ART Provincializar a Bildung, Assombrar a História

Autores

  • Maya Moldes Universidade Federal do Rio de Janeiro - PPGHIS-UFRJ

Palavras-chave:

Paulina Chiziane, Bildungsroman, Decolonial

Resumo

As discussões sobre decolonialidade são expoentes em diversas áreas das ciências sociais e da literatura. O que essa vasta novidade teórica significa para aquilo que já se considera consolidado, como o conceito de Bildungsroman? Novidade essa, que seja feita a ressalva, nas universidades; mas algumas dessas epistemologias carregam saberes tão antigos quanto Homero é para o Ocidente. Walter Benjamin (2006, p. 945) diz que “o movimento vital da moda” consiste em “transformar poucas coisas”. Neste ensaio, iremos concordar com a desconfiança benjaminiana acerca dos assuntos da moda e tentar alargar o potencial de transformação das teorias decoloniais: a partir da leitura de “Balada de amor ao vento”, de Paulina Chiziane, tomado como objeto sob a luz do conceito de romance de formação, buscarei propor como a teoria da história presente no livro pode iluminar questões sobre a historiografia ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ballestrin, L. (2012). América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, (11), 89-117. https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004

Benjamin, W. (2006). Passagens. Editora UFMG; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Benjamin, W. (2012). Obras escolhidas: Vol. 1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. Brasiliense.

Chakrabarty, D. (2000). Provincializing Europe: postcolonial thought and historical difference. Princeton University Press.

Chiziane, P. (2003). Balada de amor ao vento. Caminho.

Kütter, C. A. (2018, janeiro/junho). Bildungsroman feminino: uma leitura de balada de amor ao vento, de Paulina Chiziane. Literatura e Sociedade, (27), 196-216. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i27p196-216

Maas, W. P. (2000). O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. Editora Unesp.

Mazzari, M. V. (2020). Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister “um magnífico arco-íris” na história do romance. In: M. V. Mazzari & M. C. Marks. Romance de formação: caminhos e descaminhos do herói (pp. 21-42). Ateliê Moretti, F. (2020). Romance de formação. Todavia.

Pereira, A. C. B. (2018, abril/junho). Precisamos falar sobre o lugar epistêmico na Teoria da História. Tempo e Argumento, 10(24), 88-114. https://doi.org/10.5965/2175180310242018088

Santos, B. S. (2007, novembro). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos, (79), 71-94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004

Santos, P. A. C., Nicodemo, T. L., & Pereira, M. H. F. (2017, janeiro/abril). Historiografias periféricas em perspectiva global ou transnacional: eurocentrismo em questão. Estudos Históricos, 30(60), 161-186. https://doi.org/10.1590/S2178-

Subrahmanyam, S. (2017, janeiro/abril). Em busca das origens da história global. Estudos Históricos, 30(60), 219-240. https://doi.org/10.1590/S2178-1492017000100012

Seth, S. (2013, abril). Razão ou raciocínio? Clio ou Shiva? História da Historiografia, (11), 173-189. https://doi.org/10.15848/hh.v0i11.554

Weinstein, B. (2003). História sem causa? A nova história cultural, a grande narrativa e o dilema pós-colonial. História, 22(2), 85-210. https://doi.org/10.1590/S0101-9074200300020001

Downloads

Publicado

2024-01-30

Como Citar

Moldes, M. (2024). ART Provincializar a Bildung, Assombrar a História. Imagem: Revista De Hist´ória Da Arte, 3(2), 348–363. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/img/article/view/16262
Recebido: 2024-01-30
Publicado: 2024-01-30