Avaliação do uso do Museu de Ciências Univates como espaço não formal de ensino por professores de escolas públicas e particulares

  • Angelica Sulzbach Universidade do Vale do Taquari Univates
  • Liana Johann Universidade do Vale do Taquari Univates
Palavras-chave: Educação; Espaços de Ensino; Museu; Relação museu-professor.

Resumo

Os museus de ciências são espaços não formais de ensino que possuem sua conexão com a sociedade estabelecida a partir de uma inquietação com a educação e com a disseminação científica. O presente trabalho tem por objetivo compreender as principais motivações e dificuldades apresentadas por professores da rede básica na utilização dos serviços prestados pelo Museu de Ciências Univates através de um questionário estruturado com perguntas específicas. Por meio das respostas apresentadas, verificou-se dificuldades de deslocamento, complexidade em conciliar as saídas da escola com o currículo escolar, além de motivações como o complemento educativo, a ampliação do conhecimento científico e a vivência prática com a teoria.

Biografia do Autor

Angelica Sulzbach, Universidade do Vale do Taquari Univates

Graduada no Curso de Ciências Biológicas - Licenciatura pela Universidade do Vale do Taquari Univates. Atuou como Bolsista de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (PIBIC/CNPq) no Setor de Paleontologia e Evolução de Biomas, e como Bolsista de Iniciação à Docência (PIBID), ambos pela Universidade do Vale do Taquari Univates. Atualmente é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Sistemas Ambientais Sustentáveis (PPGSAS) da Universidade do Vale do Taquari Univates. Desenvolve sua pesquisa no Laboratório de Acarologia com ácaros associados a galinhas poedeiras no Sul do Brasil.

Liana Johann, Universidade do Vale do Taquari Univates

Atualmente é professora e orientadora no Programa de Pós-Graduação em Sistema Ambientais Sustentáveis na Universidade do Vale do Taquari - Univates. Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES (2005), mestrado em Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES (2008) e doutorado em Biociências (Zoologia) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2014). Participou do 62th Acarology Summer Program (2013) da Ohio State University, EUA, nos cursos: "Introductory of Acarology" e "Agricultural of Acarology". Tem como principal linha de pesquisa a biologia, comportamento e controle biológico de ácaros na cultura da videira (Vitis vinifera), no Estado do Rio Grande do Sul. Seus estudos buscam compreender as relações que se estabelecem entre os organismos presentes nesse agroecossistema.

Referências

BORTOLETTO-RELA, L. Parceria museu de ciências e público docente: objetivos e contribuições da visita. In: In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS (ENPEC), jul., 2017, Florianópolis, SC. Anais do XI ENPEC, 2017.
BRASIL. República Federativa do. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: Acesso em: 13 abr. 2019.
BRASIL. República Federativa do. Lei n. 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 13 abr. 2019.
CHELINI, M-J. E.; LOPES, S.G.B.C. Exposições em museus de ciências: reflexões e critérios para análise. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, v. 16, n. 2, p. 205-238, 2008.
DELICADO, A.; GAGO, M.M.; CORTEZ, A. A visita a uma exposição científica vista pelos/as professores/as: elementos para uma análise. Educação, Sociedade & Culturas, v. 40, p. 187-207, 2013.
DUTRA, S. F.; NASCIMENTO, S. S. A educação no entre lugar museu e escola: um estudo das visitas escolares ao Museu Histórico Abílio Barreto. Educação, v. 39, n. Esp, p. s125-s134, 2016.
ESHACH, H. Bridging in-school and out-of-school learning: Formal, non-formal, and informal education. Journal of science education and technology, v. 16, n. 2, p. 171-190, 2007.
FERNANDES, R.S. A cidade educativa como espaço de educação não formal, as crianças e os jovens. Revista Eletrônica de Educação, v. 3, n. 1, p. 58-74, 2009.
GOHN, M.G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Rio de Janeiro: Revista Ensaio-Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 14, n. 50, p. 11-25, 2006.
GRUZMAN, C.; SIQUEIRA, V.H. F. O papel educacional do Museu de Ciências: desafios e transformações conceituais. Revista Electrónica de Enseñza de las Ciencias, v. 6, n. 2, p. 402-423, 2007.
JACOBUCCI, D.F.C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em extensão, v. 7, n. 1, 2008.
KISIEL, J. Understanding elementary teacher motivations for science fieldtrips. Science Education, v. 89, n. 6, p. 936-955, 2005.
LOPES, I.B; MOLL, J.; DOS SANTOS, L.A. 1A037 A importância dos espaços educativos não formais na Formação de Professores e suas práticas pedagógicas. Tecné Episteme y Didaxis TED, 2018.
MARANDINO, M. Interfaces na relação museu-escola. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 18, n. 1, p. 85-100, 2001.
MARANDINO, M. et al. A educação não formal e a divulgação científica: o que pensa quem faz. Atas do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, 2004.
MARANDINO, M. et al. Os usos da Teoria da Transposição Didática e da Teoria Antropológica do Didático para o estudo da educação em museus de ciências. Revista Labore em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, 2017.
MARANDINO, M. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciênc. educ. (Bauru), Bauru, v. 23, n. 4, p. 811-816, 2017.
MIGUEL, M.C.; FREIRE, V.F. Avaliação da qualidade orientada ao usuário do museu capixaba do negro: aplicação da abordagem teórico-metodológica Servqual em um espaço museológico de Vitória- ES. Revista Guará, v. 1, n. 5, 2016.
MUSEU DE CIÊNCIAS UNIVATES. Plano Museológico: Museu de Ciências Naturais - MCN/UNIVATES. Lajeado/RS, documento interno, 2013.
PINTO, L.T; ROSSI, A.V. Por que professores de Ciências visitam museus? Um estudo de caso sobre a percepção de professores de Campinas-SP e Duque de Caxias–RJ. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, v. 10, 2015.
QUEIROZ, R. et al. A caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências ISSN, v. 1984, p. 7505, 2011.
ROCHA, S.C.B.; TERÁN, A.F. Contribuições dos espaços não formais para o ensino de ciências. In: I Simpósio Internacional de Educação em Ciências na Amazônia - I SECAM, Manaus, 2011
RICHARDSON, R.J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.
SCHERER, L.C. Ensino-aprendizagem em ambientes não formais de educação: o caso do Museu de Ciências Naturais da Univates. (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização em Ensino e Práticas de Ciências da Natureza e Matemática) - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, 2017.
UNIVERSIDADE DO VALE DO TAQUARI – UNIVATES. Balanço social: Indicadores de desenvolvimento social. 2017. Disponível em: Acesso em: 05 abr. 2019.
VARELA, C.M.R.C. As Visitas de Estudo e o Ensino e a Aprendizagem das Ciências Naturais: um estudo sobre representações de professores e alunos do 9º ano de escolaridade. 2009. Tese de Doutorado.
VIEIRA, V.; BIANCONI, M.L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, v. 57, n. 4, p. 21-23, 2005.
Publicado
2021-02-03
Como Citar
Sulzbach, A., & Johann, L. (2021). Avaliação do uso do Museu de Ciências Univates como espaço não formal de ensino por professores de escolas públicas e particulares. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(1), 09-22. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10446
Seção
Artigos