A Interdisciplinaridade no Ensino de Biologia por meio da Educação Ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.12092

Palavras-chave:

Educação Ambiental Crítica, Ecopedagogia, Educomunicação, Cidadania

Resumo

Diante da complexidade e diversidade das representações ambientais frente às práticas incipientes em Educação Ambiental (EA) que visam o reconhecimento de problemas ambientais e não o seu enfrentamento, este estudo objetivou analisar atividades interdisciplinares desenvolvidas sob enfoque crítico. Entrevistas semiestruturadas foram realizadas antes e depois da execução das atividades as quais foram desenvolvidas pautadas em temas ambientais locais. A partir delas foi constatado que os alunos possuíam uma visão naturalista de ambiente e relacionavam EA apenas com a natureza. A realização das atividades interdisciplinares viabilizou o entendimento da responsabilidade social e política da comunidade escolar e a visão ambiental se tornou globalizante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Meio ambiente e saúde. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Lei. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasil, 1999.

BRASIL. Lei, Nº. 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasil, v. 20, 2010.

BRASIL. Ensino Médio. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012, estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: Diário Oficial da União, 2012.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Programa Nacional de Educação Ambiental-PRONEA. Edições MMA. 4ª ed. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Documento homologado pela Portaria nº 1.570, publicada no D.O.U., Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Fundamentos e práticas de Educação Ambiental para espaços educadores. Disponível em: <https://ead.mma.gov.br/mod/page/view.php?id=79&forceview=1>, acesso em: 2019 a.

BRASIL. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação. 3ª VERSÃO DO PARECER, ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. 2019 b.

BARBOSA, T. J. V. B.; PAES, L. S.; MARQUES, J. D. O.; FREITAS, M. S.; TAVARES, L. A. Atividades de Ensino em espaços não formais amazônicos: um relato de experiência integrando conhecimentos botânicos e ambientais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 11, n. 4, p. 174-183, 2016.

BIASIBETTI, L.; TREVISAN, M. L.; NISHIJIMA, T.; PERES, P. E. C. A concepção dos educadores sobre a temática de Educação Ambiental na escola: dificuldades e desafios. Revista Monografias Ambientais. Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 220-237, mai-ago. 2015.

BRUNDTLAND, G. H.; Nosso Futuro Comum. Relatório Brundtland. Our Common Future: United Nations, 1987. Disponível em: http://www.ecobrasil.eco.br/site_content/30-categoria-conceitos/1003-nosso-futuro-comum-relatorio-brundtland. Acessado em: 07/2020.

CARVALHO, A. M. P. de. Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino por investigação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, p. 765-794, 2018.

CARVALHO, I. C. M. Em direção ao mundo da vida: interdisciplinaridade e Educação Ambiental. Brasília: IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, 1998.

CASAGRANDE, J. A.; FRANÇA, L. F.; FORTUNA, J. L. Sensibilizando estudantes do ensino fundamental sobre a conservação das praias utilizando atividades microbiológicas. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 5, n. 6, p. 7199-7210, jun. 2019.

CASTOLDI, R.; BERNARDI, R.; POLINARSKI, C. A. Percepção dos problemas ambientais por alunos do Ensino Médio. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, v.1, n.1, p.56‐80, 2009.

CAVALCANTE, L. O. H. Currículo e Educação Ambiental: trilhando os caminhos percorridos, entendendo as trilhas a percorrer. In: FERRARO JÚNIOR, L. A. (org). Encontros e caminhos: formação de educadoras (es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, Departamento de Educação Ambiental, v. 1, p. 116-126, 2005.

CECCON, S. Educação Ambiental crítica e a prática de projetos. Produção de terceiros sobre Paulo Freire; Série Livros, 2012.

CORTES, T. P. B. B.; MARTINS, A. de O.; SOUZA, C. H. M. de. Educação midiática, educomunicação e formação docente: parâmetros dos últimos 20 anos de pesquisas nas bases scielo e scopus. Educação em Revista, v. 34, 2018.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Setor de Educação da Representação da UNESCO no Brasil; Fundação Faber-Castell. Brasília, julho. 2010.

FAZENDA, I. C. A.; CASADEI, S. R. Natureza e Interdisciplinaridade: reflexões para a Educação Básica. Interdisciplinaridade. Revista do Grupo de Estudos e Pesquisa em Interdisciplinaridade, n. 2, p. 43-71, 2012.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, M. Pedagogia da terra. – São Paulo: Peirópolis, 2000. 7ª reimpressão, 2013.

GOHN, M. G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 14, n. 50, p. 27-38, 2006.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Papirus Editora, 2005.

JACOBI, P. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, n. 118, p. 189-206, 2003.

JAEGER, A. P.; FREITAS, E. M. Prática de Educação Ambiental: percepção de professores do ensino fundamental de escolas públicas municipais do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira De Educação Ambiental, v. 16, n. 1, p. 23-34, 2021.

JARDIM, K. F.; MENDONÇA, M. A. X. A. Dialogicidade na educação como prática da liberdade. Universidade Metropolitana de Santos, p. 91, 2017.

KRZYSCZAK, F. R. As diferentes concepções de meio ambiente e suas visões. Revista de Educação do IDEAU, v. 11, n. 23, p. 1-17, 2016.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2002.

LÓPEZ, L. M. R.; LONDOÑO, J. V. E.; RUIZ, A. de J. A.; BENITÉZ, J. A. M.; PARODI, T. V.; MONTAÑA, D. F. V. Educación para el desarrollo sostenible: acercamientos desde una perspectiva colombiana. Producción Más Limpia, v. 13, n. 2, 2018.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MIRANDA, F. H. F.; MIRANDA, J. A.; RAVAGLIA, R. Abordagem Interdisciplinar em Educação Ambiental. Revista práxis, v. 2, n. 4, 2017.

OLIVEIRA, E. M. Cidadania e Educação Ambiental: uma proposta de educação no processo de gestão ambiental. Ibama, 2003.

OLIVEIRA, E. M. Cidadania e Educação Ambiental: uma proposta de educação no processo de gestão ambiental. Brasília: Ibama, 2010.

PELIZZARI, A.; KRIEGL, M. de L.; BARON, M. P.; FINCK, N. T. L.; DOROCINSKI, S. I. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, v. 2, n. 1, p. 37-42, 2002.

PINTO, V. P. dos S.; GUIMARÃES, M. A Educação Ambiental no contexto escolar: temas ambientais locais como temas geradores diante das questões socioambientais controversas. Revista de Geografia-PPGEO-UFJF, v. 7, n. 2, 2017.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental? Coleção primeiros passos. 2001.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 7ª. 2007.

RODRIGUES, J. do N.; GUIMARÃES, M. Educação Ambiental crítica na formação do educador: uma pedagogia transformadora. Anais da 33ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, 2010.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-332, 2005.

SILVA, P. R. A.; ARAUJO, M. F. V.; FIGUEIREDO, L. S.; KORNDORFER, C. L. A vivência da Educação Ambiental sob a perspectiva crítica mediante abordagens interdisciplinares. 1ed.TERESINA: FUESPI, 2020, v. 1, p. 126-142.

TAVARES, R. Aprendizagem significativa e o ensino de ciências. Ciências & cognição, v. 13, n. 1, 2008.

TEIXEIRA, L. A.; DE MORAES A. M.; TOZONI-REIS, M. F de C. SUSTENTABILIDADE OU “TERRA DE NINGUÉM”?. RTPS-Revista Trabalho, Política e Sociedade, v. 2, n. 2, p. 43-64, 2017.

TORRES, J. R.; LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014.

TOZONI-REIS, M. F. C. Temas ambientais como “temas geradores”: contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar em revista, n. 27, p. 93-110, 2006.

VILCHES, P. A.; P, D. G. La transición a la Sostenibilidad como objetivo urgente para la superación de la crisis sistémica actual. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, 2016, vol. 13, num. 2, p. 395-407, 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

Silva, P. R. A. e, Korndörfer, C. L. ., Figueiredo, L. da S., & Oliveira, E. de A. (2021). A Interdisciplinaridade no Ensino de Biologia por meio da Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(4), 340–358. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.12092

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2021-05-03
Aceito em 2021-06-08
Publicado em 2021-08-01