Esta é uma versão desatualizada publicada em 2024-01-30. Leia a versão mais recente.

ART Gurufim para História da Arte. Sobre Regimes Historiográficos e Experiências do Morrer

Autores

  • Antônio Barros Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.34024/imagem.v3i2.16253

Palavras-chave:

Regimes Historiográficos, História da Arte, Morte, Imagem, Frontispício

Resumo

O artigo consiste em re-apresentar, sequencial e resumidamente, cinco regimes historiográficos da arte que, na perspectiva da crise e dos desafios historiográficos contemporâneos, pontuam como obras capitais entre o século I e a virada do século XXI. São eles os formulados por Plínio, o Velho, Giorgio Vasari, Joachim Winckelmann, Aby Warburg e Hans Belting. Nos interessa, sobremaneira, marcar suas diferenças, mas buscando nessa recapitulação em conjunto agenciar certo “fazer sistema” entre tais regimes a partir das relações historiográficas que encontramos cada qual performando entre experiência artística e experiência do morrer. Metodologicamente, optamos por abordar cada um desses regimes a partir daquilo que poderiam ser suas respectivas imagens de “frontispício” – nos encaminhando, principalmente, por leituras e comentários de Didi-Huberman. Bem como nos alinhando ao sentido e à terminologia historiográfica pacificados pelo trabalho paradigmático de François Hartog.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Belting, H. (2006). O fim da história da arte. Cosac Naify.

Belting, H. (2005). Por uma antropologia da imagem. Revista Concinittas, 1(8), 64-78. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/55319

Didi-Huberman, G. (2015). Diante do tempo. Editora UFMG.

Didi-Huberman, G. (2009). La imagen superviviente. Abada.

Didi-Huberman, G. (2010). O que vemos, o que nos olha. Editora 34.

Freedberg, D. (2008). Antropologia e storia dell’ arte: la fine delle discipline? Ricerche di Storia dell’Arte, 1, 5-18. https://doi.org/10.7374/72553

Hartog, F. (2013). Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo Autêntica.

Kübler-Ross. (2014). On Death & Dying. Scribner.

Machado de Assis. (1998). Memórias Póstumas de Brás Cubas. Ediouro.

Marques, L. (2011). Introdução. In G. Vasari. Vida de Michalangelo Buonarroti.Editora da Unicamp.

Marques, L. (2017). Vasari e a Superação da Antiguidade: do Nec Plus Ultra ao Plus Ultra. In A. Ragazzi, P. D. Meneses, & T. Quírico (Orgs.). Ensaios interdisciplinares sobre o renascimento italiano (pp. 1-45). Ed. Unifesp.

Marques, L., Mattos, C., Zielinsky, M., & Conduru, R. (2013). Existe uma arte brasileira? Perspective, 2, 1-18. https://doi.org/10.4000/perspective.5543

Plínio, o Velho. (n.d.) Seleção e tradução de Naturalis Historia. Revista de História da Arte e Arqueologia, 317-330. https://www.unicamp.br/chaa/rhaa/downloads/Revista%202%20-%20artigo%2023.pdf

Polybius. (n.d.). Histories. https://bit.ly/3TjP2VL

Ribeiro, D. (2006). O povo brasileiro. Cia das Letras.

Simas, L. A., & Rufino, L. (2018). Fogo no mato. Mórula.

Vasari, G. (1856). Le Vite (Vol. XII). Felice Le Monnier.

Vasari, G. (2011). Vidas dos artistas. Martins Fontes.

Warburg, A. (2016). De arsenal a laboratório. Revista Figura, 4(1), 182-193. https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/figura/article/view/10036

Warburg, A. (2015). Histórias de fantasmas para gente grande. Cia das Letras.

Winckelmann, J. (2011). Historia del arte de la Antigüedad. Akal.

Winckelmann. (1993). Reflexões sobre a arte antiga. Movimento.

Downloads

Publicado

2024-01-30

Versões

Como Citar

Barros, A. (2024). ART Gurufim para História da Arte. Sobre Regimes Historiográficos e Experiências do Morrer. Imagem: Revista De Hist´ória Da Arte, 3(2), 221–254. https://doi.org/10.34024/imagem.v3i2.16253
##plugins.generic.dates.received## 2024-01-30
##plugins.generic.dates.published## 2024-04-02

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.