PROFESSORAS LÉSBICAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: saberes docentes como resistência

Autores

  • Camila dos Passos Roseno Universidade de Pernambuco – Campus Petrolina https://orcid.org/0000-0003-2149-4129
  • Daniela Auad Universidade federal de São Carlos - UFSCAR

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2024.v12.15804

Palavras-chave:

Educação, Saberes Docentes, Relações de Gênero

Resumo

O presente artigo resulta de pesquisa de doutorado sobre trajetórias de professoras lésbicas na educação básica e seus saberes docentes como resistência, cujo objetivo foi conhecer como os saberes docentes e a identidade docente podem ser constituídos pelas lesbianidades de professoras da educação básica. Para alcançar esse objetivo, escolhemos a metodologia “Bola de Neve”, que nos permitiu localizar sete professoras lésbicas, atuantes na região Nordeste do Brasil. Utilizamos as narrativas (auto)biográficas como inspiração, para identificar os saberes docentes através das trajetórias de vida, em entrevistas semiestruturadas. No caso específico das trajetórias das entrevistadas, percebidas como coautoras da pesquisa, as professoras lésbicas são protagonistas do estudo por declararem sua orientação sexual nos seus locais de trabalho e, com isso, estabelecerem as lesbianidades como saberes docentes que lhes conferem singular visibilidade. Desse modo, identificamos diversos saberes como estratégias de resistência e os categorizamos. Seja para seguir trabalhando com o mínimo de condições, seja para acolher e proteger estudantes que se encontram vulneráveis, as professoras lésbicas asseguram variados direitos, a partir das suas práticas e de suas orientações sexuais ou identidades de gênero.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila dos Passos Roseno, Universidade de Pernambuco – Campus Petrolina

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, professora adjunta da Universidade de Pernambuco, pesquisadora do Grupo de Pesquisa Flores Raras – Educação, Comunicação e Feminismos (CNPq), suas pesquisas estão concentradas na área de Gênero e Educação, Formação Docente, e Estudos sobre Lesbianidades.

Daniela Auad, Universidade federal de São Carlos - UFSCAR

Professora Titular e docente permanente no PPGEd/UFSCar-So; Doutora em Educação pela USP; Coordenadora do Grupo de Pesquisa Flores Raras – Educação, Comunicação e Feminismos (CNPq). Realiza pesquisa, docência e extensão com foco na temática Educação, Relações de Gênero e Feminismos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Nordestino, uma invenção do falo, uma história do gênero masculino (Nordeste 1920 1940). Maceió: Catavento, 2003.

AHMED, Sara. Viver uma vida feminista. São Paulo, UBU, 2022.

ANDRADE, Thamires. Meus melhores poemas eu não escrevi e esqueci. São Paulo, Editora Patuá, 2020.

APPLE, Michael W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

AUAD, Daniela; LAHNI, Cláudia R; ROSENO, Camila. Saberes Docentes Fora do Armário: educação como território de resistência. Rio de Janeiro, Nau, 2022.

AUAD, Daniela; LAHNI, Cláudia R. Topografias feministas: uma teoria das mulheres em movimento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 3, 2021.

AUAD, Daniela. Caminhos entrelaçados: Feminismos e Lesbianidades na Pesquisa em Educação. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 3, 2021.

AUAD, Daniela; SILVA, Janaina G. F.; ROSENO, Camila. Gênero na Educação Básica Brasileira: a inconstitucionalidade de projetos proibitivos. ETD – Educação Temática Digital, Campinas – SP, v. 21, n. 3, p. 568-586, jul./set. 2019.

AUAD, Daniela; ROSENO, Camila. Formação docente em universidades públicas do Nordeste: gênero como resistência democrática nos currículos. Práxis Educacional, v. 15, n. 35, p. 273-292, 2019.

AUAD, Daniela. Relações de gênero nas práticas escolares: da escola mista ao ideal de coeducação. São Paulo: FEUSP, FAPESP, Tese de Doutorado, 2004.

BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e Educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, 64, p. 4-13, 1988.

CARVALHO, Marília P. de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) biográfica. Salvador, v. 01, n. 01, p. 133-147, jan./abr. 2016.

FALQUET, Jules. Breve resenha de algumas teorias lésbicas. Herética edições lésbicas e feministas independentes. Buenos Aires, 2013.

FALQUET, Jules. Romper o tabu da heterossexualidade: contribuições da lesbianidade como movimento social e teoria política. Cadernos de Crítica Feminista. Ano VI, n.5, dez. 2012.

FREITAS, Tatiana Carvalho De. Professoras lésbicas na educação básica de São Paulo: rupturas e construção de visibilidades. Doutorado em Educação. Instituição de Ensino: Universidade de São Paulo, São Paulo, FEUSP, 2018.

HARAWAY, Donna. Reinvenção da Natureza: símios, ciborgues e mulheres. São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, 2023.

HOOKS, bell. Pertencimento: uma cultura do lugar. São Paulo, Elefante, 2022.

HOOKS, bell. Tudo sobre o amor: novas perspectivas. São Paulo, Elefante, 2021.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In: Vida de Professores. (Org.) NÓVOA, António. Porto Editora: Porto – Portugal, p. 32-61, 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica. 2017. Brasília: Inep, 2018.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

LOURO, Guacira L. Magistério de 1º grau: um trabalho de mulher. Educação e Realidade, Porto Alegre: UFRGS, v. 14, n. 2, p. 31-39, 1998.

LOURO, Guacira L. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das Mulheres no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

MACIEL, Patrícia Daniela. Lésbicas e professoras: modos de viver o gênero na docência. Doutorado em Educação. Instituição de Ensino: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS, Capão do Leão Biblioteca Depositária: Biblioteca Setorial do Campus das Ciências Sociais, 2014.

MEIRELES, Ariane Celestino. Políticas Públicas sobre diversidade sexual na educação e vivências pedagógicas de professoras lésbicas na escola: notas sobre a cidade de Vitória. Mestrado em Política Social. Instituição de Ensino: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, VITÓRIA, 2012.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: Vida de Professores. (Org.) NÓVOA, António. Porto Editora: Porto – Portugal, p. 11-25, 2007.

NÓVOA, António. Os professores: Quem são? Donde vêm? Para onde vão? Lisboa: ISEF, 1989.

NOVO, Arthur Leonardo Costa. O Armário na escola: regimes de visibilidade de professoras lésbicas e gays. Mestrado em Antropologia Social. Instituição de Ensino: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, Florianópolis Biblioteca Depositária: BU UFSC, 2015.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas: Porto Alegre, n. 05, p.17-44, 2010.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação formal e mulher: um balanço parcial. In: COSTA, A. de O.; BRUSCHINI, C. (Org.) Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, p. 151-182, 1992.

ROSEMBERG, Fúlvia; AMADO, Tina. Mulheres na escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: FCC, n. 80, p. 62-74, 1992.

ROSEMBERG, Fúlvia; PIZA, Edith; MONTENEGRO, Thereza. Mulher e educação formal no Brasil: estado da arte e bibliografia. Brasília: Inep; Reduc, 1990.

ROSENO, Camila dos P. Trajetórias de professoras lésbicas na educação básica: saberes docentes como resistência. Juiz de Fora, Minas Gerais, Universidade Federal de Juiz de Fora, Tese de Doutorado, 2022.

SCOTT, Joan W. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, 2005.

SEDGWICK, Eve K. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, Junho. 2007.

SOUZA, Elizeu C. de. O conhecimento de si: estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

SOUZA, Elizeu C. de. Territórios das escritas do eu: pensar a profissão – narrar a vida. Educação: Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 213-220, 2011.

SOUZA, Elizeu C. de.; MEIRELES, Mariana M. de. Olhar, escutar e sentir: modos de pesquisar-narrar em educação. Educação e Cultura Contemporânea. V. 15, n. 39, 2018.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré. p. 159-180, 2013.

VIANNA, Claudia Pereira. Os nós do nós: crise e perspectivas da ação coletiva docente em São Paulo. São Paulo: Xamã, 1999.

VIANNA, Claudia Pereira. Entre o desencanto e a paixão: desafio para o magistério. In: BRUSCHINI, Cristina; HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n. 34, p. 315-342, 1998.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22, (44): 203-220, ago./dez. 2014.

WITTIG, Monique. O Pensamento Hétero. Belo Horizonte: Autêntica, 2022

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

Roseno, C. dos P., & Auad, D. . (2024). PROFESSORAS LÉSBICAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: saberes docentes como resistência: . Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 12(1). https://doi.org/10.34024/olhares.2024.v12.15804

Edição

Seção

SEÇÃO TEMÁTICA: A educação em disputa: Gênero, cruzadas e formas de resistência