O uso da Pegada Ecológica como metodologia para Educação Ambiental

Autores

  • Roney Stepherson dos Santos Instituto Federal do Rio Grande do Norte
  • Jennifer Nainne Rodrigues Matias Instituto Federal do Rio Grande do Norte
  • Andrey Luna Saboia Instituto Federal do Rio Grande do Norte
  • Fabíola da Costa Catombé Dantas Instituto Federal do Rio Grande do Norte
  • Leonardo Rafael Medeiros Instituto Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11135

Palavras-chave:

Desenvolvimento sustentável, Pegada ecológica, Estilo de vida, Capacidade de suporte, Educação ambiental

Resumo

A Pegada Ecológica (PE) é uma metodologia de mensuração da sustentabilidade que se baseia na quantificação do consumo de recursos naturais pelo ser humano em relação à capacidade de suporte do planeta. O presente estudo objetivou analisar a promoção da Educação Ambiental junto a estudantes do ensino médio, utilizando a PE como metodologia. O cálculo da PE possibilitou expandir a compreensão pelos alunos de alguns conceitos relacionados às questões ambientais, bem como permitiu constatar algumas concepções alternativas. Ademais, a PE revelou que os estudantes adotam um estilo de vida não sustentável, reforçando a necessidade de desenvolvimento de projetos interdisciplinares de longo prazo, bem como ações do poder público para promoção da sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roney Stepherson dos Santos, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Técnico em Meio Ambiente pelo IFRN, campus Ipanguaçu

Jennifer Nainne Rodrigues Matias, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Técnica em Meio Ambiente pelo IFRN, campus Ipanguaçu

Andrey Luna Saboia, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Professor do IFRN, campus Ipanguaçu

Fabíola da Costa Catombé Dantas, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Professora do IFRN, campus São Paulo do Potengi

Leonardo Rafael Medeiros, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Professor do IFRN, campus Ipanguaçu

Referências

AIRES, B. F. C; SUANNO, J. H. A Educação Ambiental numa perspectiva transdisciplinar: uma articulação entre a educação superior e a educação básica. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient., v. 34, n. 2, 2017.

ASANO, J.G.P.; POLETTO, R.S. Educação Ambiental: em busca de uma sociedade sustentável e os desafios enfrentados nas escolas. Revista Caderno Pedagógico, v. 14, n. 1, 2017.

BARRETT, J.; CHERRET, N.; BIRCH, R.; WIEDMANN, T. Exploring the application of the ecological footprint to sustainable consumption policy. Journal of Environmental Policy & Planning, v. 7, n. 4, 2005.

BERCHIN, I. I.; CARVALHO, A. S. C. O papel das conferências internacionais sobre o meio ambiente para o desenvolvimento dos regimes internacionais ambientais: de Estocolmo à Rio +20. In: COSTA, R. S.; GUERRA, J. B. S. O. A.; DIAS, T. (Ed.). Debates Interdisciplinares VII. Palhoça: Editora Unisul, 2016.

BEZERRA, T. M. O.; GONÇALVES, A. A. C. Concepções de meio ambiente e Educação Ambiental por professores da Escola Agrotécnica Federal de Vitória de Santo Antão-PE. Biotemas, v. 20, n. 3, 2007.

BONATTO, A.; BARROS, C. R.; GEMELI, R. A.; LOPES, T. B.; FRISON, M. D. Interdisciplinaridade no ambiente escolar. Anais do IX Seminário de Pesquisa em Educação na Região Sul, 2012. Disponível em: <http://www.ucs.br/etc/ conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2414/501>. Acesso em: 08 mai. 2020.

BRASIL. Educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio: documento base. MEC, SETEC. Brasília, DF, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/documento_base.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2020.

BRASIL. Lei Nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/ L9795.htm>. Acesso em: 13 mai. 2020.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. MEC, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília, DF, 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf>. Acesso em: 07 mai. 2020.

CARVALHO, A. M.; CÉSAR, C. L.; FISBERG, R. M.; MARCHIONI, D. M. L. Excessive meat consumption in Brazil: diet quality and environmental impacts. Public Health Nutrition, v. 16, n. 10, 2012.

CEDERBERG, C.; PERSSON, U. M.; NEOVIUS, K.; MOLANDER, S.; CLIFT, R. Including carbon emissions from deforestation in the carbon footprint of Brazilian beef. Environ Sci Technol, v. 45, n. 1, 2011.

CIDIN, R. C. P. J.; SILVA, R. S. Pegada ecológica: instrumento de avaliação dos impactos antrópicos no meio natural. Estudos Geográficos, v. 2, n. 1, 2004.

CONRADO, L. M. N.; SILVA, V. H. Educação Ambiental e interdisciplinaridade: um diálogo conceitual. R. Gest. Sust. Ambient., v. 6, n. 3, 2017.

GALLI, A.; IHA, K.; PIRES, S. M.; MANCINI, M. S.; ALVES, A.; ZOKAI, G.; LIN, D.; MURTHY, A.; WACKERNAGEL, M. Assessing the ecological footprint and biocapacity of Portuguese cities: critical results for environmental awareness and local management. Cities, v. 96, n. 1, 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GLOBAL FOOTPRINT NETWORK. Data & Methodology, 2019. Disponível em: <https://www.footprintnetwork.org/resources/data/>. Acesso em: 07 ago. 2019.

GOEL, S.; PATRO, B.; GOEL, R. S. Ecological Footprint: A tool for measuring Sustainable development. International Journal of Environmental Sciences, v. 2, n. 1, 2011.

GOTTLIEB, D.; VIGODA-GADOT, E.; HAIM, A.; KISSINGER, M. The ecological footprint as an educational tool for sustainability: a case study analysis in an Israeli public high school. Int. J. Educ. Dev., v. 32, n. 1, 2012.

GUTH, D.; SILVA, V. A. C. Uso de bicicleta nas cidades brasileiras de pequeno porte: uma cultura ameaçada. P2P e Inovação, v. 5, n. 2, 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas. Biblioteca IBGE. 1: 44–47. 1990. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/ liv2269_1.pdf>. Acesso em: 14 mai. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados, 2019. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rn/ipanguacu.html>. Acesso em: 14 mai. 2020.

JACOBI, P. R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educ. Pesqui., v. 31, n. 2, 2005.

KITZES, J.; WACKERNAGEL, M.; LOH, J.; PELLER, A.; GOLDFINGER, S.; CHENG, D.; TEA, K. Shrink and share: humanity's present and future ecological footprint. Phil. Trans. Biol. Sci., v. 363, n. 1, 2008.

LAMIM-GUEDES, V. Pegada ecológica como recurso didático em atividades de Educação Ambiental on-line. Educação Unisinos, v. 19, n. 2, 2015.

LAMIM-GUEDES, V.; PINTO, L. C. L.; LEITE, M. G.; ESKINAZI-SANT’ANNA, E. M. Uma avaliação do conhecimento do conceito de pegada ecológica em alunos dos cursos de Engenharia de Minas e Biologia da Universidade Federal de Ouro Preto (Minas Gerais, Brasil). Educ. Amb. em Ação, v. 39, n. 1, 2012.

LISBOA, C.K.; BARROS, M.V.F. A pegada ecológica como instrumento de avaliação ambiental para a cidade de Londrina. Confins, v. 1, n. 8. 2010.

MAGELA, Geralda. Pegada ecológica: nosso estilo de vida deixa marcas no planeta. WWW-Brasil, Brasília, 2013.

MARTINE, G.; ALVES, J. E. D. Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: tripé ou trilema da sustentabilidade? R. Bras. Est. Pop., v. 32, n. 3, 2015.

MIGLIETTA, P. P.; PASTORE, S. The ecological footprint: methodologies and applications. In: Conference: 17th IGWT Symposium Facing the challenges of the future: excellence in business and commodity sciences. Bucharest: Conference paper, 2010.

MOÇO, M. C. C.; SERRANO, A. Análise das concepções alternativas de estudantes universitários de Licenciatura em Biologia após uso da internet. Anais do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2003. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3403243/mod_ resource/content/1/ORAL031.pdf>. Acesso em: 08 mai. 2020.

PELICIONI, M. C. F. Educação Ambiental, qualidade de vida e sustentabilidade. Saúde e Sociedade, v. 7, n. 2, 1998.

PINTO, C. S.; BIDARTE, M. V. D.; SILINSKE, J.; CIPOLAT, C. Pegada ecológica: uma análise com alunos de graduação da Universidade Federal do Pampa, Campus Sant'Ana do Livramento. Espacios, v. 37, n. 25, 2016.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing, 2015.

RAWORTH, K. Economia donut: uma alternativa ao crescimento a qualquer custo. Rio de Janeiro: Zahar, 2019.

REES, W.E. Ecological footprints and appropriated carrying capacity: what urban economics leaves out. Environment and Urbanization, v. 4, n. 2, 1992.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental? 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

ROHAN, U., BRANCO, R. R., SOARES, C. A. P. Potencialidades e limitações dos instrumentos de mensuração da sustentabilidade. Eng Sanit Ambient, v. 23, n. 5, 2018.

SANTOS, S. P.; GARDOLINSKI, M. T. H. A. A importância da Educação Ambiental nas escolas para a construção de uma sociedade sustentável. [S.l.], 2016. Disponível em: <http://www2.al.rs.gov.br/biblioteca/LinkClick.aspx? fileticket=1VmNggPU170%3D&tabid=5639>. Acesso em: 13. mai. 2020.

SCHUHMACHER, E.; BRUM, W. A importância das concepções alternativas na apropriação do conhecimento: a aplicação no estudo de bactérias no Ensino Fundamental e suas implicações para a saúde humana. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 7, n. 13, 2017.

STADTLOBER, G. A. W.; RICALDE, C.; SEVERO, C. A qualidade do ensino de Educação Ambiental: discutindo sua carência no âmbito escolar. Anais do XVIII Seminário Internacional de Educação no MERCOSUL, Cruz Alta, 2018.

STOFFEL, J.A.; COLOGNESE, S.A. O desenvolvimento sustentável sob a ótica da sustentabilidade multidimensional. Rev. FAE, v. 18, n. 2, 2015.

VEIGA, J. E. da. Para entender o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora 34, 2015.

WACKERNAGEL, M.; ONISTO, L.; BELLO, P.; LINARES, A. C.; FALFÁN, I. S. L.; GARCÍA, J. M.; GUERRERO, A. I. S.; GUERRERO, M. G. S. National natural capital accounting with the ecological footprint concept. Ecological Economics, v. 29, n. 1, 1999.

WACKERNAGEL, M.; REES, W. Our ecological footprint: reducing human impact on the Earth. Gabriola Island, B.C: New Society Publishers, 1996.

ZANIRATO, S. H.; ROTONDARO, T. Consumo, um dos dilemas da sustentabilidade. Estudos avançados, v. 30, n. 88, 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

Santos, R. S. dos, Matias, J. N. R., Saboia, A. L., Dantas, F. da C. C., & Medeiros, L. R. (2021). O uso da Pegada Ecológica como metodologia para Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(4), 516–535. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11135

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-09-02
Aceito em 2021-06-10
Publicado em 2021-08-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)