ART: GUTIERREZ DE LOS RIOS E O ELOGIO DA PINTURA DE PHILIPE NUNES

Autores

  • Raquel Quinet Pifano Professora de História da Arte do Departamento de Artes e Design do Ins- tituto de Artes e Design da UFJF e do Programa de Pós-graduação em Artes, Cultura e Linguagens do IAD/UFJF.

Palavras-chave:

História da Arte, História, Arte

Resumo

O artigo visa refletir sobre o pensamento artístico lusitano do século XVII a partir do tratado de pintura de Philipe Nunes. Predomina em tal tratado o tom da defesa da liberalidade da pintura, denunciando o estatuto social da pintura em Portugal da época. Identifica-se o tratado do espanhol Gutierrez de los Rios como modelo teórico para Nunes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alberti, L. B. (1992). Da Pintura. Campinas: Ed. da UNICAMP.

Bluteau, R. (1712). Vocabulario portuguez, e latino, aulico, anatomico, architetonico, bellico, botanico...: autorizado com exemplos dos melhores escritores portuguezes, e latinos e offerecido a El Rey de Portugal, D. João V pelo padre D. Raphael Bluteau, clérigo regular, doutor na Sagrada Theologia, pregador da Raynha da Inglaterra, Henriqueta Maria de França, & calificador no sagrado tribunal da santa inquisição de Lisboa (Volume 5, p. 191). Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus.

Hansen, J. A (1997, 1o semestre). Ut Pictura Poesis e Verossimilhança na Doutrina do Conceito no Século XVII Colonial. Revista de Crítica Literária Latino Americana, 45, 171-191.

Hanses, J. A. (2001). Artes Seiscentistas e teologia política. Em P. Tirapeli. (Org.). Arte Sacra Colonial: Barroco Memória Viva. São Paulo: Editora UNESP, Imprensa Oficial do Estado.

Machado, D. B. (1747). Bibliotheca Lusitana (Tomo II, p. 68). Lisboa: Oficina de Antonio Isidoro da Fonseca. Recuperado de: http://bndigital.bn.br/projetos/200anos/diogoBarbosa.html

Morais, R. N. G. (2014). A compreensão de Filipe Nunes acerca da pintura e dos seus elementos técnico-científicos no tratado Arte da Pintura, Symetria e Perspectiva, Lisboa, 1615 (Dissertação de Mestrado). Belo Horizonte, PPG-História/UFMG.

Nunes, P. (1982). Arte da Pintura. Symmetria, e Perspectiva. Porto: Editorial Paisagem. (Publicação original de 1615).

Panofsky, E. (1994). Idea: a evolução do conceito de belo. São Paulo: Martins Fontes. (Coleção Tópicos).

Rios, G. G. (1600). Noticia Geral para a estima das artes, e da maneira como se conhecem as liberais das que são mecânicas e servis, com uma exortação à honra da virtude e do trabalho contra os ociosos, e outras particularidades para as pessoas de todos estados (p. 187). Madrid: Pedro Madrigal.

Serrão, V. (1983). O Maneirismo e o Estatuto Social dos Pintores Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda. Serrâo, V. (2011). Tratados de pintura, iluminura e caligrafia no Maneirismo português entre Giraldo Fernandes de Prado (1561) e o anônimo autor de "Breve taractado de iluminaçam” (1635). Em R. Moreira, A. D. Rodrigues. (Org.). Tratados de Arte em Portugal. Lisboa: Scribe.

Serraller, F. C. (1991). Teoría de la Pintura del Siglo de Oro (p. 62). Madrid: Cátedra.

Ventura, L. Estudo Introdutório. Em P. Nunes. Arte da Pintura. Symmetria e perspectiva. Porto: Paisagem. (Publicação original de 1615).

Villela, J. S. (1982). Francisco de Holanda – vida, pensamento e obra. Lisboa: Ministério da Educação e das Universidades/Instituto de Cultura e Língua Portuguesa. 1982. (Série Artes Visuais).

Downloads

Publicado

2022-08-16

Como Citar

Quinet Pifano, R. . (2022). ART: GUTIERREZ DE LOS RIOS E O ELOGIO DA PINTURA DE PHILIPE NUNES. Imagem: Revista De Hist´ória Da Arte, 1(1). Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/img/article/view/14179
Recebido: 2022-08-11
Publicado: 2022-08-16

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.