Intelectuais da educação e o incentivo à escolarização primária no Maranhão

  • Diana Rocha da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
Palavras-chave: instrução pública, Ensino primário, intelectuais maranhenses

Resumo

O presente estudo apresenta as principais ações empreendidas pelos intelectuais maranhenses no início da Primeira República e que influenciaram os rumos da educação pública primária nesse Estado, destacando José Tomaz de Porciúncula, Lourenço Sá, Benedito Pereira Leite e Barbosa de Godóis. A metodologia utilizada se baseou na análise das mensagens dos gover- nadores que atuaram no cenário maranhense durante o período de 1890 a 1908, e das men- sagens publicadas nos jornais desse mesmo período. Foi por meio também do debate político que vimos florescer os discursos em prol da instrução pública primária, atrelando a sua falta à carência ou ao atraso existente na sociedade. É necessário, portanto, reconhecer quem foram esses atores e o que mobilizava suas ações, entendendo o lugar ocupado na sociedade e as principais estratégias de atuação.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

BOBBIO, N. Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo, Editora da UNESP, 1997

BOTO, Carlota. A escola primária como rito de passagem: ler, escrever, contar e se comportar. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2012.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (PEU), 1999.

CASTRO, César Augusto. Os percursos da obrigatoriedade escolar no Maranhão. In: VIDAL, Diana Gonçalves; SÁ, Elizabeth Figueiredo de; SILVA, Vera Lúcia Gaspar de (Org.). Obrigatoriedade escolar no Brasil. Cuiabá: Edufmt, 2013.

CASTRO, César Augusto; CASTELLANOS, Samuel Luiz Velazquez. Arquitetura escolar: entre construções e adaptações. In: SOUZA, Rosa Fátima; PINHEIRO, Antônio Carlos Ferreira; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho (Org.). História da escola primária no Brasil: investigação em perspectiva comparada em âmbito nacional. Aracaju: Edise, 2015.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. 2. ed. Lisboa: Difel, [1988].

GODÓIS, Barbosa. O mestre e a escola. Maranhão: Imprensa oficial, 1910.

LICAR, Ana Carolina Neres Castro. A questão do livro na Escola modelo Benedito Leite: cultura e material escolar e poder disciplinar no Maranhão (1900-1911). 2010. 164p. dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação. Universidade Federal do Maranhão, 2010.

MORAES, Carmen Sylva Vidigal. O ideário republicano e a educação. Campinas: Mercado das Letras, 2006.

SALDANHA, Lilian Maria Leda. A instrução pública maranhense na primeira década republicana. 1992. 237 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação, Universidade Federal do Maranhão. São Luís, 1992.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René. Por uma história política. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/Ed. FGV, 1996, p.231-270.

VASCONCELLOS, Francisco. Porciúncula Governador do Maranhão. Disponível em:. Acesso em: 13 abr. 2016.

VIDAL, Diana Gonçalves. Faces da obrigatoriedade escolar: lições do passado, desafios do presente. In: VIDAL, Diana Gonçalves; SÁ, Elizabeth Figueiredo de; SILVA, Vera Lúcia Gaspar de (Org.). A Obrigatoriedade escolar no Brasil. Cuiabá: EDUFMT, 2013.

VIVEIROS, Jerônimo de. Benedito Leite: um verdadeiro republicano. 2. ed. São Paulo: Servi

Publicado
2019-11-28
Como Citar
da Silva, D. R. (2019). Intelectuais da educação e o incentivo à escolarização primária no Maranhão. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 7(3), 147-165. https://doi.org/10.34024/olhares.2019.v7.9553