A escola e os movimentos sociais: experiências freireanas na educação fundamental

Autores

  • Edilson da Silva Cruz Universidade Federal de São Paulo - Unifesp
  • Alexandre César Gilsogamo Gomes de Oliveira Universidade de São Paulo - USP

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.12474

Palavras-chave:

Movimentos Sociais e Educação, Diálogo, Conscientização

Resumo

Este artigo descreve o projeto “Nós fazemos a História: a escola e os movimentos sociais”, realizado em uma escola municipal de São Paulo entre 2019 e 2020, e o analisa a partir do referencial teórico de Paulo Freire, em especial os conceitos de dialogicidade, problematização e conscientização. O projeto consistiu em receber na escola ativistas de movimentos sociais e populares que militam em diferentes causas (terra, trabalho, direitos de mulheres, povos indígenas, LGBTs, negra etc.) para rodas de diálogo com os estudantes. Tomando como referência as falas dos envolvidos, compiladas em documentário elaborado a respeito, buscamos responder as seguintes questões: em que ambiente escolar idealizou-se o projeto? Como o conhecimento foi construído ao longo do percurso? Quais os resultados alcançados segundo os sujeitos envolvidos? Concluímos que, além de promover aprendizagens significativas, o projeto foi construído a partir da dialogicidade, permitiu a problematização da realidade e despertou consciência crítica, criatividade e capacidade de intervenção no mundo por parte dos educandos. O arcabouço teórico freireano, mobilizado para compreender esta prática escolar, mostra-se pertinente como ferramenta para compreender os processos de transformação e aprimorá-los na escola, contribuindo para construir uma escola pública democrática e emancipatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilson da Silva Cruz, Universidade Federal de São Paulo - Unifesp

Doutorando em Educação (UNIFESP); Mestre em Educação (USP). Educador da rede pública paulistana, atualmente ocupa o cargo/função de Diretor de Escola na EMEF Virgílio de Mello Franco.

 

Alexandre César Gilsogamo Gomes de Oliveira, Universidade de São Paulo - USP

Doutor em Educação (USP); Mestre em Filosofia (USP). Educador da rede pública paulistana, atualmente ocupa o cargo/função de Coordenador Pedagógico na EMEF Mururés. É cofundador do Coletivo Leste Negra.

Referências

BENEVIDES, Maria Vitória. Cidadania e democracia. Lua Nova, n. 33, p. 1-16, ago. 1994. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ln/n33/a02n33.pdf. Acesso em: 27 jun. 2021.

BOUFLEUER, José Pedro. Gnosiológica (situação). In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 199-200.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Círculo de Cultura. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 69-70.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: Ministério da Educação, 2018.

COSTA, Camila. ‘Brasil nunca aplicou Paulo Freire’, diz pesquisador. BBC News, São Paulo, jul. 2015. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150719_entrevista_romao_paulofreire_cc. Acesso em: 27 jun. 2021.

FISCHER, Nilton Bueno. Movimentos sociais e educação: uma reflexividade instituinte. In: HYPÓLITO, Álvaro Moreira; GANDIN, Luís Armando. Educação em tempos de incertezas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2011a.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2011b.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra, 2011c.

FREITAS, Ana Lucia Souza de. Conscientização. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 88-89.

GENTILI, Pablo. A falsificação do consenso. Simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. 3. ed. São Paulo: Vozes, 2002.

GOHN, M. G. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 2001.

MEDEIROS, Lucineide Barros; STRECK, Danilo; ZITKOSKI, Jaime José. Movimentos Sociais/Movimento Popular. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 274-276.

MUHL, Eldon Henrique. Problematização. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 328-330.

PARO, Vitor. Crítica da estrutura da escola. São Paulo: Cortez, 2016.

RODRIGUES, Cibele Maria Lima. Movimentos Sociais (no Brasil): conceitos e práticas. Sinais – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n. 9, p. 144-166, jun. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/sinais/issue/view/240. Acesso em: 27 jun. 2021.

SÃO PAULO. Currículo da Cidade. Ensino Fundamental: História. São Paulo: SME/Coped, 2017.

SACRISTÁN, José Gimeno (org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SAUL, Ana Maria. Currículo. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p.109-110.

ZITKOSKI, Jaime José. Diálogo/Dialogicidade. In: STRECK, Danilo; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 117-118.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Como Citar

Cruz, E. da S., & Oliveira, A. C. G. G. de . (2021). A escola e os movimentos sociais: experiências freireanas na educação fundamental. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 9(3). https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.12474