experiências remodelaram sua pedagogia e sua prática como educador. O artigo está dividido em duas partes, a saber: na primeira, trabalha-se o sentido da alfabetização freireana no seu encontro com a África. Na segunda, traça-se um pequeno histórico dos desafios e conquistas desse encontro. Finalmente, nota-se que a educação de Paulo Freire, por seu caráter político e emancipador, influenciou as políticas educacionais de países africanos que se tornaram independentes. Na conclusão, enfatiza-se que é legítimo afirmar que as “falas” de Paulo Freire se misturam com as experiências por ele vividas na África, pois não é difícil perceber marcas africanas no seu modo de ser, estar, fazer e conviver. Entender Paulo Freire como intelectual de fronteira significa dizer que seu pensamento vem se alterando em função do tempo e do contexto histórico que se encontra inserido. A atualidade do seu pensamento não se restringe a fronteiras sociais, culturais e políticas. Daí a grandeza de seu legado.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Cirlene Cristina de Sousa, José de Sousa Miguel Lopes https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12604 Paulo Freire: o antropófago da educação 2021-08-30T23:23:16+00:00 Ivete Souza da Silva ivetesouzadasilva@yahoo.com.br <p>Pensar a educação a partir dos pressupostos antropofágicos de <em>devoração</em> e <em>criação</em> é o exercício proposto neste artigo tendo nas práticas do educador Paulo Freire subsídios teóricos e epistemológicos para sua elaboração<em>. </em>Paulo Freire fez e refez a sua prática em íntima comunhão com sua teoria, e ambas, prática e teoria, se fizeram com as pessoas que andaram com ele em cada um dos lugares por onde andou/trabalhou, sendo um exemplo de <em>antropófago da/na educação brasileira</em>. O texto revisita as ideias de Paulo Freire re-inventando a re-invenção proposta em Tese de Doutoramento, onde estabeleceu-se diálogo entre os pressupostos da Antropofagia Cultural Brasileira e as práticas inventivas de Paulo Freire, Augusto Boal e Hélio Oiticica. O conceito de <em>Antropofagia</em> abordado refere-se ao movimento cultural ocorrido na década de 1920 no Brasil, que tinha como principal objetivo romper com padrões de arte e cultura europeus. O que era externo a nós deveria ser devidamente <em>devorado</em> e <em>ruminado</em> ao sabor das nossas culturas e de nossas necessidades, evitando a cópia de modelos padronizados e descontextualizados, abrindo espaço para a <em>criação </em>de uma arte e cultura com elementos nossos. O princípio antropofágico nos desafia a <em>criação</em> de práticas pedagógicas contextualizadas, criadas a partir da <em>devoração</em> que fizemos do outro que compõe conosco o espaço educativo. Nesse sentido, busca-se trazer elementos que exemplifiquem o exercício antropofágico vivido por Paulo Freire durante a elaboração dos seus conceitos teóricos e epistemológicos, bem como apresentar um exercício de reinvenção do pensamento freireano através de uma proposição educativa vivenciada.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Ivete Souza da Silva https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12598 Um olhar a partir das iniciativas pedagógicas de Pestalozzi e a pedagogia freireana 2021-08-30T23:01:15+00:00 Edna Maria Lopes da Silva medeiae@yahoo.com.br <p>Este artigo é fruto de uma pesquisa de Doutorado, de cunho Histórico, Bibliográfico e Documental sobre os fundamentos do Método de Ensino Intuitivo, executado no Brasil, no final do século XIX, também conhecido como Lição de Coisas. Priorizou-se o estudo do Manual Didático de Norman Allison Calkins <em>Primeiras Lições de Coisas, </em>que continha os princípios do referido método criado por Henri Pestalozzi. Neste trabalho o objetivo é apresentar aproximações e distanciamentos entre a proposta teórica de Henri Pestalozzi, que fundamenta o método intuitivo e a teoria pedagógica de Freire, que fundamenta o método de alfabetização. Trata-se de um estudo reflexivo sobre estes autores e suas propostas através de métodos de ensino para leitura e escrita; autores de tempos e contextos diferentes, cujos temas de trabalho também são distintos, o primeiro, voltado para educação infantil e o segundo, para educação de jovens e adultos. Conclui-se que em suas propostas pedagógicas estão presentes críticas ao modelo de acesso ao saber sistematizado e ambos priorizam o incentivo da curiosidade do educando e das coisas do seu mundo. Ambos os métodos e seus princípios apresentam uma proposta acessível e necessária ao educador e ao educando porque propiciam o aprimoramento de suas capacidades de percepção e qualificação da ação. Ajuda-os a ver, ouvir, sentir e intuir mais e melhor sobre e a partir de seu mundo, uma vez que sua abertura ao diálogo e à reflexão viabiliza uma educação intelectualizada sem desprezar os saberes do corpo.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Edna Maria Lopes da Silva https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12586 Paulo Freire e sua influência na constituição de um curso de EJA 2021-09-24T12:30:50+00:00 Ana Rafaela Correia Ferreira anarafaelacf@yahoo.com.br <p>Este artigo apresenta alguns resultados de uma pesquisa que buscou investigar a influência de Paulo Freire na constituição e desenvolvimento de um curso de suplência, direcionado a estudantes jovens, adultos e idosos, no 2° segmento do Ensino Fundamental, na Rede Pública Municipal de Educação de Betim, no estado de Minas Gerais. A fonte principal para essa constituição são as entrevistas realizadas com nove sujeitos, entre professores e pedagogos, com o uso da metodologia da História Oral. Para a análise empreendida, destacou-se excertos referentes ao curso de suplência, com a intenção de elaborar compreensões sobre a sua implantação e organização. Embora o curso tenha sido implementado de forma experimental em apenas algumas escolas, as narrativas dos colaboradores demonstram um desejo e uma tentativa de se repensar a organização administrativa da modalidade Educação de Pessoas Jovens e Adultas, destacando a importância de Paulo Freire nesse processo. Além disso, foi mencionada a metodologia de projetos de trabalho como principal prática pedagógica do ensino destinado a jovens, adultos e idosos naquele período.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Ana Rafaela Correia Ferreira https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12587 Aprendendo a sonhar com CIEJA Campo Limpo: a inclusão escolar através de uma metodologia na perspectiva freiriana 2021-09-24T12:51:25+00:00 Martha Milene Fontenelle Carvalho marthainclusao@gmail.com Rosane Santos Gueudeville rosane.gueudeville@urca.br <p>É necessário pensar as práticas educativas com foco em ações mais humanas, democráticas e equitativas, que ultrapassem os muros ainda resistentes de uma educação bancária e homogênea, que não valoriza a diversidade e liberdade humana. O cenário exige transformação. Diante disso, fazem-se necessárias atitudes que promovam a inclusão educacional, possibilitando que todas as pessoas participem da vida em sociedade, assegurando o acolhimento à diversidade humana e aceitação das diferenças e peculiaridades dos educandos público-alvo da Educação Especial. Assim, o objetivo desta investigação foi compreender as práticas pedagógicas no CIEJA Campo Limpo que dialogam com uma perspectiva freiriana e inclusiva. Tratou-se de um estudo de avaliação do Estado do Conhecimento (ou Estado da Arte). Do ponto de vista do corpus empírico, tratou-se de uma pesquisa documental, alicerçada metodologicamente na Análise de Conteúdo. Os resultados foram obtidos através do levantamento sistematizado de literatura, realizado por meio do <em>Catalogo de teses e Dissertações da CAPES</em>, através dos descritores: CIEJA e inclusão. Foi encontrado um total de 24 dissertações, utilizando-se como critérios de inclusão estudos que apresentassem como campo empírico o CIEJA Campo Limpo e/ou tivessem a inclusão como eixo de discussão; e como critérios de exclusão, estudos que não tivessem sido realizados no Centro Integrado mencionado. Após a leitura inicial dos respectivos resumos e das descrições metodológicas (em capítulos específicos) apenas 4 (quatro) tratavam diretamente do CIEJA Campo Limpo. Os resultados apontaram que as práticas pedagógicas ancoradas nas concepções freirianas conduzem para a libertação e para uma educação emancipatória e possibilitam pensar o processo de transformação da realidade, tão indispensável ao contexto atual.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Martha Milene Fontenelle Carvalho, Rosane Santos Gueudeville https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12536 A "Nossa História pode ser contada" – Um relato sobre alfabetização em círculos de cultura em Nazaré (RO) 2021-09-16T12:46:02+00:00 Helen Cristiane da Silva Theodoro helenstheodoro@gmail.com Michele Cristina Batista Barbado michelebbarbado@gmail.com Sophia Ricci Noronha sophia.ricci.noronha@hotmail.com Valéria Oliveira de Vasconcelos valvasc2013@gmail.com <p>A desigualdade social é uma das mais fortes marcas do Brasil, mantendo grupos segregados e hierarquizados, seja por razões econômicas, étnicas, raciais, de gênero, de sexualidade e até por seus níveis de escolarização. O analfabetismo persiste em nosso país e coincide quase exatamente com a geografia da pobreza. Frente a este contexto, o presente artigo traz o relato de uma vivência com mulheres ribeirinhas cuja história, segundo uma delas: “pode ser contada”. A experiência foi realizada na comunidade de Nazaré, localizada no baixo Rio Madeira/RO, na Amazônia brasileira e ocorreu no âmbito das ações do Núcleo de Apoio às Populações Ribeirinhas da Amazônia - NAPRA. Este artigo apresenta o relato de um trabalho cujo objetivo foi o de desenvolver encontros pedagógicos com vistas à alfabetização de algumas mulheres adultas. A metodologia foi pautada nos círculos de cultura segundo o referencial freiriano. Como resultados são apontados quatro aprendizados principais: 1) a importância de estar, de forma genuína, no território onde os encontros acontecem; 2) a necessidade de articulação regional-local e da permanência para o êxito das atividades; 3) a importância do processo como gerador de potencialidades coletivas e individuais; 4) o entendimento de que, mesmo a experiência sendo pontual, pode gerar mobilização, possibilidade concreta de transformação e partilhas amorosas. Importante ressaltar que, a Amazônia tem sido foco de graves ameaças sociais e ambientais, sendo reduzida a histórias de conflito e violência. Porém, há muitas narrativas a serem compartilhadas e sempre é possível ter esperança quando conseguimos contar outra história.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Helen Cristiane da Silva Theodoro, Michele Cristina Batista Barbado, Sophia Ricci Noronha, Valéria Oliveira de Vasconcelos https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12574 Estudantes jovens e adultos com deficiência e a prática docente na perspectiva freiriana 2021-10-01T13:17:39+00:00 Marcela Fontão Nogueira marcela.fontao@gmail.com Juliane Aparecida de Paula Perez Campos jappcampos@gmail.com <p>O presente estudo traz como principal questionamento a maneira como professores da sala de aula regular constroem sua prática docente junto aos estudantes jovens e adultos com deficiência. Tem por objetivo analisar as narrativas dos professores sobre sua prática pedagógica, percepções e reflexões sobre a atuação junto a esses estudantes. Trata-se de um estudo de caso realizado em um Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) no município de São Paulo. Esse estudo contou com a participação de quatorze professores do ensino fundamental I e II. O instrumento utilizado para coleta de dados foi um questionário, e a análise dos dados foi estruturada a partir de ciclos de codificação. Os resultados apresentados indicaram que os professores: flexibilizaram o currículo por meio da reflexão sobre a sua própria prática; foram dialógicos no planejamento e na prática, valorizando os saberes dos educandos; e, finalmente, o fizeram de maneira colaborativa, construindo sua prática docente em parceria com outros professores e com os próprios estudantes.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Marcela Fontão Nogueira, Juliane Aparecida de Paula Perez Campos https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12566 Pedagogia(s) da infância, pensamento Freiriano e a busca de um projeto educativo democrático 2021-09-16T12:50:04+00:00 Sariane da Silva Pecoits sariane.pecoits@gmail.com Claines Kremer claineskremer@gmail.com Maria Carmen Silveira Barbosa licabarbosa@ufrgr.br <p>Este ensaio discute as concepções educativas das Pedagogias da Infância na Educação Infantil (EI) e tem como objetivo articular o pensamento freiriano a essa perspectiva na busca de sustentação de projeto educativo democrático para a primeira infância. A fundamentação teórica que orienta este trabalho tem como base autores da Educação Infantil e os pressupostos teóricos elaborados pelo educador Paulo Freire. O estudo tem como indicativo que as críticas tecidas às Pedagogias da Infância em especial a sugestão de fragilidade pedagógica a ela conferida no que diz respeito à centralidade das crianças e organização do trabalho docente, podem ser reexaminadas a partir desse diálogo. Depreende-se que as concepções de educação e democracia freirianas podem ser valiosos aportes na discussão de processos educativos na EI para sustentação da garantia da participação das crianças em seu processo de aprendizagem.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Sariane da Silva Pecoits , Claines Kremer, Maria Carmen Silveira Barbosa https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12474 A escola e os movimentos sociais: experiências freireanas na educação fundamental 2021-09-16T12:24:25+00:00 Edilson da Silva Cruz edilson.macarrao@gmail.com Alexandre César Gilsogamo Gomes de Oliveira gilsogamo@usp.br <p style="margin: 0cm; text-align: justify;"><span style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Arial',sans-serif; color: black;">Este artigo descreve o projeto “Nós fazemos a História: a escola e os movimentos sociais”, realizado em uma escola municipal de São Paulo entre 2019 e 2020, e o analisa a partir do referencial teórico de Paulo Freire, em especial os conceitos de dialogicidade, problematização e conscientização. O projeto consistiu em receber na escola ativistas de movimentos sociais e populares que militam em diferentes causas (terra, trabalho, direitos de mulheres, povos indígenas, LGBTs, negra etc.) para rodas de diálogo com os estudantes. Tomando como referência as falas dos envolvidos, compiladas em documentário elaborado a respeito, buscamos responder as seguintes questões: em que ambiente escolar idealizou-se o projeto? Como o conhecimento foi construído ao longo do percurso? Quais os resultados alcançados segundo os sujeitos envolvidos? Concluímos que, além de promover aprendizagens significativas, o projeto foi construído a partir da dialogicidade, permitiu a problematização da realidade e despertou consciência crítica, criatividade e capacidade de intervenção no mundo por parte dos educandos. O arcabouço teórico freireano, mobilizado para compreender esta prática escolar, mostra-se pertinente como ferramenta para compreender os processos de transformação e aprimorá-los na escola, contribuindo para construir uma escola pública democrática e emancipatória.</span></p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Edilson da Silva Cruz, Alexandre César Gilsogamo Gomes de Oliveira https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12531 Sistematização de experiências e extensão universitária: a práxis freiriana vivenciada pelo projeto “Cultura da Palavra e Saúde Mental” da Universidade Federal de São Paulo 2021-08-13T13:00:38+00:00 Fabrício Gobetti Leonardi fabricio.leonardi@unifesp.br Raiane Patrícia Severino Assumpção raiane.assumpcao@unifesp.br Beatriz Ferreira Pontes beatrizferreirap@hotmail.com Nathalia Tomas Cardoso ntcardoso@unifesp.br <p style="text-align: justify;"><span style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Arial',sans-serif;">A práxis freiriana tem sido vivenciada no Projeto de Extensão “Cultura da Palavra e Saúde Mental” da Universidade Federal de São Paulo, desde 2016, em processos de ensino/ aprendizagem e de cuidado em saúde mental em 4 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) na cidade da Santos/SP. A partir dos conceitos freirianos de leitura de mundo, dialogicidade, círculo de cultura e conscientização, este artigo apresenta a sistematização das experiências vividas ao longo do ano de 2020. O processo de sistematização realizado, inspirado no clássico livro “Para sistematizar experiências” (JARA, 1996), possibilitou aos sujeitos envolvidos uma melhor compreensão do trabalho realizado, a problematização da prática dos(as) educadores(as), análise da relação entre educadores(as), educandos(as) e serviços, e a construção de conhecimentos a partir da educação popular. </span></p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Fabrício Gobetti Leonardi, Raiane Patrícia Severino Assumpção, Beatriz Ferreira Pontes, Nathalia Tomas Cardoso https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12530 Paulo Freire e o Ensino de Língua Portuguesa em perspectiva 2021-08-16T19:27:53+00:00 Júlia Mergen Ortiz julia.mergen@unifesp.br Vanda Maria da Silva Elias vanda.elias@unifesp.br <p>O presente artigo tem como tema um estudo sobre o pensamento de Paulo Freire e sua repercussão no e para o ensino de língua. É objetivo da pesquisa refletir sobre como a educação problematizadora/libertadora de Paulo Freire se faz presente no ensino de Língua Portuguesa orientado por pressupostos de estudos do texto de base sociointeracional. Para alcançar o objetivo descrito, o artigo organiza a reflexão em dois momentos. No primeiro instante, deixa em evidência alguns dos pressupostos da pedagogia de Paulo Freire, como apresentados pelo autor em suas publicações, e por outros estudiosos do pensamento do educador. No segundo instante, amplia o diálogo e promove uma articulação entre o pensamento de Paulo Freire e o pensamento de estudiosos da língua e do texto, que vem servindo de orientação ao ensino de Língua Portuguesa no contexto brasileiro, principalmente a partir de 1980. No diálogo estreito entre o pensamento de Paulo Freire e o dos linguistas elencados, observa a repercussão e o impacto da pedagogia de Paulo Freire para o ensino de Língua Portuguesa que, compreendendo a língua como forma de ação, visa a promover práticas situadas e significativas de escrita e leitura, por meio da reflexão, da crítica, da problematização e do questionamento por parte dos sujeitos aprendizes, protagonistas desse processo.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Júlia Mergen Ortiz, Vanda Maria da Silva Elias https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12615 Freire e seu olhar dialógico: uma proposta de leitura de literatura em língua estrangeira para a construção da alteridade 2021-08-11T21:37:52+00:00 Aliana Georgia Carvalho Cerqueira alianageorgia@hotmail.com <p>Neste trabalho, discorre-se sobre uma proposta de leitura em defesa de que as ideias freireanas continuam necessárias e seu olhar tem contribuições relevantes até mesmo para a leitura de literatura em língua estrangeira. A educação problematizadora de Paulo Freire aponta para uma abordagem de leitura dialógica que visa um leitor autônomo como parte do processo de leitura e o professor como mediador desta na construção dos sentidos possibilitados pelo texto, inclusive, literário. Utiliza-se a pesquisa bibliográfica e, mostrando convergências entre conceitos de Bakhtin e o pensamento de Freire, propõe-se que ler é encontrar-se com o Outro, é (re)construir linguagens, é saber-se parte de um todo, de uma cultura que parecia alheia, porém, que define o Eu como sujeito no mundo. Isto é, na aproximação entre uma filosofia da linguagem bakhtiniana e uma teoria pedagógica freireana, entende-se o lugar da literatura nas relações sociais. Consequentemente, o processo de ensino-aprendizagem de leitura de literatura em um novo idioma deve realizar-se pela perspectiva da dimensão social da linguagem. Mediar a leitura de narrativas literárias em língua estrangeira é construir pontes entre a cultura do aluno e a cultura ensinada de forma sistemática, utilizando estratégias de leitura, desenvolvendo a curiosidade de que trata Freire, promovendo o diálogo entre o modo de ver o mundo e a janela de possibilidades que se abre para a compreensão da/pela narrativa literária. Finalmente, a dialogia dessa abordagem mostra-se presente, também, na construção da alteridade, isto é, uma identidade marcada pelo outro.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Aliana Georgia Carvalho Cerqueira https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12326 Freire, presente! Escuta, diálogo e horizontalidade na formação continuada de professores de inglês 2021-07-19T19:01:29+00:00 Lediane Manfé de Souza teacherlediane@gmail.com Carmem Terezinha Baumgartner carmen.baumgartner@yahoo.com.br <p>O presente trabalho é um recorte de uma pesquisa etnográfica de doutorado, realizada em um curso de formação continuada para professores de inglês da Educação Básica, ofertado por uma instituição de ensino técnico e tecnológico do estado do Paraná. Neste estudo, foram investigadas reações e ressignificações do conhecimento local (CANAGARAJAH, 2005; NORTON, 2010) de nove professoras e dois professores de língua inglesa durante sua participação no curso. A análise dos dados apresentada neste artigo foi construída com base na observação participante, notas de campo e vinhetas narrativas, próprias da experiência etnográfica vivenciada por uma das autoras, que também desempenhou o papel de professora-formadora. A partir da concepção freireana do diálogo e da escuta, caracterizada pelo princípio da horizontalidade (FREIRE, 1991)<strong>, </strong>o curso foi pensado para dialogar com os professores e problematizar conhecimentos que levassem à ampliação das possibilidades de trabalho nas aulas de língua inglesa, viabilizando a educação linguística em língua estrangeira/adicional por meio do letramento crítico. Dentre os conhecimentos locais analisados, a própria participação das professoras e professores em cursos de formação continuada mostrou-se passível de ressignificação durante o processo de reflexividade.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Lediane Manfé de Souza, Carmem Terezinha Baumgartner https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12547 Por uma formação inicial de professores(as) de Moçambique na perspectiva freiriana: possibilidades e limites 2021-11-01T19:24:47+00:00 Lázaro Félix Manuel lazarofmanuel@gmail.com Maria de Fátima Gomes da Silva fatimamaria18@gmail.com <p>Este artigo apresenta resultados de uma investigação que teve como objetivo examinar o atual estado da formação inicial de professores de Moçambique, com vistas a sugerir reformulações baseadas na proposta freiriana de educação. Com relação aos procedimentos metodológicos, optou-se pela abordagem qualitativa, com ênfase na investigação temática de Paulo Freire. A coleta de dados foi realizada por meio do Círculo de Cultura freiriano. Foram sujeitos desta pesquisa sete alunos e cinco alunas do Instituto de Formação de Professores de Inhamizua, no Município da Beira de Moçambique. A análise dos dados foi realizada pela técnica de Análise de Conteúdo temático-categorial. Os resultados permitiram concluir que a formação inicial de professores de Moçambique ainda se encontra norteada pelos princípios de uma educação bancária, o que obstaculiza a autonomia intelectual do(a) educando(a). Assim, inferiu-se que as práticas docentes moçambicanas não favorecem uma reflexão crítica sobre a prática de educadores(as) e educandos(as). Concluiu-se, portanto, que será preciso investir em formações continuadas que possibilitem uma práxis educativa crítico-reflexiva, por meio de uma pedagogia dialógica.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Lázaro Félix Manuel, Maria de Fátima Gomes da Silva https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12255 Paulo Freire e Lev Vygotsky: alguns pensamentos e questões sobre essa relação 2021-09-28T13:24:37+00:00 Peter Jones pjones.olhares@gmail.com <p>O artigo estabelece relações de proximidade e contradições entre as concepções teórico-metodologicas desenvolvidas pelos pensadores Lev Vigostsky e Paulo Freire acerca dos processos de desenvolvimento cognitivo de pessoas adultas.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Peter Jones https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/12950 Paulo Freire: 100 anos de práxis libertadora 2021-11-18T11:17:55+00:00 Equipe Editorial Olhares olhares@unifesp.br <p>Apresentação do Número Temático</p> 2021-11-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Equipe Editorial Olhares