Áreas verdes urbanas e trilhas ecológicas como locais e instrumentos de Educação Ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11421

Palavras-chave:

Desenvolvimento Sustentável; Educação Ambiental; Áreas verdes urbanas; Trilhas ecológicas.

Resumo

É urgente combater a degradação e o esgotamento dos recursos naturais e equacionar o crescimento urbano com a manutenção de áreas verdes. Neste contexto, desde 2014 a trilha ecológica criada na área verde do IFSC Câmpus Criciúma vem sendo utilizada em atividades de educação ambiental com o objetivo de promover a cultura do desenvolvimento sustentável. Este artigo relata estas ações. A trilha tem 350 m e conta com materiais informativos e educativos. Os grupos visitantes são recepcionados no laboratório de biologia, onde realizam atividades lúdicas, e depois participam de visita guiada à trilha. Até 2019 foram atendidas cerca de 1.500 pessoas e as atividades são registradas em um blog, que possui mais de 5.700 visitas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Rosso, Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC)

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico lotado no Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus Criciúma. Licenciado em Ciência Biológicas, Mestre em Ciências Ambiental e Doutor em Biologia Animal.

Erica Mastella Benincá, Instituto Federal de Santa Catarina

Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico lotada no Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus Criciúma. Licenciada em Ciências Biológicas e Mestra em Ciência e Tecnologia Ambiental.

Fernando Bueno Ferreira Fonseca de Fraga, Instituto Federal de Santa Catarina

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico lotado no Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus Criciúma. Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas, Mestre em Biociências.

Gilberto Tonetto, Instituto Federal de Santa Catarina

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico lotado no Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus Criciúma. Licenciado e Bacharel em Geografia, Mestrando em Ciências Ambientais.

Referências

BARGOS, D. C; MATIAS, L. F. Áreas verdes urbanas: avaliação e proposta conceitual. REVSBAU, Piracicaba (SP), v.6, n.3, p.172-188, 2011.

BARTICELLI, R.; PANDOLFO, A.; KORF, E. P. Gestão integrada de resíduos sólidos urbanos: perspectivas e desafios. Gestão & Sustentabilidade Ambiental, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 711-744, out. 2016/mar. 2017.

BELOLLI, M.; QUADROS, J.; GUIDI, A. História do Carvão de Santa Catarina: 1790-1950. Criciúma: Imprensa Oficial do Estado de Santa Catarina, 2002. v. 1.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 12 ago. 2020.

BRASIL. Lei n. 11.428, de 22 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica. Brasília, 2006. Disponível em: <http://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=11428&ano=2006&ato=1e8cXSq5kMRpWT08e>. Acesso em: 18 maio 2020.

BRASIL. Lei n. 12.727, de 17 de outubro de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Brasília, 2012. Disponível em: <http://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=12727&ano=2012&ato=fc1ETTq1kMVpWTd43>. Acesso em: 9 jun. 2020.

BUZATTO, L.; KUHNEN, C. F. C. Trilhas interpretativas uma prática para a Educação Ambiental. Vivências, v. 16, n. 30, p. 291-231, 11 dez. 2019.

CARVALHO, J.; BÓÇON, R. Planejamento do traçado de uma trilha interpretativa através da caracterização florística. Revista Floresta, v. 34, n. 1, p. 23-32, 2004.

CAVALHEIRO, F.; DEL PICCHIA, P. C. D. Áreas verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento. In: Congresso Brasileiro sobre Arborização Urbana, 1; Encontro Nacional sobre Arborização Urbana, 4, Vitória, ES, 1992. Anais... Vitória, SBAU, 1992. p. 29-38.

COLMAN, D. A. L.; LORENCINI JÚNIOR, Á.; VAN DAL, P. C. A Trilha Interpretativa como Atividade em Educação Ambiental: relações entre os conteúdos de ciências e o trabalho docente. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), 4, 2017. Anais... Florianópolis: UFSC, 2017. Disponível em: <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0962-1.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2020.

COSTA, R. G. S.; COLESANTI, M. M. A contribuição da percepção ambiental nos estudos das áreas verdes. RA´EGA, n. 22, p. 238-251, 2011.

DIAS, G. F. Atividades interdisciplinares de Educação Ambiental: práticas inovadoras de Educação Ambiental. São Paulo: Gaia, 2006.

EISENLOHR, P. V.; MEYER, L.; MIRANDA, P. L. S.; REZENDE, V. L.; SARMENTO, C. D.; MOTA T. J. R. C.; GARCIA, L. C.; MELO, M. M. R. F. Trilhas e seu papel ecológico: o que temos aprendido e quais as perspectivas para a restauração de ecossistemas? Hoehnea, v. 40, n. 3, p. 407-418, 2013.

FIALHO, E. S. Ilha de calor: reflexões acerca de um conceito. ACTA Geográfica, Ed. Esp. Climatologia Geográfica, Boa Vista, 2012. p. 61-76.

FIGUEIREDO, R.A. A Educação para sustentabilidade: novidade ou resgate de significado? Polêmica, Questões Contemporâneas, v.12, n.4, p.830-845, 2013.

GONÇALVES; T. M.; MENDONÇA, F. A. Impactos, riscos e vulnerabilidade socioambientais da produção do carvão em Criciúma/SC (Brasil). RA´EGA, n. 14, p. 55-65, 2007.

HENRIQUE, M.I.B.; ROSSO, P. Educação Ambiental e a mudança de atitudes: estudo do projeto realizado em uma escola da rede municipal de ensino de Criciúma/SC. Revista de Iniciação Científica, v. 4, n. 1, 2006. p. 171-178.

HENRIQUES, R.; TRAJBER, R.; MELLO, S.; LIPARI, E. M.; CHAMUSCA, A. (Orgs.). Educação Ambiental: aprendizes de sustentabilidade. Brasília: Secad/MEC, 2007. 109 p. (CADERNOS SECAD 1).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Sinopse do Censo Demográfico 2010: Santa Catarina, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/censo2010/apps/sinopse/index.php?uf=42&dados=1>. Acesso em: 25 mai. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Cidades@: Criciúma. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/criciuma/panorama>. Acesso em: 25 mai. 2020(a).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Cidades@: Içara. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/icara/panorama>. Acesso em: 25 mai. 2020(b).

JACOBI, P. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, n. 118. p. 189-205, 2003.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

MACIEL, L. A.; SILES, M. F. R.; BITENCOURT, M. D. Alterações na vegetação herbácea de floresta ombrófila densa decorrentes do uso em uma trilha turística na Serra do Mar em São Paulo, Brasil. Acta Botânica Brasílica, n. 25, p. 628-632, 2011.

MEDEIROS, C. M. R.; ALVES, E. M. Direito à natureza na cidade: os desafios à integração com os ambientes naturais desde a infância. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ENANPUR), Anais... 38, 2019. p. 1-24. Disponível em: <http://anpur.org.br/xviiienanpur/anaisadmin/capapdf.php?reqid=1399>. Acesso em: 14 out. 2020.

METTE, G.; SILVA, J. C. D.; TOMIO, D. Trilhas interpretativas na Mata Atlântica: uma proposta para Educação Ambiental na escola. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, RS, v. 25, p. 111-122, 2010.

MORERO, A. M.; SANTOS, R. F.; FIDALGO, E. C. C. Planejamento ambiental de áreas verdes: estudo de caso em Campinas - SP. Revista do Instituto Florestal, v. 19, n. 1, p. 19-30, 2007.

NASCIMENTO, E.P. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. São Paulo: Estudos Avançados, v.26, n.74, p.51-64, 2012.

NUCCI, J. C. Qualidade Ambiental e Adensamento Urbano: Um estudo de Ecologia e Planejamento da Paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). 2.ed. Curitiba: O Autor, 2008. 150 p.

RAVAZZOLI, C. A problemática ambiental do carvão em Santa Catarina: sua evolução até os termos de ajustamento de conduta vigente entre os anos de 2005 e 2010. Geografia em Questão, v. 06, n. 01, p. 179-201, 2013.

ROCHA, M. F.; NUCCI, J. C. Índices de vegetação e competição entre cidades. Geousp - Espaço e Tempo. v. 22, n. 3. p. 641-655, 2018.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, p. 65-92, 2012.

ROSSO, P.; BENINCÁ, E.M.; FRAGA, F.B.F.F.; TONETTO, G.; BARBOSA, D.M. Na trilha do desenvolvimento sustentável: relato de experiência de um projeto de extensão. In: DALAZOANA, K. (Org.). Subtemas e Enfoques na Sustentabilidade. 1. ed. Ponta Grossa, PR: Atena Editora, 2020, v.2, p. 82-89.

ROSSO, P.; TONETTO, G.; ZILLI, G.C.; ROSA, E.S. Educação Ambiental em espaços verdes urbanos: uma experiência no Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus Criciúma, SC, Brasil. In: Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense (SICT-Sul), 3, Sombrio, SC. Anais…. v. 1. p. 402-412, 2014.

ROSSO, P.; ZILLI, G.C.; ROSA, E.S.; SILVA, G.M.; SCHUTZ, M.E.F.; TONETTO, G.; FRAGA, F.B.F.F.; MACHADO, R.; SILVA, L.A. Educação Ambiental e atividades físicas ao ar livre: trabalhando conceitos de qualidade de vida e sustentabilidade com estudantes do ensino básico. In: Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense – (SICT-Sul), 4, 2015, Santa Rosa do Sul, SC. Anais…. v. único. p. 1588-1598, 2015.

SILVA, L.C.; LIMA, J. D. Importância das áreas verdes. In: SANTOS, M.P.; PERES, S.M.; PAULA, M.H. (Orgs.). História, cidades, redes políticas e sociais. São Paulo: Blucher, 2017. p. 91-101.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO Jr., L.A. Educação Ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.

SOS MATA ATLÂNTICA. Mata Atlântica: A casa da maioria dos brasileiros. Disponível em: <http://www.sosma.org.br/conheca/mata-atlantica>. Acesso em: 26 mai. 2020.

UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME – UNDP. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, 2016. Disponível em: <http://www.undp.org/content/dam/brazil/docs/agenda2030/undp-br-Agenda2030-completo-pt-br-2016.pdf>. Acesso em: 25 mai. 2020.

VELOSO, H.P.; KLEIN, R.M. As comunidades e associações vegetais da mata pluvial do sul do Brasil VI. Agrupamentos arbóreos dos contra-fortes da Serra Geral situados ao sul da costa catarinense e ao norte da costa sul-riograndense. Sellowia, n. 20, p. 127-180, 1968.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

Rosso, P., Benincá, E. M., Fraga, F. B. F. F. de, & Tonetto, G. (2021). Áreas verdes urbanas e trilhas ecológicas como locais e instrumentos de Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(4), 536–553. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11421

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-11-19
Aceito em 2021-07-14
Publicado em 2021-08-01