“FALA DA GENTE, SABE?”: cenas de leitura do conto “Rolézim”, de Geovani Martins, com jovens em vulnerabilidade social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2022.v10.14505

Palavras-chave:

Democratização da leitura, Literatura, justiça Social.

Resumo

O artigo apresenta o recorte de uma pesquisa-ação socialmente crítica que implementou oficinas de língua portuguesa com jovens em vulnerabilidade que integram projetos de inclusão social do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e participam de projeto de extensão Letrajovem. O foco deste trabalho recai sobre a leitura do conto “Rolézim”, de Geovani Martins, o qual foi escolhido pela proximidade da variante linguística empregada, bem como das situações ficcionais, com aquelas vividas pelos participantes das oficinas. A abordagem funda-se na epistemologia freireana e na perspectiva do Letramento Crítico, compreendendo-se a educação como ato político, a literatura como direito humano e a leitura literária como experiência estética singular e multidimensional. Aplicou-se na interpretação dos dados do caderno de campo e da gravação a Análise de Conteúdo, identificando-se categorias neles recorrentes, organizadas em eixos temáticos: conhecimentos sobre o mundo; língua e poder; reconhecimento de desigualdades vividas; ilusão do real e identificação. Nas rodas, a leitura do mundo, as referências culturais e conhecimentos do grupo são acionados. Os resultados indicam que as características do conto e a estratégia de mediação favoreceram o engajamento dos jovens no processo de construção de sentidos, em que acionaram conhecimentos prévios, vivenciaram catarses e elaboraram reflexões crítica. A experiência corroborou a hipótese de que a aproximação com as vivências dos participantes estimularia a interação com o texto e reafirmou a relevância da adoção de perspectivas críticas e colaborativas na democratização da leitura literária com pessoas em vulnerabilidade social. Palavras-chave: Democratização da Leitura. Literatura. Justiça Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcia Lisbôa Costa de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Centro de Estudos Sociais - Universidade de Coimbra

Professora adjunta do Departamento de Letras da FFP/UERJ, Docente do PROFLETRAS - FFP/UERJ, do PPLIN-FFP/UERJ e do PPGEDUFFP/UERJ.  Bolsista do Programa PROCIÊNCIA UERJ. Desenvolve investigação de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, sob supervisão do Professor Doutor Boaventura de Souza Santos.

Karina Rivelli Gonçalves Lima, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em Letras/Literaturas pela Faculdade de Formação de Professores da UERJ. Durante a graduação atuou como bolsista da Extensão e Iniciação Científica no projeto Letrajovem. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística – FFP/UERJ com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.

 

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes, [1979].

BOSI, A. Literatura e resistência. São Paulo, Companhia das Letras, 2002.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: CANDIDO, A. Vários escritos. 5. Ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011. pp. 171-193.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra , 2013.

ISER, W. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: LIMA, L. C. (org.) Teoria da Literatura em suas fontes. 2. ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1984. v.2.

GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. 8. ed. São Paulo, Ática, 2003.

G1. Conheça a história dos 'rolezinhos' em São Paulo. São Paulo: G1, 2014. Disponível em: https://g1.globo.com/sao paulo/noticia/2014/01/conheca-historia-dos-rolezinhos-em-sao-paulo.html Acesso em 20 ago. 2022.

JANKS, H. Domination, access, diversity and design: a synthesis model for for critical litearcy education. Educational Review. Londres. V. 52, N. 2, p. 175-186, Jun. 2000. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/713664035 Acesso em: jun. 2017.

JANKS, H. Panorama sobre letramento crítico. In: JESUS, D. M.; CARBONIERI, D. (Org.) Práticas de multiletramentos e Letramento Crítico: outros sentidos para a sala de aula de línguas. São Paulo: Pontes, 2016. p.57-80.

JOUVE, Vincent. A leitura. Tradução Brigitte Hervot. – São Paulo: Editora UNESP, 2002.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. 12. Ed. rev. E ampl. São Paulo: Cultrix, 2013.

NERIS, M. S. M.; SILVA, A. C. Relatório Nacional da Pesquisa de Medida Socioeducativa em Meio Aberto. Brasília: Ministério de Desenvolvimento Social, 2019.

PILLER, I. Language and Social Justice. In: STANLAW, J. M. (Ed.) The international encyclopedia of linguistic anthropology. Hoboken, NJ, USA: Wiley-Blackwell, Wiley, 2021. Pp 1-7. Disponível em: https://www.languageonthemove.com/wp content/uploads/2021/01/Piller_Language_SocialJustice.pdf Acesso em 17 out. 2022.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo; para uma nova cultura política. 4. Ed. atualizada e ampliada. Belo Horizonte: Autêntica, 2022.

TODOROV, T. A literatura em perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

TRIPP, D. H. Socially |Critical Action Research. Theory Into Practice. London, v. 29, n. 3, p.158-166, jul. 1990. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00405849009543449 Acesso em 10 mai. 2020.

TRIPP, D. H. Critical theory and educational research. Issues In Educational Research. Perth (Au), v. 2, n.1, pp.13-23, set. 1992. Disponível em: http://education.curtin.edu.au/iier/iier2/tripp.html Acesso em 10 mai. 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-28

Como Citar

Oliveira, M. L. C. de ., & Lima, K. R. G. . (2022). “FALA DA GENTE, SABE?”: cenas de leitura do conto “Rolézim”, de Geovani Martins, com jovens em vulnerabilidade social : . Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 10(1). https://doi.org/10.34024/olhares.2022.v10.14505