Programa de Educação Ambiental e agricultura familiar: análise da proposta pedagógica

Autores

  • Alane Pereira de Oliveira Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco https://orcid.org/0000-0002-4591-1313
  • Liliane Caraciolo Ferreira Universidade Federal do Vale do São Francisco

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11690

Palavras-chave:

PEAAF; Política Pública; Estratégias Pedagógicas; Problemáticas Socioambientais; Meio Ambiente.

Resumo

O presente artigo objetiva analisar como o Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar (PEAAF) materializa em sua proposta pedagógica os preceitos da Educação Ambiental Crítica. Trata-se de uma pesquisa documental, em uma abordagem qualitativa, utilizando o método de análise de conteúdo. Com base nos dados obtidos, evidencia-se que o PEAAF propõe o desenvolvimento de ações educacionais ambientais a partir da sugestão de temas orientadores e pela adoção, de maneira integrada, do enfoque territorial, da pesquisa-ação participante, da investigação de temas geradores e da educomunicação como estratégias pedagógicas. Nesse sentido, orienta suas ações para o desvelamento e a problematização do meio ambiente em sua complexidade, em práticas que permitam a reflexão e a participação ativa na resolução de problemas socioambientais, buscando instrumentalizar os agentes sociais para a ação política e social transformadora, o que consiste em um posicionamento compatível com a Educação Ambiental Crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliane Caraciolo Ferreira, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Possui graduação em Economia (UFPE), mestrado em Administração Rural (UFRPE) e doutorado em Psicologia, área de Psicologia Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). É professora da Universidade Federal do Vale do São Francisco na área de Economia desde 2004. Foi Coordenadora do Curso de Especialização em \gestão Pública. Coordenadora do Curso de Graduação em Administração. Diretora de Realções Internacionais da Pró-Reitoria de Extensão da UNIVASF. Atua principalmente nos seguintes temas: Política Econômica e Administração Pública, mais especificamente avaliação de Políticas Públicas voltadas para o desenvolvimento regional do semiárido. Líder do Núcleo de Pesquisa e Estudos Socioeconômicos do Semiárido - NUPES. (Texto informado pelo autor)

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 7 set. 2020.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação. Ambiental, institui a Política Nacional da Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 7 set. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar: Caderno conceitual do PEAAF. Brasília: MMA, 2015a. Disponível em: <http://www.nuredam.com.br/files/documentos_mec/mma/caderno-conceitual.pdf>. Acesso em: 6 mai. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar. Brasília: MMA, 2015b. Disponível em: <http://www.nuredam.com.br/files/documentos_mec/mma/programa-peaaf.pdf>. Acesso em: 6 mai. 2019.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 3ª Reimpressão da 1. ed. São Paulo: Edições 70, 2016.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental Crítica: Nomes e Endereçamentos da Educação. Identidades da Educação Ambiental. Brasília: MMA, p. 13-24, 2004.

COSTA, B.P.; MACIEL, J.L. O território como conceito-chave na Educação Ambiental-reflexões a partir do projeto comunitário" Jardim Botânico e a comunidade: preservando a flora nativa". Boletim Gaúcho de Geografia, v. 31, n. 1, 2006.

FLORES, A.G.; TYBUSCH, F.B.A. Educação Ambiental na Agricultura Familiar: um estudo sobre o PEAAF. Revista Jurídica da Faculdade de Direito de Santa Maria-FADISMA, Santa Maria, v. 12, n. 1, 2017.

FORUM INTERNACIONAL DAS ONGs. Tratado de Educação Ambiental para sociedades sustentáveis e responsabilidade global. Rio de Janeiro: Fórum das ONGs , 1992. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf. Acesso em: 22 abr. 2019.

FREITAS, J.V. Educomunicação: contextualizando o processo de atribuição de sentidos e significados no delineamento do conceito. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 10, n. 2, p. 149-162, 2015.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2008.

GODOY, A.S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental crítica. Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: MMA, p. 25-34, 2004.

GUIMARÃES, M. Por uma Educação Ambiental crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, v. 7, n. 9, p. 11-22, 2016.

LAYRARGUES, P.P.; LIMA, G.F.C. Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da Educação Ambiental contemporânea no Brasil. Anais do Encontro Pesquisa em Educação Ambiental, v. 6, p. 1-15, 2011.

LEÃO, D.S. O Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar (PEAAF) no assentamento Laranjeiras I, em região de nascentes do pantanal–Cáceres–MT. 2014. Tese de Doutorado. Universidade do Estado de Mato Grosso.

LIMA, G.F.C. Educação Ambiental crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis. Educação e Pesquisa, v. 35, n. 1, p. 145-163, 2009.

LOUREIRO, C.F.B. Educação Ambiental transformadora. Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: MMA, p. 65-84, 2004.

LOUREIRO, C.F.B. Pesquisa-ação participante e Educação Ambiental: uma abordagem dialética e emancipatória. In: TOZONI-REIS M.F.C. (org.). A pesquisa-ação-participativa em Educação Ambiental: reflexões teóricas. São Paulo: Annablume, p. 13-56, 2007.

LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P. Ecologia política, justiça e Educação Ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trabalho, educação e saúde, v. 11, n. 1, p. 53-71, 2013.

QUINTAS, J.S. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de Educação Ambiental transformadora e emancipatória. Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: MMA, p. 113-140, 2004.

SAMBUICHI, R.H.R. et al. A diversificação produtiva como forma de viabilizar o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar no Brasil. In: MONASTERIO, L. M.; NERI, M. C.; SOARES, S. S. D. (ed.) Brasil em desenvolvimento 2014: Estado, planejamento e políticas públicas. 2 v. Brasília: Ipea, 2014. cap. 3, p. 61-84.

SCHÖNIN, R.R.Z.V.; SARTORI, A.S.; CARDOSO, F.L. Educomunicação e prática pedagógica educomunicativa: uma revisão sistemática. Cadernos de Pesquisa, v. 23, n. 1, p. 1-11, 2016.

SOUZA, I.H.S. Educação Ambiental e desenvolvimento territorial sustentável: entrelaçando políticas e práticas que envolvam educação, desenvolvimento e sustentabilidade no Território de Identidade Velho Chico/BA. 2013. 2015. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade, UNEB. Salvador, 2013.

SOUZA, N.A. Educação Ambiental e Agricultura Familiar: encontros, desafios e aprendizagens. MMA/Coleciona: fichário d@ Educador Ambiental, v. 1, n. 13 (maio 2015) Brasília, Edição Especial. 96 p., v. 1, n. 13, p. 37, 2015.

TOLEDO, R.F.; JACOBI, P.R. Pesquisa-ação e educação: compartilhando princípios na construção de conhecimentos e no fortalecimento comunitário para o enfrentamento de problemas. Educação & Sociedade, v. 34, n. 122, p. 155-173, 2013.

TOZONI-REIS, M.F.C. Pesquisa-ação em Educação Ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 3, n. 1, p. 155-169, 2008.

TOZONI-REIS, M.F.C. Temas ambientais como temas geradores: contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar, n. 27, p. 93-110, 2006.

Downloads

Publicado

2021-12-01

Como Citar

Oliveira, A. P. de, & Ferreira, L. C. (2021). Programa de Educação Ambiental e agricultura familiar: análise da proposta pedagógica. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(6), 139–161. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11690

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2021-02-02
Aceito em 2021-09-09
Publicado em 2021-12-01