DOS: PER ASPERA AD ASTRA: OS PRIMEIROS SELOS AÉREOS BRASILEIROS SOB UM OLHAR WARBURGUIANO

Autores

  • Vera Pugliese Departamento de Artes Visuais (PPGAV) do Instituto de Artes/Universidade de Brasília – VIS/IdA/UnB

DOI:

https://doi.org/10.34024/imagem.v1i1.14159

Palavras-chave:

Aby Warburg;, Pathosformel;, Nachleben der Antike, Trânsito de Modelos, Selos Postais

Resumo

O artigo se debruça sobre as tensões temático-formais da primeira série de selos aéreos no Brasil, emitida em 1929 co- mo instrumento de afirmação identitária nacional no contexto geopolítico do Entreguerras. Buscou-se identificar, mediante di- álogos transdisciplinares, um corpus teórico para a abordagem metodológica do selo inaugurada por Aby Warburg na história
da arte, que via na relação imbricada entre o suporte material e as imagens postadas por ele como metáfora dos trânsitos plane- tários de modelos teóricos/plásticos e valores expressivos. Devi- do à complexidade cultural desse objeto, o leitmotiv do artigo é
o topos da conquista do céu, eivado de sobrevivências do antigo entre os monstra e os astra, exaltado pelos selos cujas emissões
dialogam no campo da iconografia política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrade, M. G. L. (2017). Perfil Cultural da Nigéria (Dissertação de Mestrado em Gestão de Empresas). Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa.

Atwood, R. (2011, July/August). The Nok of Nigeria – Unlocking the secrets of West Africa’s earliest known civilization. Archaeology

Archive, The Archaeological Institute of America, 64(4). Recuperado de: https://archive.archaeology.org/1107/features/nok_nigeria_africa_terracotta.html.

Ben-Amos, P. (1973, Summer). Symbolism in olokun mud art. African Arts, 6(4), 28-95.

Berzock, K. B. (2005). For Hearth and Altar: african ceramics from the Keith Achepohl Collection. New Haven, Connecticut: Yale University Press.

Butler, S. (2006). Benin: The bradt travel guide. Guilford, Connecticut: The Globe Pequot Press.

Chappel, T. J. H. (1973). The death of a cult in Northern Nigeria. Journal article African Arts, 6(4), 70-74.

Clarke, C. (2006). The art of Africa. A resource for educators. New York: The Metropolitan Museum of Art.

Fagg, B. (1969). Recent work in West Africa: New light on the Nok Culture. World Archaeology, 41-50.

Fanon, F. (2008). Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador, BA: EDUFBA.

Gutierrez, M., Benjamin, M. H. (Eds.). Recherches archéologiques à Baia Farta (Benguela-Angola). Nanterre, Paris: L’Harmattan,

Helga Gamboa. (2012). Angola. Recuperado de: https://www.facebook.com/helga.gamboa1/photos

Jorge, S. O. (1973) Vasos Cerâmicos do Abrigo de Ganda. Congresso Nacional de Arqueologia, 3. Porto. Anais [...]. Porto: [s. n.].

Matchan, L. (2018, May). Bearing witness to slavery. A sculpture’s trans-Atlantic passage from Ghana to Alabama (Artigo sobre

Kwame Akoto-Bamfo’s). Recuperado de: https://www.bostonglobe.com/lifestyle/travel/2018/05/30/reckoning-with-slavery-the-trans-atlantic-migration-sculpture/3wcJvsQIqEay7g3VZfLfsM/story.html.

Mokhtar, G. (Org.). História geral da África, II: África antiga (2a ed.). Brasília, DF: UNESCO, 2010.

Oliveira, J. L. L. (2018). Identidade nacional nigeriana: arranjos institucionais para construção de uma nigerianidade (Dissertação de Mestrado em Ciência Política). Universidade de Brasília, Brasília.

Rodrigues, M. C. (2006). O primeiro sítio com vestígios de utilização do ferro e cerâmica “tradicional” da Early Iron Age localizado em Moçambique – província da Zambézia. Revista portuguesa de Arqueologia, 9(2), 415-449.

Rupp, N., Ameje, J. & Breuning, P. (2005, October). New studies on the nok culture of Central Nigeria. Journal of African Archaeology (Online Publication). Recuperado de: https://brill.com/view/journals/jaa/3/2/article-p283_8.xml

Sadimba, R. (1997). Lendo Biografia. Moçambique. Recuperado de: https://bonecadas.com/portfolio/reinata-sadimba-gianfrancogandolfo/

Santos Júnior, J. R. Contribuição para o estudo da Idade da Pedra em Moçambique: a estação lítica de Marissa (Tete) (Documentário Trimestral de Moçambique). Lourenço Marques, 12, 93-103, 1937.

Soares, M. (2013, Dezembro). Etnias e povos africanos na formação histórico-social do Brasil. Revista Para entender a história..., 4(10), 01-10, 2013.

Willett, F. (2017). Arte Africana. São Paulo, SP: Edições Sesc, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Downloads

Publicado

2022-08-16

Como Citar

Pugliese, V. (2022). DOS: PER ASPERA AD ASTRA: OS PRIMEIROS SELOS AÉREOS BRASILEIROS SOB UM OLHAR WARBURGUIANO. Imagem: Revista De Hist´ória Da Arte, 1(1), 33–77. https://doi.org/10.34024/imagem.v1i1.14159

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.