Relato de experiência de um curso online sobre fungos desenvolvido com professores sob a perspectiva de Educação Ambiental “fora da caixa”

Autores

  • Vanessa Aparecida Qualho Universidade Federal do Paraná - Setor Palotina
  • Valéria Ghisloti Iared Departamento de Biodiversidade - Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11714

Palavras-chave:

Educação da Atenção;, Experiência Estética;, Micologia.

Resumo

O objetivo deste trabalho é relatar o desenvolvimento e análise de um curso online sobre fungos para professores da Educação Básica de Palotina (PR) sob a perspectiva da Educação Ambiental “fora da caixa”, a qual descentraliza os elementos cognitivos durante a experiência. Para analisar os resultados, foi delimitado o corpus de análise: 1) questionário diagnóstico; 2) portfólio e 3) questionário avaliativo. Após a coleta de dados, foi realizada uma triangulação que apontou para a prevalência do método cartesiano e o desafio em se trabalhar com a perspectiva somaestética. Por fim, conclui-se sobre a importância de motivar outros estudos que preconizem pela multissensorialidade nas práticas em Educação Ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Aparecida Qualho, Universidade Federal do Paraná - Setor Palotina

Graduada em Licenciatura pela Universidade Federal do Paraná - Setor Palotina (2020). 

Valéria Ghisloti Iared, Departamento de Biodiversidade - Universidade Federal do Paraná

Graduada em licenciatura e bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (2006). Especialista em Educação Ambiental pelo Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (CRHEA/ EESC/ USP). Mestre em Ecologia e Recursos Naturais pela UFSCar (2010) Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos (2015). Atualmente, é Professora Adjunta da Universidade Federal do Paraná. 

Referências

ABREU, J. A. S.; ROVIDA, A. F. S.; PAMPHILE, J. A. Fungos de interesse: aplicações biotecnológicas. Revista Uningá. v. 21, n. 1, p. 55-59, 2015.

ADAMS, D. J. Fungal cell wall chitinases and glucanases. Microbioly. v.150, p. 2029-2035, 2004.

ANDRADE, M.C.P.; PICCININI, C.L. Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular: retrocessos e contradições e o apagamento do debate socioambiental. In: ENCONTRO PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 9., 2017, Juiz de Fora. Anais... . Juiz de Fora: UFJF, UFF e FFCLRP/USP, 2017. p. 1 - 13. Disponível em: <http://www.colemarx.com.br/wp-content/uploads/2018/03/EDUCA%C3%87%C3%83O-AMBIENTAL-NA-BASE-NACIONAL-COMUM-CURRICULAR-RETROCESSOS_CONTRADI%C3%87%C3%95ES-E-O-APAGAMENTO-DO-DEBATE-SOCIOAMBIENTAL.pdf >. Acesso em: 15 abr 2020.

BARBOSA, G. S.; OLIVEIRA, C. T. Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande: v. 37, n. 1. p.323-335, 2020.

BAUERMANN, L. Os princípios da somaestética como proposta para pensar em práticas educativas em dança. Anais... Editora PUCRS: Filosofia da Educação, 2019.

BEHREND, D. M.; COUSIN, C. S.; GALIAZZI, M. do C. Base Nacional Comum Curricular: O que se mostra de referência à Educação Ambiental?. Ambiente e Educação: Revista de Educação Ambiental, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 74-89, 2018.

BRAHMAPRAKASH, G. P.; SAHU, P. K. Biofertilizers for sustainability. Journal of the Indian Institute of Science. v. 92, n. 1, p. 37-62, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Artigo nº 225, de 1988. Brasília - DF, 1988. Disponível: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm >. Acesso em: 25 fev. 2020.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9795. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm> Acesso em: 25 fev. 2020.

BUCZENKO, G. L.; ROSA, M. A. Educação Ambiental e a formação de pedagogos. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional. Curitiba: p. 47-66, 2018.

BUSS, B, C.; IARED, V. G. Artrópodes como tema gerador de uma prática educativa em uma escola de artes no município de Palotina (PR). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 1, p. 379-396, 2020.

CANNON, P. F. et al. Kew Botanical Gardens. State of the World’s Fungi. Alemanha, 2018. Relatório oficial.

CARVALHO, I. C. M.; MHULE, R. P. Intenção e Atenção nos processos de Aprendizagem: por uma Educação Ambiental “Fora da Caixa”. Ambiente e Educação, v. 21, n. 1, p. 26-40, 2016.

CARVALHO, L. M. A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In: CINQUETTI, H.C.S.; LOGAREZZI, A. (org.). Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho educativo. São Carlos: EDUFSCAR, 2006. p. 19-41.

CAVALIER-SMITH, T. A revised six-kingdom system of life. Biology Review Cambrige, Philological Society, v.73, p. 203–266, 1998.

CORTEZ, V. G.; FERREIRA, A. J. Macrofungos de Palotina. In: CORTEZ, V. G.; GONÇALVES, R. B. (orgs). Guia da Biodiversidade de Palotina. Palotina: UFPR, 2015. p. 19-46.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introduction: The discipline and practice of qualitative research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). The Sage Handbook of qualitative research. 4. Ed. Thousand Oaks: Sage, 2005. P. 1 – 32.

BUCZENKO, G. L.; ROSA, M. A. Educação Ambiental e a formação de pedagogos. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional. Curitiba: p. 47-66, 2018.

BUSS, B, C.; IARED, V. G. Artrópodes como tema gerador de uma prática educativa em uma escola de artes no município de Palotina (PR). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 1, p. 379-396, 2020.

CANNON, P. F. et al. Kew Botanical Gardens. State of the World’s Fungi. Alemanha, 2018. Relatório oficial.

CARVALHO, I. C. M.; MHULE, R. P. Intenção e Atenção nos processos de Aprendizagem: por uma Educação Ambiental “Fora da Caixa”. Ambiente e Educação. v. 21, n. 1, p. 26-40, 2016.

CARVALHO, L. M. A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In: CINQUETTI, H.C.S.; LOGAREZZI, A. (org.). Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho educativo. São Carlos: EDUFSCAR, 2006. p. 19-41.

CAVALIER-SMITH, T. A revised six-kingdom system of life. Biology Review Cambrige, Philological Society, v.73, p. 203–266, 1998.

FRAGOSO, E.; NASCIMENTO, E. C. M. A Educação Ambiental no ensino e na prática escolar da escola Estadual Cândido Mariano – Aquidauana/MS. Revista de Educação Ambiental, v. 23, n. 1, p. 161-184, 2018.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.Ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GRANDI, R. A. P. Fungos. In: RAVEN, Peter H.; EVERT, Ray F.; EICHHORN, Susan E. Biologia Vegetal. 7. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A, 2007.

HONDA, N. K.; VILEGAS, W. A química dos líquens. Química Nova. v. 21, n. 6, p. 110-125, 1998.

IARED, V. G. A ecomotricidade na Educação Ambiental. In: Colóquio de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana: Ecomotricidade e Bem Viver, 7., 2017, Aracaju; São Cristóvão. Anais... São Carlos: SPQMH, 2017, p. 570-580.

INGOLD, T. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação. Porto Alegre: v. 33, n. 1, p. 6-25, 2010.

LEYVAL, C.; TURNAU, K.; HASELWANDTER, K. Effect of heavy metal pollution on mycorrhizal colonization and function: physiological, ecological and applied aspects. Mycorrhiza., n. 7, p. 139-153, 1997.

LIMA, G. C. Questão ambiental e educação: contribuições para o debate. Ambiente e Sociedade, v. 2, n. 5, p. 135-153, 1999.

MARTINS, C.; OLIVEIRA, H. T. Biodiversidade no contexto escolar: concepções e práticas em uma perspectiva de Educação Ambiental crítica. Revista Brasileira de Educação Ambiental. São Paulo: v. 10, n. 1, p. 127-145, 2015.

MEIRA, Z. A. A contribuição do Curso de Letras para a Educação Ambiental. Especialização em Docência para o Magistério em Itaituba, PA. Graduada em Letras. Disponível em <http://www.webartigos.com/artigos/acontribuicao-do-curso-de-letras-para-a-educacao-ambiental/45155/ >. Acesso em: 16 jul 2020.

MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e Bioquímica do solo. 2.ed. Lavras: Editora UFLA, 2006.

MOTA, J. C. Formações continuadas em Educação Ambiental: características e limitações. Revista Espaço Acadêmico, n. 192, p. 59-68, 2017.

OLIVEIRA, H. T. et al. Educação Ambiental para a conservação da biodiversidade: animais de topo de cadeia. São Carlos: Diagrama Editorial, 2016.

PROJETO UÇÁ. Programa Petrobrás Socioambiental. Guanabara, 2012. Disponível em: < http://projetouca.org.br/o-projeto/ >. Acesso em: 15 abr 2020.

PAYNE, P. “Ways of Doing,” Learning, Teaching, and Researching. Canadian Journal of Environmental Education, Australia: v. 10, p. 108-124, 2005.

PAYNE, P. G.; WATTCHOW, B. Phenomenological Deconstruction, Slow Pedagogy, and the Corporeal Turn in Wild Environmental/Outdoor Education. Canadian Journal of Environmental Education, Melbourne: v. 14, p. 15-32, 2009.

PEREIRA, E. A. et al. A contribuição de John Dewey para a educação. Revista Eletrônica de Educação, v. 3, n. 1, p. 154 -161, 2009.

PEREIRA, J. G. L. T.; HAMERMULLER, D. O. Pedagogias do século XXI. CARBONELL, J. Pedagogias do século XXI. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2016. 263 p. Educar em Revista, Curitiba: n. 63, p. 315-319, 2017. Resenha.

PEREIRA, R. W. WebQuest: ferramenta pedagógica para o professor. Secretaria do Estado de Educação, 68p, 2008.

RIO DE JANEIRO. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. Rio de Janeiro, Brasil, 1992. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf >. Acesso em 25 mai 2020.

SADAVA, D. et al. Vida: a ciência da biologia. Evolução, Diversidade e Ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SHUSTERMAN, R. Pensar Através do Corpo, Educar para as Humanidades: Um Apelo para a Soma-Estética. Philia&Filia, Porto Alegre: v. 02, n. 2, p. 6-33, 2011.

SIQUEIRA, J. O.; POUYÚ, E.; MOREIRA, F. M. S. Micorrizas arbusculares no crescimento pós-transplantio de mudas de árvores em solo com excesso de metais pesados. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 23, p. 569-580, 1999.

THIEMANN, F. T.; OLIVEIRA, H. T. Biodiversidade: sentidos atribuídos e as contribuições do tema para uma Educação Ambiental Crítica. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 8, n. 1, p. 114-128, 2013.

THOMAZ, C. E. Educação Ambiental na formação inicial de professores.108 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Pontíficia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2006.

TSING, A. L. The mushroom at the end of the world: On the possibility of life in capitalist ruins. Princeton University Press, 2015.

UHMANN, R. I. M. et al. Contextualização da Educação Ambiental do ensino de Ciências e Química. Anais... Rodas de Formação de Professores na Educação Química. Universidade Federal do Rio Grande, EDEC/FURG, 2017.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

ZANELLATO, J. R. O portfólio como instrumento de avaliação no ensino de graduação em Artes Visuais. 124f. Dissertação (Mestrado). Curso de Pós-Graduação em Educação. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2008.

ZAPPE, J. A.; SAUERWEIN, I. P. S. Os pressupostos da educação pela pesquisa e o ensino de fungos: o relato de uma experiência didática. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. v. 17, n. 2, p. 476-490, 2018.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Qualho, V. A., & Iared, V. G. (2021). Relato de experiência de um curso online sobre fungos desenvolvido com professores sob a perspectiva de Educação Ambiental “fora da caixa”. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 500–520. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11714

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido em 2021-02-03
Aceito em 2021-09-09
Publicado em 2021-10-01