Educação Ambiental na engenharia civil: a prática do engenheirar com desenvolvimento sustentável

Autores

  • Jorge Luiz Oleinik Nunes Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Luis Fernando Minasi Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • André Tremper Minasi Universidade Federal de Pelotas - UFPel https://orcid.org/0000-0002-0094-391X

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11199

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Engenharia Civil, Desenvolvimento Sustentável, Formação do Engenheiro

Resumo

O trabalho aqui apresentado, parte de uma tese doutoral em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG, analisa, no currículo da Formação do Engenheiro Civil, o desenvolvimento sustentável com as práticas do engenheirar que não podem estar divorciadas do conceito de “ecodesenvolvimento”, por tudo que isto significa na construção civil. O texto traz para se pensar a formação do Engenheiro Civil com base em três princípios básicos enquanto dimensões do desenvolvimento sustentável como ecodesenvolvimento, transpondo-os da teoria acadêmica para a prática do Engenheiro Civil que busca sustentabilidade ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COCIAN, L. F. E. Descobrindo a Engenharia: a profissão. Canoas: Gráfica Ulbra, 2009.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2ed. São Paulo: Cortez, 2006.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Relatório Brundtland. Oxford, KU: Oxford University Press, 1987.

FLORMAN, S. The existential pleasures of engineering. New York: St. Martin’s Griffin, 1996.

FOLCH, R. Ambiente e desenvolvimento sustentável: estratégias a partir de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da URGS, 2004.

FOLCH, R. Sobre Ecologismo y Ecologia Aplicada. Barcelona: Ketres Editora, 1978.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

JUNG, C. G. et al. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

KRAPÍVINE, V. Que é materialismo dialético? ABC dos conhecimentos sociais e políticos. Moscovo: Edições Progresso, 1986.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2002.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetórias e fundamentos da Educação Ambiental. 4ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MARTINI, R.M.F. Antecipação de Kant ao problema das vertentes epistemológica e ética da educação. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 109-118, jul./dez. 1993.

MAO TSE-TUNG. Sobre a prática & sobre a contradição. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K; ENGELS, F. Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PESCI, R. Um novo humanismo e o planejamento ambiental. In: MENEGAT, R.; ALMEIDA, G.; SATTERTHWAITE, D. Desenvolvimento sustentável e gestão ambiental nas cidades: estratégias a partir de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da URGS, 2004. p.81-128.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

TOZONI-REIS, M.F. Formação de educadores ambientais e paradigmas em transição. Ciência & Educação, v. 8, n. 1, p. 83-96, 2002.

TREIN, E. Conceitos de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente: Salto para o Futuro, 2008. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/politica-nacional-de-educacao-ambiental.html>. Acesso em: 23 jul. 2014.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Nunes, J. L. O., Minasi, L. F., & Minasi, A. T. (2021). Educação Ambiental na engenharia civil: a prática do engenheirar com desenvolvimento sustentável. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 288–308. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11199

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-09-23
Aceito em 2021-08-03
Publicado em 2021-10-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)