O sujeito ecológico: objetivação e captura das subjetividades nos dispositivos e acontecimentos ambientais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11644

Palavras-chave:

Acontecimento discursivo; Crise ambiental; Subjetivação.

Resumo

: Recorre-se à analítica foucaultiana e pós-crítica para, neste ensaio, problematizar as discursividades e os dispositivos que atravessam o sujeito ecológico, compreendido como figura identitária fabricada por discursos ecológicos do Estado, do mercado e dos processos de objetivação/dominação das subjetividades. Criticam-se os processos de subjetivação desse sujeito mediante a noção de acontecimento discursivo na história, sobretudo, para se pensar a crise ambiental na contemporaneidade e os impedimentos para assumir éticas não hegemônicas e posturas ambientais diferenciadas das vigentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adalberto Ferdnando Inocêncio, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Ensino de Ciências e Educação Matemática. Professor Colaborador. Departamento de Pedagogia. Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Fabiana Aparecida de Carvalho, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação para a Ciências e a Matemática. Professora Adjunta. Departamento de Biologia. Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

BENITES, F. R. G. Do cuidado de si à escrita de si: Foucault e o sujeito em construção. In: GUERRA, V. M. L.; NOLASCO, E. C. (orgs.). Michel Foucault: entre o passado e o presente, 30 anos de (des)locamentos. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2015.

BUTLER, J. Problemas de Gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, I. C. de M. A invenção do sujeito ecológico: sentidos e trajetórias em Educação Ambiental. 349 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre: UFRGS, 2000.

CARVALHO, I. C. de M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2016.

CASTRO, E. Introdução a Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. Lisboa: Edições 70, 2010.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 41. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013a.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013b.

FOUCAULT, M. As Técnicas de Si. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos, v. IX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. (Organizado por Manoel Barros da Motta). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014a.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. São Paulo, Paz e Terra, 2014b.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos, vol. IX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014c.

GONÇALVES, C. W. P. Os (des)caminhos do meio ambiente. 14. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

GUATTARI, F. As três ecologias. Campinas, São Paulo: Papirus, 2009.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2012.

INOCÊNCIO, A. F. Derivas da ecogovernamentalidade: a construção de territórios existenciais por meio das tecnologias de si. 152 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática. Londrina, 2019.

INOCÊNCIO, A. F; SALVI, R. F. Escavando saberes: a análise arqueológica como estratégia para uma Educação Ambiental pós-moderna. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo, v. 12, n. 4, p. 165-179, 2017.

MAKNAMARA, M. Educação Ambiental e Nordestinidade: desafios à práxis ecologista. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo, v. 9, n. 2, p. 10-17, 2013.

MALETTE, S. Foucault para o próximo século: ecogovernamentalidade. Ecopolítica, São Paulo, v. 1, p. 4-25, 2011.

MELO E SOUZA, R. Qual sujeito, qual ecologia? O sujeito ecológico e as posturas ideológicas do movimento ambientalista brasileiro. Revista Brasileira de Educação Ambiental (Revbea), São Paulo, v. 9, n. 2, p. 214-224, 2014.

PASSETTI, E. Ecopolítica: procedências e emergência. In: CASTELO BRANCO, G.; VEIGA-NETO, A. (orgs.). Foucault: filosofia & política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

RODRIGUES, T. Segurança planetária, entre o climático e o humano. Ecopolítica, São Paulo, v. 3, p. 5-41, 2012.

PELBART, P. P. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. 2. ed. São Paulo: n-1 edições, 2016.

ROLNIK, S. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

SAMPAIO. P. I. M. de. Indivíduo: começo, meio e fim do neoliberalismo. in. RAGO, M.; PELEGRINI, M. (orgs.). Neoliberalismo, feminismos e contracondutas: perspectivas foucaultianas. São Paulo: Intermeios, 2019.

SILVA, P. O.; VIEIRA, V. T.; HENNING, P. C. Educação Ambiental e discursos midiáticos: gerenciando modos de vida contemporâneos. IX ANPED Sul: Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 2012. Disponível em: <http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/%0Bpaper/viewFile/2255/839>. Acesso em: 08 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Inocêncio, A. F., & Carvalho, F. A. de. (2021). O sujeito ecológico: objetivação e captura das subjetividades nos dispositivos e acontecimentos ambientais. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 94–114. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11644

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2021-01-11
Aceito em 2021-08-03
Publicado em 2021-10-01