Sociedades Sustentáveis e Educação Ambiental na Escola Indígena Pataxó da Reserva da Jaqueira

Autores

  • Lívia Seymour Galama Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Alessandra Buonavoglia Costa-Pinto Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Angela Maria Garcia Universidade Federal do Sul da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.12279

Palavras-chave:

Educação Ambiental Crítica, educação indígena, Pataxó

Resumo

Este trabalho pretende compreender as ações educativas de caráter socioambiental da Escola Indígena Pataxó da Reserva da Jaqueira (Porto Seguro, BA), tentando correlacioná-las com o conceito de Educação Ambiental (EA) crítica. Utilizou-se a observação participante e o diário de campo como métodos para a coleta de dados, além da interpretação do conteúdo da produção literária indígena Pataxó encontrada na biblioteca da escola. Pôde-se perceber que as atividades da Escola Indígena Pataxó da Reserva da Jaqueira possuem características da EA crítica na maioria das suas ações dentro e fora de sala de aula, caracterizando-se como emancipatórias. Contudo, também ficou claro que essas ações precedem os conceitos de EA crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, D.F.; SORRENTINO, M. Da gestão ambiental à Educação Ambiental: as dimensões subjetivas e intersubjetiva nas práticas de Educação Ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 88-98, 2013.

BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente/Diretoria de Educação Ambiental para a Sustentabilidade. Política Estadual de Educação Ambiental. Lei nº 12.056 de 07 de janeiro de 2011. Salvador, 2011. Disponível em: <https://governo-ba.jusbrasil.com.br/legislacao/1026482/lei-12056-11>. Acesso: 13 maio 2020.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Tradução de John Cunha Comerford. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000.

BRASIL. Presidência da República. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei n 9.795 de 27 de abril de 1999. Brasília, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 2 jun. 2021.

BORGES, L. da S. .; SILVA, J. B. do C.; RODRIGUES, D. . do S. Educação Ambiental e cultura quilombola: entre ausências de políticas públicas e práticas de resistência. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 16, n. 1, p. 430–449, 2021.

BRASIL. Tratado de Educação Ambiental para sociedades sustentáveis e responsabilidade global. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2020.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRARGUES, P.P. (Org.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

CARVALHO, I.C.M. Educação para sociedades sustentáveis e ambientalmente justas. Revista Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, Ed. Especial, 2008.

CARVALHO, I.C.M. Em direção ao mundo da vida: interdisciplinaridade e Educação Ambiental. Brasília: IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, 1998.

CASTRO, M.S.M. A Reserva Pataxó da Jaqueira: o passado e o presente das tradições. 2008. 137 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

CAVALLO, G.A. Conhecimentos ecológicos indígenas e recursos naturais: a descolonização inacabada. Estudos avançados, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 373-390, 2018.

COSTA-PINTO, A.B.; RODRIGUES, L. Reflexões sobre a educação em Espinosa: a experiência do encontro como segundo nascimento. Filosofia e Educação, Campinas, v. 5, n. 1, p. 111-129, 2013.

CRUZ, F.S.M. Indígenas Antropólogos e o Espetáculo da Alteridade. Revista de estudos e pesquisas sobre as américas, Brasília, v. 11, n. 2, 2017.

DUTRA, J.C.O.; MAYORGA, C. Mulheres Indígenas em Movimentos: Possíveis Articulações entre Gênero e Política. Psicologia, Ciência e Profissão, Brasília, v. 39, p. 113-129, 2019.

FERRARO JÚNIOR, L.A. (Org.). Encontros e caminhos: formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

FOLADORI, G. Avanços e limites da sustentabilidade social. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n. 102, p.103-113, 2002.

FOLADORI, G.; TAKS, J. Um olhar antropológico sobre a questão ambiental. MANA, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 323-348, 2004.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GUIMARÃES, M.; MEDEIROS, H.Q. Outras epistemologias em Educação Ambiental: o que aprender com os saberes tradicionais dos povos indígenas. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Ed. Especial, p. 50-67, 2016.

HAGUETTE, T.M.F. Metodologias qualitativas na sociologia. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

KAIPPER, M.D. Aragwaksã: a retomada da terra, a festa de casamento e outras manifestações culturais indígenas pataxó na Reserva da Jaqueira, Porto Seguro, Bahia. 195 f. 2018. Tese (Doutorado História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018.

LITTLE, P.E. Territórios sociais e povos tradicionais no brasil: por uma antropologia da territorialidade. Anuário Antropológico, Brasília, v. 28, n. 1, p. 251-290, 2003.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LOPES, A. (Org.). Educação Ambiental. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015.

MACAGNO, L. O dilema multicultural. Curitiba, Editora UFPR, 2014.

MELIÀ, B. Educação indígena na escola. Cadernos Cedes, Campinas, n. 49, p. 10-17, 1999.

MELLO, S.S.; TRAJBER, R. (Orgs.) Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental na escola. Brasília: MMA/UNESCO, 2007.

MINAYO, M.C.S.; ASSIS, S.G.; SOUZA, E.R. (Orgs.). Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

MINAYO, M.C.S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17 n. 3, 2012.

MINAYO, M.C.S. (Org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2013.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

NEVES, S.C. Eficácia ritual e eficácia turística: o ritual do awê entre os pataxó meridionais e o turismo. CULTUR, Ilhéus, v. 04, n. 02, p. 92-103, 2010.

OLIVEIRA, J.P. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. MANA, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998.

PACHECO, J.O. Identidade cultural e alteridade: problematizações necessárias. Spartacus – Revista eletrônica dos Acadêmicos do Curso de História da UNISC, 2004.

PATAXÓ, N. Yêp Xohã Ui Awakã Pataxó (As guerreiras na história Pataxó). Rio de Janeiro: Museu do índio – FUNAI, 2011.

PATAXÓ, P. Inventário Cultural Pataxó: tradições do povo Pataxó do Extremo Sul da Bahia: Atxohã. Instituto Tribos Jovens (ITJ), 2011. Disponível em: <https://docplayer.com.br/55946537-Inventario-cultural-pataxo.html>. Acesso em: 19 nov. 2020.

PORTO SEGURO. Política Municipal de Educação Ambiental de. Disponível em: <http://www.portoseguro.ba.io.org.br/contasPublicas/download/669823/621/2014/7/publicacoes/BEAB1A17-E062-370C-A853A08F507976E5.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2021.

PORTO, H.T.; BONIN, J.A. A educação indígena Pataxó: entre distopias e utopias. Tellus, Campo Grande, v. 20, n. 41, p. 101-128, 2020.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade. Seguido de Grupos Étnicos e suas Fronteiras, de Frederic Barth. Tradução de Elcio Fernandes. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

PREDES, I.A. Grafismo corporal indígena pataxó: um estudo na aldeia de Coroa Vermelha e Reserva da Jaqueira. 2011. 136 f. Dissertação (Mestrado em Desenho, Cultura e Interatividade) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2011.

RIBEIRO, B.G. Arte indígena, linguagem visual. Ensaios de opinião, Rio de Janeiro, p. 101-110, 1978. 2020.

RIBEIRO, D.B.; SOUSA, A.C.; CRUZ, T.V.; LEITE, A.B.; SANTOS, V.V. A trilha da Reserva Pataxó da Jaqueira como instrumento de educação socioambiental para estudantes de nível médio. Educação Ambiental em Ação, Novo Hamburgo, v. 17, n. 65, 2018.

SANTOS, A.J. A contação de histórias tradicionais do Povo Pataxó na Reserva da Jaqueira: a oralidade através dos tempos. 2016. 57 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Línguas, Artes e Literatura) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

SANTOS TUPINAMBÁ, M.V.A. Práxis pedagógicas e saberes culturais: diálogos com as professoras Tupinambá de Olivença. 2016. 137 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2016.

SANTOS, M.N.C.A. (NITYNAWÃ). 2018. 60 f. Histórias da Reserva da Jaqueira: experiências de autogestão em etnoturismo. Monografia (Licenciatura Intercultural Indígena) – Instituto Federal da Bahia, Porto Seguro, 2018.

SILVA, Rosana L. F. O meio ambiente por trás da tela: concepções de Educação Ambiental dos filmes da TV Escola. São Paulo: USP, 2007. Disponível em: <https://anped.org.br/sites/default/files/gt22-3678-int.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2020.

THIOLENTT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1986.

TRINDADE, R.N. A internacionalização dos direitos humanos dos povos indígenas na ótica da resistência Pataxó no sul da Bahia entre 1951 e 2017. Artigo de Conclusão de Curso (Bacharelado em Relações Internacionais) – UNINTER, 2018. Disponível em: <https://repositorio.uninter.com/handle/1/212>. Acesso em: 19 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Galama, L. S., Costa-Pinto, A. B., & Garcia, A. M. (2021). Sociedades Sustentáveis e Educação Ambiental na Escola Indígena Pataxó da Reserva da Jaqueira. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 462–499. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.12279

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2021-06-08
Aceito em 2021-06-17
Publicado em 2021-10-01