A Educação Ambiental e os documentos oficiais da educação básica: uma abordagem interdisciplinar à luz da BNCC

Autores

  • Luciana Cláudia Teixeira Teixeira Universidade da Amazônia, UNAMA
  • Mauro Márcio Tavares da Silva Universidade da Amazônia, UNAMA
  • Ana D'Arc Martins de Azevedo Universidade da Amazônia, UNAMA

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12688

Palavras-chave:

Meio Ambiente; Educação; Interdisciplinaridade; BNCC.

Resumo

O estudo promove a discussão da Educação Ambiental (EA) de modo permanente transitando por meio interdisciplinar no ensino fundamental. Trata-se de uma pesquisa documental, exploratória e descritiva referente aos documentos oficiais norteadores da EA no Brasil. Apesar dos propósitos da EA inserida nos documentos oficiais nacionais, não aparece de forma explícita, destacando sua relevância, pois, a expectativa com a reformulação dos currículos pela BNCC era de que a EA pudesse ser desenvolvida com um caráter de continuidade, de modo transversal e interdisciplinar. Contudo, a EA não aparece como um componente curricular, eixo ou objeto de conhecimento, fato este, que demonstra um aparente reducionismo dos conteúdos na BNCC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M.E.B; MORAN, J.M. Integração das tecnologias na educação. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

BONATTO, A. Interdisciplinaridade no ambiente escolar. Anais do IX Seminário de pesquisa em educação da região Sul - IX ANPED – (UNIJUÍ), 2012.

BORDIGNON, G.; GRACINDO, R.V. Gestão da educação: o município e a escola. In: FERREIRA, N.S.C.; AGUIAR, M.A.S. (Org.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000. p. 147-176.

BRANCO, E.P.; ROYER, M.R.; BRANCO, A.B.G. A abordagem da Educação Ambiental nos PCN, nas DCN e na BNCC. Nuances: estudos sobre a educação. Presidente Prudente - SP, v. 29, n. 1, p. 185-203. Abril, 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação e Cultura. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBEN. Lei Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em 12 de jan.de 2021.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei Federal n° 9.394, de 26 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Senado Federal, 1996.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. CAPÍTULO 1 DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/19795.htm>. Acesso em: 02 de novembro de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Comissão de meio ambiente e qualidade de vida na escola: construindo Agenda 21 na escola. 2. ed. Brasília: MEC, Coordenação Geral de Educação Ambiental, 2007.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997 a. 136p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente/saúde. Brasília: MEC/SEF, 1997b. 128 p.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2/2017: Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/04/resolucaocne_cp222dedezembrode2017>. Acesso em 25 de outubro de 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: Formação do sujeito ecológico. 2ª ed. São Paulo, Cortez, 2008.

CASTRO, C.M. As três leis do império Tupiniquim. Revista Veja, São Paulo, abril, ed. 1825, ano 36, n. 42, p. 20, 22/28 out. 2003. Coluna Ponto de Vista.

CERQUEIRA, A.G.C.; CERQUEIR, A.C.; SOUZA, T.C.; MENDES, P.A. A trajetória da LDB: um olhar crítico frente à realidade brasileira. Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC 2012.

DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z.A.P. (2006). Treinamento de habilidades sociais na escola: O método vivencial e a participação do professor. In: BANDEIRA, M.; DEL PRETE, Z.A.P.; DEL PRETTE, A. (Org..), Estudos sobre habilidades sociais e relacionamento interpessoal (pp. 143-160). São Paulo: Casa do Psicólogo.

FAZENDA, I. A Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, 2002.

FICAGNA, R.C. O Projeto Político Pedagógico e sua importância em uma gestão democrática. Especialização em Gestão Educacional. Universidade Federal de Santa Maria. Constantina, RS, 2009.

GUIMARÃES, V.S. Formação de professores: saberes, identidade e profissão. Campinas, SP: Papirus, 2004.

HAMZE, A. O que é aprendizagem? Disponível em: Vhttp://www.educador.brasilescola.com/trabalho-docente/aprendizagem.htm>. Acesso em: 12 de dezembro de 2020.

JACOBI, P. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. São Paulo: Editora USP, 2003.

MENEZES, E.T.; SANTOS, T.H. Verbete DCNs (Diretrizes Curriculares Nacionais). Dicionário Interativo da Educação Brasileira - Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: <https://www.educabrasil.com.br/dcns-diretrizes-curriculares-nacionais/>. Acesso em: 10 de janeiro de 2021.

OLIVEIRA, E.; SOUZA, M.L. Multiculturalismo, diversidade cultural e direito coletivo na ordem contemporânea. Direito, v. 3, n. 16, p. 121-39, 2016.

PAVIANI, J. Interdisciplinaridade: conceitos e distinções. 2. ed. Caxias do Sul, RS: 2008.

REGO, A.R.F.; PRADO, W.C. Secretaria de Educação Caderno de orientações pedagógicas para a Educação Ambiental: rede estadual de ensino de Pernambuco /Secretaria de Educação. Recife – PE, 2013.

SILVA, M.A.D.; ALMEIDA, P.F. Um estudo comparativo das versões da base nacional comum curricular para o ensino médio. Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco. V CONEDU – Congresso Nacional de Educação 2017.

TAMAIO, I. A mediação do professor na construção do conceito de natureza. Campinas, 2000. Dissertação de Mestrado. FE/Unicamp.

TRICHES, E.F.; ARANDA, M.A.M. A formulação da base nacional comum curricular (BNCC) como ação da política educacional: breve levantamento bibliográfico (2014-2016). Revista On-line de Extensão e Cultura - Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal da Grande Dourados (PROEX/UFGD. Volume 06, nº12, MS 2019.

WASSERMAN, J.C.; A visão interdisciplinar na CAPES: Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental Universidade Federal Fluminense. Instituto de geociências. Niterói, RJ 2013.

Downloads

Publicado

01-08-2022

Como Citar

Teixeira, L. C. T., Silva, M. M. T. da, & Azevedo, A. D. M. de . (2022). A Educação Ambiental e os documentos oficiais da educação básica: uma abordagem interdisciplinar à luz da BNCC. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(4), 425–445. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12688

Edição

Seção

Artigos
##plugins.generic.dates.received## 03/09/2021
##plugins.generic.dates.accepted## 31/05/2022
##plugins.generic.dates.published## 01/08/2022

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.