ENSINO DE ESPANHOL EM MUNICÍPIOS DE FRONTEIRA ENTRE BRASIL E ARGENTINA, EDUCAÇÃO INTERCULTURAL BILÍNGUE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2022.v10.12888

Palavras-chave:

Língua Espanhola, Política Linguística, Educação Bilíngue

Resumo

O presente artigo é o recorte de uma dissertação de mestrado que pesquisou a oferta do ensino de Língua Espanhola nas escolas estaduais paranaenses, após a revogação da Lei 11.161/2005, com enfoque principal nas escolas municipais e estaduais paranaenses dos municípios que fazem linha de fronteira com a Argentina. A pesquisa se apoia em estudos de Ferrari (2011) Krause-Lemke (2010), Sturza (2006). Caracterizada como multimetodológica (CRESWELL; CLARK, 2007), teve como objetivo analisar se, nas escolas estaduais/municipais de linha de fronteira entre Paraná e Argentina, há, de fato, a implementação do ensino da língua espanhola. Para tanto, foram realizadas pesquisas dentro das Secretarias de Educação dos municípios de linha de fronteira e junto à Secretaria de Educação do Paraná (Seed). Com o estudo também demonstramos qual o espaço que a língua espanhola ocupa dentro das instituições de ensino paranaenses, após a revogação da Lei 11.161. Os resultados deste trabalho apontaram um declínio na oferta do espanhol dentro dos CELEMs das escolas estaduais paranaenses nos últimos cinco anos. Com relação às escolas dos municípios de linha de fronteira, a língua inglesa sobrepõe a espanhola, para ser ensinada sob a justificativa de sua hegemonia. Concluímos que, em regiões de fronteira, o aprendizado da língua espanhola seria imprescindível, uma vez que nossos alunos têm contato direto com a referida língua, porém, são tolhidos do seu aprendizado, devido à implementação de políticas educacionais restritivas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosangela Kuspiosz Calliari, Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro

Doutoranda e mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO.

 

Cibele Krause Lemke, Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro

Doutora em Educação pela USP (2010). Pós-Doutorado em Línguas Estrangeiras Modernas na Universidade de Southampton (2019).  Docente do Curso de Letras e dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Letras da Unicentro.

Referências

ALBUQUERQUE, José Lindomar C. A dinâmica das fronteiras: os brasiguaios na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. São Paulo: Annablume, 2010.

ANDRÉ, Marli E. D. A. de. Etnografia da prática escolar. 7. ed. Campinas: Papirus, 2002.

BUTLER, Y. G.; HAKUTA, K. Bilingualism And Second Language Acquisition. In: The

Handbook Of Bilingualism. 2004.

BLOOMFIELD, L. Language. London: Allen & Unwin, 1935.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 04 jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 03 jun. 2020.

BRASIL. Portaria Nº 343, de 17 de março de 2020. Disponível em: <https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376>. Acesso em: 01 jul. 2021.

BRASIL. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010, do MEC. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2021.

CALLEGARI, M. O. V. Reflexões sobre o modelo de aquisição de segundas línguas de Stephen Krashen – uma ponte entre a teoria e a prática em sala de aula.Trabalho em Linguística Aplicada. Campinas, SP, p. 87-101, jan./jul. 2006.

CRESWELL, John W.; CLARK, Vicki L. Plano. Pesquisa de Métodos Mistos. Tradução Magna França Lopes. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

DIAS, Leila C. FERRARI, Maristela. Territorialidades transfronteiriças na zona da fronteira seca internacional Brasil-Argentina. In: DIAS, Leila C.; FERRARI, Maristela. (Org.). Territorialidades Humanas e Redes Sociais. Florianópolis: Editora Insular, 2011. p.143–163.

FEIX, SilvaneDeila. Políticas Linguísticas e gestão de línguas em escolas interculturais de fronteira – Brasil / Argentina. 2018. 127 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Centro-Oeste, Irati, 2018.

FERRARI, Maristela. Interações transfronteiriças na zona de fronteira Brasil-Argentina. Tese de Doutorado. Florianópolis: UFSC, 2011. 445 p.

FERRARI, Maristela. 2014. As noções de fronteira em geografia. Revista Perspectiva Geográfica, V.9, N.10, UNIOESTE, 1-25.

Flory, Elizabete V. & Maria Thereza C. C. de Souza. Bilinguismo: diferentes definições, diversas implicações. Revista Intercâmbio, volume XIX: 23-40, 2009. São Paulo: LAEL/PUC-SP.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GROSJEAN, François. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Cambridge, MAss: Harvard University Press, 1982.

KRAUSE LEMKE, Cibele. Políticas e práticas linguísticas: um estudo sobre o ensino de língua espanhola em um contexto multilíngue no Paraná – Brasil. São Paulo: 2010. 236 p. Tese (Doutorado em Educação) – USP – São Paulo, 2002.

LIMA, E. F. F. O sistema educacional diferenciado como um direito humano e fundamental para as regiões de fronteira. Dissertação de Mestrado. Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados. 2018.

MACNAMARA, John. Bilingualism and primary education: a study of Irish experience. Edinburgh, Scotland: Edinburgh University Press; 1966.

MARTIN, André Roberto. Fronteiras e Nações. São Paulo: Contexto, 1997. Disponível em: <https://www.passeidireto.com/arquivo/23744319/martin-andre-roberto-fronteiras-e-nacoes>. Acesso em: 08 mai. 2020.

MORELLO, Rosângela; OLIVEIRA, G. M. A fronteira como recurso: o bilinguismo português-espanhol e o Projeto Escolas Interculturais Bilíngues de Fronteira do MERCOSUL (2005-2016). Revista Iberoamericana de Educación[(2019), v. 81 núm. 1, p. 53-74] - OEI/CAEU.

OLIVEIRA, G. M. SILVA, J. I. 2017. Quando barreiras linguísticas geram violação de direitos humanos: que políticas linguísticas o Estado brasileiro tem adotado para garantir o acesso dos imigrantes a serviços públicos básicos?Gragoatá. 42,22: 131-153. Rio de Janeiro. Disponível em: < https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33466/19453>. Acesso em: 25 jul. 2020.

PARANÁ. Departamento de Educação Básica. Diretrizes Curriculares de Língua Estrangeira Moderna para a Educação Básica. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação do Paraná, 2008. Disponível em: < http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_lem.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2020.

PARANÁ. Departamento de Educação Básica. Resolução nº 1.016, de 03 de abril de 2020. Disponível em: <https://www.educacao.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2020-05/resolucao_1016_060420.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2021.

SALGADO, A. C. P. Medidas de bilingualidade: uma proposta. In: SAVEDRA, M. M. G.; SALGADO, A. C. P. (orgs.). Sociolinguística no Brasil: uma contribuição aos estudos sobre línguas em/de contato. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009. p.141-162.

SPINASSÉ, K. P. Os conceitos Língua Materna, Segunda Línguae Língua Estrangeira e os falantes de línguasalóctones minoritárias no Sul do Brasil. Revista Contingentia, 2006, v. 1, nov. 2006, p. 01–10.

STURZA, E. R. Línguas de fronteiras e política de línguas: uma história das idéias linguísticas. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP: [s.n.], 2006.

TALLEI, Jorgelina. Ley 11.161 de enseñanza del español en Brasil y la MP 746. Jornalpensaraeducação, 2016. Disponívelem: <http://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/ley-11-161-de-ensenanza-del-espanol-en-brasil-y-la-mp-746-jorgelina-tallei/>. Acessoem: 17 jun. 2021.

TALLEI, Jorgelina. Pensando una pedagogía de fronteradesde la ciudad de Foz de Iguazú, Brasil. Revista MERCOSUR de políticassociales. 3, 156-164, diciembre 2019.

UNAMUNO, V. Bilingüismo y Educación Intercultural Bilingüe: miradas en cruce.In: UNAMUNO, V. ;MALDONADO, Á. Prácticas y repertorios plurilingües en Argentina. Bellaterra: GREIP, 2012.

WEINREICH, U. Lenguas en contacto: descubrimientos y problemas. Traducción: Francisco Rivera. The Hague: Mouton. Ediciones de la biblioteca Universidad Central de Venezuela, [1953]/1974.

Downloads

Publicado

2022-07-20 — Atualizado em 2022-07-21

Versões

Como Citar

Calliari, R. K. ., & Lemke, C. K. (2022). ENSINO DE ESPANHOL EM MUNICÍPIOS DE FRONTEIRA ENTRE BRASIL E ARGENTINA, EDUCAÇÃO INTERCULTURAL BILÍNGUE . Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 10(1). https://doi.org/10.34024/olhares.2022.v10.12888 (Original work published 20º de julho de 2022)