Estudantes jovens e adultos com deficiência e a prática docente na perspectiva freiriana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.12574

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Educação das Pessoas com Deficiência, Prática Docente

Resumo

O presente estudo traz como principal questionamento a maneira como professores da sala de aula regular constroem sua prática docente junto aos estudantes jovens e adultos com deficiência. Tem por objetivo analisar as narrativas dos professores sobre sua prática pedagógica, percepções e reflexões sobre a atuação junto a esses estudantes. Trata-se de um estudo de caso realizado em um Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) no município de São Paulo. Esse estudo contou com a participação de quatorze professores do ensino fundamental I e II. O instrumento utilizado para coleta de dados foi um questionário, e a análise dos dados foi estruturada a partir de ciclos de codificação. Os resultados apresentados indicaram que os professores: flexibilizaram o currículo por meio da reflexão sobre a sua própria prática; foram dialógicos no planejamento e na prática, valorizando os saberes dos educandos; e, finalmente, o fizeram de maneira colaborativa, construindo sua prática docente em parceria com outros professores e com os próprios estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Fontão Nogueira, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutoranda em Educação e mestra em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Professora de Atendimento Educacional Especializado no Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos Perus I, no município de São Paulo.

Juliane Aparecida de Paula Perez Campos, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutora e Mestre em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Professora da Universidade Federal de São Carlos, vinculada ao Departamento de Psicologia, atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação Especial e ao curso de Licenciatura em Educação Especial.

Referências

ARROYO, M. G. Passageiros da noite: do trabalho para a EJA: itinerários pelo direito a uma vida justa. Petrópolis: Vozes, 2017.

BEISIEGEL, C. R. A educação de jovens e adultos analfabetos no Brasil. Alfabetização e Cidadania. São Paulo, nº 16, p. 19-27, jul. 2003.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: versão atualizada até a Emenda n. 77/2014. Disponível em: http://goo.gl/HwJ1Q. Acesso em: 10 maio 2018.

______. Lei no 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão com Pessoa com Deficiência. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Brasília, 2015.

______. Parecer CEB, n° 2, de 10 de maio de 2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Acesso em: 07 jun. 2018.

______. Resolução CNE/CEB 3/2010. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de junho de 2010, Seção 1, p. 66.

______. Documento Nacional Preparatório à VI Conferência Internacional de Educação de Adultos, VI CONFINTEA. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade e Inclusão, 2016.

CONFERÊNCIA Mundial de Educação para Todos. Declaração Mundial de Educação para Todos. Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Brasília: UNICEF, 1990.

CRUZ, T. Dialogando com Paulo Freire: formação continuada de coordenadores (as) pedagógicos (as) na educação de jovens e adultos – EJA. Curitiba: Appris, 2018.

DI PIERRO, M. C. Centros públicos de educação de jovens e adultos no Estado de São Paulo. São Paulo: FE-USP, 2017.

FARIA, V. E. P. A trajetória do projeto CIEJA entre as políticas públicas de EJA na cidade de São Paulo. 2014. 157 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós- graduação em Educação. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

FRANCO, M. A. S. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, jul./set. 2015.

FREIRE, P. R. N. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018, 17ª ed.

_______. Educação na cidade. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

_______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

_______. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’Água, 1997.

_______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

_______. Cartas a Cristina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

_______; GUIMARÃES, S. Aprendendo com a própria história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

_______. A tragédia de ser ou não ser contemporâneo. 1986. Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/handle/7891/1129. Acesso em: 10 jan. 2020.

_______. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

_______. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967. Disponível em https://cpers.com.br/paulo-freire-17-livros-para-baixar-em-pdf/. Acesso em 15 jun. 2019.

GALVÃO, A. M.; DI PIERRO, M. C. A construção social do preconceito contra o analfabeto na história brasileira. Preconceito contra o analfabeto. São Paulo: Cortez, 2013, p. 31-54 (Coleção Preconceitos, vol. 2).

GLAT, R. & ANTUNES, K. C. V. Pesquisa em Educação Especial: reflexões sobre sujeitos, ética e metodologia. TAQUETTE, S. R.; CALDAS, C. P. (Orgs.). Ética e pesquisa com populações vulneráveis. Rio de Janeiro: Eduerj, p. 267-292, 2012.

HAAS, C. Educação de jovens e adultos e Educação Especial: a (re)invenção da articulação necessária entre as áreas. Educação. Santa Maria, v. 40, n. 2, p. 347-360, maio/ago. 2015.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 108-130, mai./jun./jul./ago. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a07.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 02 jan. 2020.

OLIVEIRA, I. A.; SANTOS, T. R. L. Educação Especial de jovens e adultos: um olhar para o atendimento educacional em escolas especializadas. Anped 38º Reunião Nacional, GT15 – Educação Especial – Trabalho 321, São Luís, MA, 2017.

OLIVEIRA, A. R. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

PAGNEZ, K. S. M. M.; PRIETO, R. G. Atendimento Educacional Especializado em São Paulo. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, n. 1, p. 201– 206, 2016.

SALDAÑA, Johnny. The coding manual for qualitative researchers. London: Sage, 2016.

SÃO PAULO-SP. Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Educação de Jovens e Adultos. Educação de Jovens e Adultos: princípios e práticas. São Paulo: SME / DOT, 2016.

______. Portaria nº 8764 de 23 de dezembro de 2016.

SIEMS, M. E. R. Educação de jovens e adultos com deficiência: saberes e caminhos em construção. Educ. foco. Juiz de Fora, v. 16, n. 2, p. 61-79, set. 2011/fev. 2012. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2012/08/Texton-031.pdf. Acesso em: 29 ago. 2018.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

Nogueira, M. F., & Campos, J. A. de P. P. (2021). Estudantes jovens e adultos com deficiência e a prática docente na perspectiva freiriana. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 9(3). https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.12574