Socioeducação

Desafios e brechas à justiça social

  • Willian Lazaretti da Conceição Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará
  • Joana Darc Teixeira Faculdades Integradas de Bauru
  • Rafael Garcia Campos SENAC-SP
Palavras-chave: Justiça Social, Medida Socioeducativa, Educação

Resumo

A presente pesquisa foi realizada com jovens em situação de restrição e privação de liberdade e tem como objetivo apresentar as práticas sociais e como os processos educativos podem ser aproximados da educação em direitos humanos e direcionados à uma formação para a justiça social. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, que utilizou como técnica a análise documental e a entrevista semiestruturada, que foi realizada com a colaboração de seis adolescentes que cumpriam medida socioeducativa de internação na Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente – Fundação CASA. Ao analisarmos as práticas sociais relacionadas à educação escolar, educação profissional, educação física e esportes, arte e cultura, foi possível evidenciarmos o cotidiano de uma instituição total, mas que apresenta lacunas para o estabelecimento de processos educativos, que ora são autogeridos pelos jovens à medida que refletem sobre as ações de opressão da instituição, ora pelas relações interpessoais com os ‘Outros’ nas relações que se buscam ser dialógicas.

Métricas

Carregando métricas...

Biografia do Autor

Willian Lazaretti da Conceição, Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará

Professor Adjunto no Instituto de Ciências da Educação na Universidade Federal do Pará. Pós-doutorando no Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais - CICS na Universidade Nova de Lisboa. Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP/Brasil. Atualmente é líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Justiça Social- EduJuS/UFPA, participa do Grupo Autônomo de Estudos em Educação Física escolar - Professores Pesquisadores e do Núcleo de Investigação e Práticas em Educação nos Espaços de Restrição e Privação de Liberdade - EduCárceres/UFSCar. Tem experiência nos seguintes temas: formação de professores, estágio supervisionado, educação física escolar, educação de jovens em privação e restrição de liberdade, história oral.

Joana Darc Teixeira, Faculdades Integradas de Bauru

Professora das Faculdades Integradas de Bauru. Doutora em Ciências Sociais - Pensamento Social e Políticas Públicas - Unesp/Marília. Mestre em Educação, pelo Programa de Pós- graduação da Universidade Federal de São Carlos. Possui graduação em Pedagogia - Unesp/Marília. Atua nas seguintes áreas de pesquisa: Sociologia da Juventude, Políticas Públicas e Instituições; Práticas de Ensino e Processos Educativos (em diferentes
contextos), Pensamento social e Políticas Públicas, Violência e Encarceramento. É colaboradora e pesquisadora do Observatório de Segurança Pública (OSP), Grupo de Estudos em Segurança Pública (GESP), Grupo de Estudos da Condição Juvenil (GEJUVE) e Núcleo de Investigação e Práticas em educação nos espaços de restrição e privação de liberdade - UFSCar - EduCárceres/UFSCar.

Rafael Garcia Campos, SENAC-SP

Coordenador de Projetos Educacionais em Gerência de Operações na sede do SENAC São Paulo com vasta experiência em Gestão Pedagógica e Administração Escolar. Pesquisador no Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Justiça Social- EduJuS/UFPA, enfocando as medidas de proteção e socioeducativas. Professor Universitário no Programa de Pós-graduação na Faculdade Galileu em Botucatu/SP.

Referências

AUGUSTO, Acácio. Política e Polícia. Cuidados, controles e penalizações de jovens. Rio de Janeiro: Editora Lamparina, 2013.

BRASIL. Lei n.o 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências.

BRASIL. Lei no 12.594, de 18 de Janeiro de 2012. Esta Lei institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) e regulamenta a execução das medidas destinadas a adolescente que pratique ato infracional.

BRASIL. Levantamento anual SINASE 2016. Brasília: Ministério dos Direitos Humanos (MDH), 2018.

BRASIL. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE/ Secretaria Especial de Direitos Humanos. Brasília: CONANDA, 2006.

CAMPOS, Rafael G. Auto-organização na construção de projeto de vida pelo adolescente em ressocialização. 99f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva). Botucatu - SP: Universidade Estadual Paulista, 2017.

CONCEIÇÃO, Willian L. Lazer e adolescentes em privação de liberdade: um diálogo possível? 145f. Dissertação (Mestrado em Educação). São Paulo: Universidade Federal de São Carlos, 2012.

CONCEIÇÃO, Willian L. Escola e privação de liberdade: um diálogo em construção. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, v. 02 (9), p.72 – 88, 2013.

CONCEIÇÃO, Willian L.; ONOFRE, Elenice M. C. Adolescentes em privação de liberdade: as práticas de lazer e seus processos educativos. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v. 11, n. 2, p. 7, 2013.

CONCEIÇÃO, Willian L. Planejar a educação física entre grades e muros: uma experiência dialógica com jovens em conflitos com a lei. In: VENÂNCIO, Luciana et al. Educação física no ensino fundamental II: saberes e experiências educativas de professores(as)- pesquisadores(as). Curitiba: CRV, p. 207-218, 2017a.

CONCEIÇÃO, Willian L. da. Histórias de vidas que se unem: a professora, o professor e os [elos com os] jovens infratores. 136f. Tese (Doutorado em Educação). Campinas - SP: Universidade Estadual de Campinas, 2017b.

CORREIA, Walter R. Educação Física no Ensino Médio: questões impertinentes. 1. ed. São Paulo: Plêiade. v. 1, 2009.

CORREIA, Walter R. Planejamento participativo e o ensino de Educação Física no 2o grau. Rev. Pauli. de Educ. Fís, Supl.2, p.43–48, 1996.

COSTA, Antonio C. G. As bases éticas da ação socioeducativa: referenciais normativos e princípios norteadores. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2006.

FIORI, Ernani M. Conscientização e educação. Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS. 11(1). JAN. JUN. 1986. p.3-10.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001a.FREIRE, Paulo. Política e Educação: Ensaios. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2001b. (Coleção Questões da Nossa Época; v. 23).

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001. (Coleção Debates).

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 19, p. 20 – 28, abril, 2002.

LIMA, Cauê N. O fim da era Febem: novas perspectivas para o atendimento socioeducativo no Estado de São Paulo. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação), São Paulo, Faculdade de Educação da USP.LIMA, Rita de Cássia P. Mudança das práticas socioeducativas na FEBEM/SP: as representações sociais de funcionários. Psicologia e Sociedade, São Paulo, v.18, n.1, p.56-62, jan./abr. 2006.

MAIA, Maria C. G. A Produção do Discurso Jornalístico sobre o ‘Adolescente em Conflito com a Lei’: Jovem ou Menor?’. Cadernos de Letras da UFF, v. 28, 2003.

MOREIRA, Fábio M. Cadeias dominadas: Dinâmica de uma instituição em trajetórias de jovens detentos.186f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PAIS, José M. Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro. Machado. Porto: Ambar, 2005.

PASSETI, Edson. O que é menor? 2a Ed. Brasília: Brasiliense, 1986.

SANCHES NETO, Luiz; et al. Demandas ambientais na educação física escolar: perspectivas de adaptação e de transformação. Movimento, p. 309-330, 2013.

SÃO PAULO/FUNDAÇÃO CASA. Educação e Medida socioeducativa: Conceito, Diretrizes e Procedimentos. Superintendência Pedagógica. São Paulo: 2010.

SÃO PAULO/FUNDAÇÃO CASA, Portaria Normativa n.o 217/2011. Institui, no âmbito da Fundação o novo Regimento Interno das Unidades de Atendimento de Internação e de Semiliberdade da Fundação CASA-SP.

SCHENKER, Katarina et al. Conceptualising social justice – what constitutes pedagogies for social justice in HPE across different contexts? Curriculum Studies in Health and Physical Education, 10:2, 126-140, 2019.

TEIXEIRA, Joana D. A escolarização de jovens autores de atos infracionais: Reflexões dos processos e mecanismos de exclusão e inclusão escolar. In: 32a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – ANPEd, 2009, Caxambu, MG. Disponivel em Http://32reuniao.Anped.Org.Br/Arquivos/Trabalhos/GT14- 5721--Int.Pdf. Acesso em jun. 2020.

TEIXEIRA, Joana D. O Sistema Socio-Educativo de internação para jovens autores de ato infracional do Estado de São Paulo. 178f. Dissertação (Mestrado em Educação). São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2009.

TEIXEIRA, Joana D. Sistema socioeducativo em questão: as tensas relações entre o punitivo e o socioeducativo. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade. v.1, p.223-254, 2015.

TEIXEIRA, Joana D. Do Perigo ao risco. A gestão do controle da juventude no sistema socioeducativo de São Paulo. São Paulo: Cultura acadêmica, 2017.

VENÂNCIO, Luciana. Planejamento participativo em educação física escolar: um contexto situado de relações com os saberes e corresponsabilidades. In: VENÂNCIO, Luciana et al.Educação física no ensino fundamental II: saberes e experiências educativas de professores(as)-pesquisadores(as). Curitiba: CRV, 2017, p. 65-96.

Publicado
2020-08-09
Como Citar
Conceição, W. L. da, Teixeira, J. D., & Campos, R. G. (2020). Socioeducação. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 8(2), 102-121. https://doi.org/10.34024/olhares.2020.v8.10625