Exercício docente na prisão por educadoras presas: formação e prática pedagógica

Autores

  • Marieta Gouvea de Oliveira Penna Universidade Federal de São Paulo
  • Andressa Baldini Silva UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2013.v1.29

Resumo

Apresenta-se neste artigo resultado de pesquisa[1] com educadoras presas, com objetivo de travar discussão sobre a formação em serviço por elas recebida, relacionando-a a aspectos de sua prática docente e da construção de sua identidade profissional. A coleta dos dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas com a equipe técnica da Fundação Professor Manoel Pedro Pimentel (gerente regional, supervisor e monitora orientadora) e duas educadoras presas. Os referenciais teóricos utilizados para a compreensão da formação, dos saberes mobilizados pelas educadoras em suas ações e de aspectos de sua identidade profissional são Maurice Tardif e Carlos Marcelo Garcia.  Foi possível evidenciar fragilidades na formação das educadoras presas, que não possuem a formação inicial exigida para o exercício da docência. Ao serem formadas no exercício da função, não encontram espaço para significar sua prática pedagógica, pautada em modelos que adquiriram quando alunas, e na qual se destaca empenho pessoal das educadoras.


[1] Trata-se de pesquisa de Iniciação Científica que contou com financiamento do CNPq

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marieta Gouvea de Oliveira Penna, Universidade Federal de São Paulo

Professora do departamento de Educação da EFLCH

Andressa Baldini Silva, UNIFESP

Aluna de graduação e bolsista de iniciação científica CNPq

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2013-11-30

Como Citar

Penna, M. G. de O., & Silva, A. B. (2013). Exercício docente na prisão por educadoras presas: formação e prática pedagógica. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 1(2), 193–220. https://doi.org/10.34024/olhares.2013.v1.29