CENAS DE GÊNERO E HETERONORMATIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: entre permanências e mudanças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2024.v12.15441

Palavras-chave:

Gênero, heteronormatividade, educação infantil

Resumo

Essa pesquisa traz cenas e discursos de gênero e heteronormatividade que se articulam com seus respectivos referenciais teóricos. A perspectiva metodológica é qualitativa e partiu das memórias de professora-pesquisadora e também de entrevistas semiestruturadas realizadas com profissionais da educação, tendo como objetivo compreender se/quando o gênero e a heteronormatividade estão na atuação de professoras, auxiliares de educação, gestoras/es e funcionárias/os na Educação Infantil. Observou-se que estas pessoas estão reproduzindo em suas práticas pedagógicas e/ou em seus discursos o binarismo de gênero e os conceitos heteronormativos de controle dos corpos infantis. As professoras que abraçaram a mudança de suas práticas pedagógicas foram em busca de formação continuada. Conclui-se com a necessidade de fomento para formação continuada de docentes em gênero e sexualidade e de novas pesquisas que explorem estas questões de um ponto de vista interseccional na Educação Infantil.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássia Cristiane Lopes de Almeida, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

Pedagoga, Mestra em Educação e Professora de Educação Infantil no Município de Sorocaba.

Viviane Melo de Mendonça, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Psicóloga, Doutora em Educação, Professora do Departamento de Ciências Humanas e Educação e coordenadora do Núcleo de Estudos de Gênero, Diferenças e Sexualidades (NEGDS) da Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba.

Referências

ALMEIDA, Cássia Cristiane Lopes de. Cenas e discursos heteronormativos e de gênero na educação infantil. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação) – Uni-versidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/13773.

ARRUDA, Júlio César De; FINCO, Daniela. Anais do VIII Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade, IV Seminário Internacional Corpo, Gênero e Sexualidade e IV Luso-Brasileiro Educação em Sexualidade, Gênero, Saúde e Sustentabilidade... Campi-na Grande: Realize Editora, 2022. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/87816>. Acesso em: 08/09/2023 17:27

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, mai./ago. 2011.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 15 mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.Brasília, DF: Presidência da República, [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, [2010]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 mai. 2020.

FERNANDES, Noeli Aparecida; FINCO, Daniela. Diálogos Necessários de Gênero : Olhares e Culturas que se Entrecruzam na Educação Infantil. Revista Interacções, v. 18, n. 61, p. 233–257, 2022.

FINCO, Daniela. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posições, Campinas, v. 14, n. 3, set./dez. 2003.

FINCO, Daniela; GOBBI, Márcia Aparecida; GOULART, Ana Lúcia de Faria. (org.). Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas: Edições Leitura Crítica; ALB; São Paulo: FCC, 2015.

FINCO, Daniela. Questões de gênero na educação da pequena infância brasileira.Studi Sulla Formazione - Open Journal of Education,v. 18, n. 1, p. 47–57, 2015.

FREITAS, Paula Rios de; COUTO JÚNIOR, Dilton Ribeiro; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de. Quando as (hetero)normas estremecem o cotidiano da Educação Infantil: conversas com professoras sobre as marcas de gênero expressas nas interações com crianças. Revista Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 20, n. 37, p. 246-263, jan./jun. 2018.

FROIS, Érica Silva. A construção da expressão de gênero na infância: do gesto à palavra. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rei , v. 15, n. 2, p. 1-15, jun. 2020 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082020000200006&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 08 set. 2023.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do armário: a normatividade em ação. Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 481-498, jul./dez. 2013.

LINS, Beatriz Accioly; MACHADO, Bernardo Fonseca; ESCOURA, Michele. Diferentes, não desiguais: a questão de gênero na escola. São Paulo: Editora Reviravolta, 2016.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p.101-132, 1995.

MENGA, Lüdke; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Alfonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2017.

MIRANDA, Amanaiara Conceição de Santana. Gênero/sexo/sexualidade: representações e práticas elaboradas por professoras/es da educação infantil na rede municipal de ensino em salvador. 2014. 166 f. Dissertação (Mestrado em Gênero) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

PEREIRA, Angelica Silvana; OLIVEIRA, Ericka Marcelle Barbosa. Brincadeiras de meninos e meninas, cenas de gênero na educação infantil. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 273-288, jan./abr. 2016.

ROVERI, Fernanda Theodoro. Barbie na educação de meninas: do rosa ao choque. São Paulo: Annablume, 2012.

Roveri, Fernanda. (2019). Gênero e diversidades na infância: desafios para a formação docente face ao retrocesso curricular. Laplage em Revista. 4. 115. 10.24115/S2446-622020184especial589p.115-121.

SPINK, Mary Jane. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

Silva, Peterson; Silva, Tassio; Finco, Daniela. (2020). Relações de gênero, educação da pequena infância e mudanças políticas no Brasil: contribuições para um estado da arte*. Cadernos Pagu. 10.1590/18094449202000580015.

VIANNA, Claudia; FINCO, Daniela. Meninas e meninos na educação infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, Campinas, n. 33, p. 265-283, jul./dez. 2009.

VIÉGAS, Lygia de Souza; GOLDSTEIN, Thais Seltzer. Escola sem partido, sem juízo e sem bom senso: judicializando e medicalizando a educação. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 14, n. 1, p. 1-20, jan.-jun. 2017.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

Almeida, C. C. L. de ., & Mendonça, V. M. de. (2024). CENAS DE GÊNERO E HETERONORMATIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: entre permanências e mudanças . Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 12(1). https://doi.org/10.34024/olhares.2024.v12.15441

Edição

Seção

SEÇÃO TEMÁTICA: A educação em disputa: Gênero, cruzadas e formas de resistência