ART De Darwin, por Carlyle, até à Ninfa

Autores

  • Isabela Gaglianone Universidade de São Paulo – FFLCH/USP

Palavras-chave:

Memória, Dinamograma, Símbolo

Resumo

Partindo de um fragmento de Warburg escrito em 1901 – “De Darwin via Fillipino a Botticelli / por Carlyle e Vischer até às festas e os Índios, / e por Tornabuoni e Ghirlandaio de novo / até à ninfa” –, o presente artigo pretende mostrar como a investigação warburguiana sobre a memória inscrita nas imagens promove articulação biológico-linguística. Quando Warburg afirma que a arte vem da vida, trata-se de uma referência tanto ao sentido sociológico e cultural, quanto ao sentido psicofisiológico e biológico, polissemia que caracteriza o darwinismo sociológico de Warburg, sua história intelectual à luz de Darwin. Buscaremos evidenciar que uma das grandes consequências dessa articulação conceitual encontra-se no estabelecimento da teoria da memória warburguiana, que tem em Mnemosyne seu âmago teórico e seu lugar de experimentação científica; que essa articulação embasa a compreensão warburguiana da memória como herança (cultural) e hereditariedade (genética) a um só tempo, desempenhando uma dupla função, de despertar reações patéticas originais (sobretudo fóbicas) e de projetar simultaneamente reações de conceitualização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (2006). A linguagem e a morte: um seminário sobre o lugar da negatividade. Editora UFMG.

Bonneau, L. (2015). “Glossaire”. In A. Warburg. Fragments sur l’expression (S. Zillberfard, Trad.). L’écarquillé.

Caliandro, S. (2004). Empathie et esthésie: un retour aux origines esthétiques. Revue Française de Psychanalyse, 68(3), 791-800. https://www.cairn.info/revue-francaise-de-psychanalyse-2004-3-page-791.htm#re5no5

Darwin, C. (2018). A expressão das emoções nos homens e nos animais (L. S. L. Garcia, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1872)

Didi-Huberman, G. (2013). A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg (V. Ribeiro, Trad.). Contraponto.

Dupont, J.-C. (2004). Neurosciences et mémoire. [sens public]. http://sens--public.org/articles/76

Gaglianone, I. V. (2022). O olhar filológico de Warburg e a “aplicação da ideia de Vico”. Rapsódia, 1(16), 80-109. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i16p80-109

Ghelardi, M. (2016). Aby Warburg et la “lutte pour le style” (J. Nicolas, Trad.). L’écarquillé.

Ginzburg, C. (2014). Medo, reverência, terror: quatro ensaios de iconografia política (F. Carotti, J. A. A. Melo, & J. C. Guimarães, Trads.). Companhia das Letras.

Gombrich, E. (1970). Aby Warburg: an intellectual biography. The Warburg Institute.

Knape, J. (2008). Les formules du pathos selon Aby M. Warburg. Revue Littérature, (149), 56-72. https://www.cairn.info/revue-litterature-2008-1-page-56.htm

Pavese, C. (2001). Diálogos com Leucó. Cosac Naify.

Pinotti, A. (2004). Materia è memoria. In: B. C. Guidi, M. Forti, & M. Pallotto (Orgs.), Lo sguardo di Giano: Aby Warburg fra tempo e memoria. Aragno.

Recht, R. (2012). L’atlas mnemosyne d’Aby Warburg. In A. Warburg. L’atlas mnemosyne (S. Zilberfarb, Trad.). L’écarquillé.

Romandini, F. L. (2014). Eternidade, espectralidade, ontologia: por uma estética transobjetual. Devires, 11(1), 154-185. https://bib44.fafich.ufmg.br/devires/index.php/Devires/article/view/150

Saxl, F. (2018). Plano da edição das Obras completas. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1932)

Semon, R. (2011). A Mneme (G. F. Santos, Trad.). (Trabalho original publicado em 1921)

Suzuki, M. (2011). A anatomia comparada em literatura. In H. Heine. Os deuses no exílio (H. Herbold, M. Kawano, M. Suzuki, R. R. Torres Filho, & S. Titan Jr., Trads.) Iluminuras.

Warburg, A. (2013a). O “Nascimento de Vênus” e “A primavera” de Sandro Botticelli. In A. Warburg. A renovação da Antiguidade pagã: contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu (M. Hediger, Trad.). Contraponto. (Trabalho original publicado em 1893)

Warburg, A. (2013b). Sobre as imprese amorose nas gravuras florentinas mais antigas. In A. Warburg. A renovação da Antiguidade pagã: contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu (M. Hediger, Trad.). Contraponto. (Trabalho original publicado em 1905)

Warburg, A. (2015a). Fragments sur l’expression (S. Zilberfarb, Trad.). L’écarquillé.

Warburg, A. (2015b). Dürer e a Antiguidade italiana. In: A. Warburg. Histórias de fantasma para gente grande: escritos, esboços e conferências (L. B. Bárbara, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1905)

Warburg, A. (2015c). Arte italiana e astrologia internacional no Palazzo Schifanoia em Ferrara. In A. Warburg. Histórias de fantasma para gente grande: escritos, esboços e conferências (L. B. Bárbara, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1912)

Warburg, A. (2015d). A profecia da Antiguidade pagã em texto e imagem nos tempos de Lutero. In A. Warburg. Histórias de fantasma para gente grande: escritos, esboços e conferências (L. B. Bárbara, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1920)

Warburg, A. (2015e). Memórias da viagem à região dos índios Pueblos na América do Norte. In A. Warburg. Histórias de fantasma para gente grande: escritos, esboços e conferências (L. B. Bárbara, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1923)

Warburg, A. (2018a). A ninfa: uma troca de cartas entre André Jolles e Aby Warburg. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1900)

Warburg, A. (2018b). O ingresso do estilo ideal antiquizante na pintura do primeiro Renascimento. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1914)

Warburg, A. (2018c). De arsenal a laboratório. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1927)

Warburg, A. (2018d). Mnemosyne. O atlas das imagens: introdução. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1929)

Warburg, A. (2018e). O antigo romano na oficina de Ghirlandaio. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1929)

Wind, E. (2018a). O conceito de Warburg de Kulturwissenschaft e sua significação para a estética. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1930)

Wind, E. (2018b). Sobre uma recente biografia de Warburg. In A. Warburg. A presença do Antigo – escritos inéditos (C. Fernandes, Trad., Vol. I). Editora da Unicamp. (Trabalho original publicado em 1971)

Woldt, I. (2014). The operating principle of picture series: Aby Warburg’s theory of the function of image memory and the Renaissance Festival’s pictures. Ikon – Journal of Iconographic Studies, 7, 33-48. https://doi.org/10.1484/J.

IKON.5.102962

Woldt, I. (2018). Ur-Words of the affective language of gestures: the hermeneutics of body movement in Aby Warburg. Interfaces, 40, 133-157. https://doi.org/10.4000/interfaces.605

Downloads

Publicado

2024-01-30

Como Citar

Gaglianone, I. (2024). ART De Darwin, por Carlyle, até à Ninfa. Imagem: Revista De Hist´ória Da Arte, 3(2), 196–220. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/img/article/view/16252
Recebido: 2024-01-30
Publicado: 2024-01-30