Espaços de ensino musical na São Luís da segunda metade do século XIX.

  • João Costa Gouveia Neto Universidade Estadual do Maranhão
  • Alexandre Guida Navarro Universidade Federal do Maranhão
  • Cesar Augusto Castro Universidade Federal do Maranhão
Palavras-chave: Espaços de ensino musical, São Luís, Século XIX

Resumo

Este trabalho tem como objetivo lançar olhares sobre os espaços de ensino da cidade de São Luís, capital da província do Maranhão, nos idos da segunda metade do século XIX, onde havia aulas de música. Para tanto, utilizamos como referencial teórico os estudos culturais relacionados à educação e que postulam que os espaços escolares podem ser vistos para além das questões disciplinares. Para nos aproximarmos dos espaços onde havia aulas de música, temos como fonte de pesquisa os jornais que circulavam na capital maranhense. A partir das notícias dos jornais, apresentamos os espaços onde o ensino de música estava presente e relacionamos esta presença aos ideais de civilidade e elegância almejados pelas elites ludovicenses.

Métricas

Carregando métricas...

Biografia do Autor

João Costa Gouveia Neto, Universidade Estadual do Maranhão

Graduado em História pela Universidade Federal do Maranhão (2006). Mestre em História do Brasil pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Piauí (2010). Graduado em Música Licenciatura pela Universidade Estadual do Maranhão (2014). Doutorando em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação (PPGED) (2019), da Universidade Federal do Pará, sob orientação do Prof. Dr. Cesar Augusto Castro. Professor efetivo do Curso de Música da Universidade Estadual do Maranhão. Tenho experiência na área de História e música, com ênfase nas vivências musicais das elites do Brasil imperial, nos seguintes eixos: músicos e professores (as) de música, aulas de música, teatro, companhias líricas, festa, dança, gosto musical, jornais.

Alexandre Guida Navarro, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em História (1997), mestrado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (2001), Doutorado em Antropologia com ênfase em Arqueologia pela Universidad Nacional Autónoma de México (2007), com Menção Honorífica e estágio em Arqueologia da Paisagem no Laboratório de Paleoambiente, Patrimônio e Paisagem do Instituto de Estudios Gallegos Padre Sarmiento, Santiago de Compostela, Espanha (2005). Possui dois Pós-Doutoramentos: um em Arqueologia Histórica no Núcleo de Estudos Estratégicos da UNICAMP (2008-2009) supervisionado pelo Prof. Dr. Pedro Paulo Funari, com bolsa FAPESP e outro em Arqueologia da Amazônia na University of Illinois at Chicago (2017-2018), sob supervisão da Profa. Dra. Anna C. Roosevelt, e com estágios pós-doutorais na Smithsonian Institute of Washington (Washington D.C., 2017), no Penn Museum - University of Pensylvannia Museum of Archaeology and Anthropology (Filadélfia, 2017) e no American Museum of Natural History em Nova York (2017). Foi professor visitante da University of Illinois at Chicago com Bolsa da Fulbright Commission (2017). É especialista em cultura maia, pesquisando temas como formação do Estado na Mesoamérica, arquitetura, guerra, iconografia, religião e epigrafia. Participou de escavações arqueológicas no sítio de Santa Cruz de Atizapán, que possuía vínculos com a cidade de Teotihuacán, no sítio maia de Calakmul e na Ilha Cerritos, porto da cidade maia de Chichén Itzá durante Clássico Terminal, ca. 800-1050 d.C., todos no México. Coordenou um projeto arqueológico no México. Dedica-se também, a partir de 2013, à arqueologia das Terras Baixas da América do Sul, na costa oriental da Amazônia, estudando as estearias da Baixada Maranhense, sítios pré-históricos palafíticos, focando em temas como comércio de longa distância, iconografia, padrão de assentamento, arqueologia da paisagem e formação de cacicados amazônicos. É um dos líderes do Grupo de Pesquisa História, Religião e Cultura Material - REHCULT. Coordenador do Laboratório de Arqueologia. Professor Associado I do Programa de Pós-Graduação em História Social e do Departamento de História da Universidade Federal do Maranhão (LARQ/PPGHIS/DEHIS/UFMA). Bolsista de Produtividade em Pesquisa Nível 2 do CNPQ. Foi bolsista de Produtividade da FAPEMA entre 2012 e 2014. Em 2015 ganhou o Prêmio de Jovem Cientista pela FAPEMA na modalidade de orientador de monografia. É consultor da FAPEMA.

Cesar Augusto Castro, Universidade Federal do Maranhão

Professor Titular da Universidade Federal do Maranhão. Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Maranhão (1988). Mestrado em Ciência da Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1993). Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (1998). Pós Doutor em Educação pela USP (2006) e pela Universidade do Porto (2011). Docente do Programa de Pós-graduação em Educação e o Curso de Biblioteconomia (UFMA). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará .Diretor do Centro de Ciências Sociais (2006-2015). Membro do Comitê Cientifico da Amercian Library Association. Vice-Coordenador do GT 2 - História da Educação da ANPED. Membro da Associação para a Pesquisa sobre o Brasil na Europa (ARBRE) e da Association pour le Développement de l´Histoire Culturelle (ADHC).. Coordenador do Núcleo de Estudos e Documentação em História da Educação e Práticas Leitoras (NEDHEL). Desenvolve estudos e pesquisa sobre História da Educação (Cultura Material Escolar, Instituições Escolares e imprensa de ensino). História do Livro e da Leitura e História das Bibliotecas e da Biblioteconomia. Pesquisador Produtividade do CNPq.

Referências

ABRANCHES, Dunshee. O Cativeiro. 3 ed. São Luís: AML, 2012.

BARBATO, Luis Fernando Tosta. As novas ideias que vinham de Paris: a imprensa francesa no Brasil Oitocentista ea Revue des Deux Mondes. MÉTIS: história & cultura – v. 13, n. 25, 2014, pp. 179-197.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

XXX, X X. Infância e trabalho no Maranhão Provincial: uma história da Casa dos Educandos Artífices (1841 - 1889). São Luís: EdFUNC, 2007.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.

CORREIA, Maria da Glória Guimarães. Nos fios da trama: quem é essa mulher? Cotidiano e trabalho do operariado feminino em São Luís na virada do século XIX. São Luís: EDUFMA, 2006.

COSTA, Marisa Vorraber; SILVEIRA, Rosa Hessel; SOMMER, Luis Henrique. Estudos culturais, educação e pedagogia. In: Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio/jun/jul/ago, 2003, pp. 36 -61.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. 8ª ed. Petrópolis (RJ): Editora Vozes, 2002.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Os estudos culturais. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3363368/mod_resource/content/1/estudos_culturais_ana.pdf

XXXX, X X. Ao som de pianos, flautas e rabecas... Estudo das vivências musicais das elites na São Luís da segunda metade do século XIX. 158 p. (Dissertação) Mestrado em História do Brasil. Universidade Federal do Piauí, 2010.

XXX, X X. A importância do jornal A Luta na construção da imagem musical de Antônio Rayol como o tenor maranhense na segunda metade do século XIX em São Luís. In: Anais do VI Simpósio Nacional de História Cultural, Escritas da História: Ver - Sentir - Narrar. Teresina, PI: GT Nacional de História Cultural, 2012. Disponível em: http://gthistoriacultural.com.br/VIsimposio/anais/Joao%20Costa%20Gouveia%20Neto.pdf

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Ao som de pianos, flautas e rabecas... Estudo das vivências musicais das elites na São Luís da segunda metade do século XIX. São Luís: EDUEMA, 2018.

JANSEN, José. Teatro no Maranhão. Rio de Janeiro: [s.n], 1974.

LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. A fundação francesa de São Luís e seus mitos. 2.ed. São Luís: Lithograf, 2002.

MARQUES, César Augusto. Dicionário histórico-geográfico da província do Maranhão. 3.ed. Rio de Janeiro: Cia Editora Fon-Fon e Seleta, 1970.

MELLO, Luiz de. Cronologia das Artes Plásticas no Maranhão. São Luís: Lithograf, 2004.

MÉRIAN, Jean-Yves. Aluísio Azevedo: vida e obra (1857 – 1913). Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1988.

OLIVEIRA, Anna Luiza Araújo Ramos de. Os estudos culturais e a questão da diferença na educação. In: Revista Educação em Questão, Natal, v.34, n.20, jan./abr.2009, pp.33-62.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PRAZERES, Maria das Graças do Nascimento. UMA RUA... UM ROMANCE... UMA CIDADE... História, literatura e modernidade em São Luís (MA) no romance Rua do Sol de Orígenes Lessa. In: Anais do VI Simpósio Nacional de História Cultural, Escritas da História: Ver - Sentir - Narrar. Teresina, PI: GT Nacional de História Cultural, 2012. Disponível em: http://gthistoriacultural.com.br/VIsimposio/anais/Maria%20das%20Gracas%20do%20Nascimento%20Prazeres.pdf

RENAULT, Delso. Indústria, escravidão, sociedade: uma pesquisa historiográfica do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro/Brasília: Civilização Brasileira/INL, 1976.

VIÑAO, Antonio. Espaços, usos e funções; a localização e disposição física da direção escolar na escola graduada. In: BENCOSTTA, Maucus Levy (org.). História da educação, arquitetura e espaço escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna; COSTA, Marisa Vorraber; SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. Sobre a emergência e a expansão dos Estudos Culturais no Brasil. In: Educação (Porto Alegre, impresso), v. 38, n. 1, jan. - abr, 2015, pp. 32 – 38.

Publicado
2019-11-30
Como Citar
Gouveia Neto, J. C., Navarro, A. G., & Castro, C. A. (2019). Espaços de ensino musical na São Luís da segunda metade do século XIX. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 7(3), 189-200. https://doi.org/10.34024/olhares.2019.v7.9632