Desafios de Educação Ambiental na perspectiva de técnicos do Parque da Cidade Dom Nivaldo do Monte em Natal (RN)

  • Deborah Coutinho Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Sueli Aparecida Moreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Luiz Sodré Neto Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB
  • Fábio de Oliveira Matos Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE
  • Magdi Ahamed Ibrahim Aloufa Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
Palavras-chave: Parque Urbano, Unidade de Conservação, Meio Ambiente Urbano

Resumo

Desenvolveu-se o presente estudo com o objetivo de obter a perspectiva de educação ambiental adotadas pelos técnicos do Parque da Cidade, Natal-RN. Trata-se de estudo de natureza qualitativa e exploratória com a aplicação de instrumento semiestruturado com 11 técnicos. A categorização dos dados mostrou que as atividades desenvolvidas no Parque atende um perfil de usuário diversificado. A perspectiva de educação ambiental dos técnicos apresenta-se generalista e conservadora. Os maiores desafios decorrem da complexidade da gestão pública.

Referências

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação. Tradução: Maria João Alvarez; Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto – PT: Porto Editora, 2006.

BRASIL. Lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2000.

CAPRA, F. A Teia da Vida. São Paulo: Cultrix/Amana Key, 1996.

CAPRA, F. As conexões ocultas. São Paulo: Cultrix, 2003.

CERATI, T. M.; SOUZA, A.Q. Educação Ambiental e Percepção: O Caso do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, Brasil. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v.23, p.232-250, 2009.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPAUB - Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – USP/Hucitec, 2001.

GADOTTI, M. A questão da Educação formal/não-formal. In: Institut International des Droits de l‟enfant (ide) Droit à l ‟éducation:solution à tous les problèmes ou problème sans solution?Sion, Suiça,18 a 22 outubro 2005.

GOMES, M. A. S. Urban parks, global politics sustainable development. Mercator, [s.l.], v. 13, n. 2, p.79-90, 26 set. 2014.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental Crítica. In: LAYRARGUES, P. P. (Coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

JACOBI, P. R. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação & Pesquisa, São Paulo, v.31, n.2, p.33-50, 2005.

LAYRARGUES, P. P. Para onde vai a Educação Ambiental? O Cenário Político-Ideológico da Educação Ambiental Brasileira e os Desafios de uma Agenda Política Crítica Contra-Hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v.7, n.14, p.398-421, 2012.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

LEFF, E. Pensar a complexidade ambiental. In: LEFF, E. (Org.). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2003.

LIMA, A.E.F.; ROCHA, N. M. M. Dinâmica dos parques urbanos de Fortaleza-CE: Considerações sobre o parque Rio Branco. Conexões: Ciência e Tecnologia, Ceará, v.3, n.1, p.53-61, 2009.

LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, v.1, n.1, p.125-139, 2005.

MACEDO, S.S.; SAKATA, F.G. Parques Urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp, 2003.

MORIN, E.; CIURANA, E.R.; MOTTA, R.D. Educar na era planetária. São Paulo: Cortez, 2003.

NEIMAN, Z; RABINOVICI, A. O cerrado como instrumento para educação ambiental em atividades de ecoturismo. In: NEIMAN, Z. (Org). Meio ambiente, educação ambiental e ecoturismo. São Paulo: Manole, 2002.

SEMURB. Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte. 2017. Disponível em: <http://www.natal.rn.gov.br/parquedacidade/>. Acesso em: 15 jun.2017

SILVA, T. S.; LUCENA, M. M. A.; FREIRE, E. M. X.; CANDIDO, G. A. Conservação da Caatinga: Interdisciplinaridade e Percepção de Comunidades do Semiárido. In: FREIRE, E.M.X.; CÂNDIDO, G.A.; AZEVEDO, P.V. (Org.). Múltiplos olhares sobre o semiárido brasileiro: perspectivas interdisciplinares. 1ed. Natal-RN: EDUFRN, 2011, v. 1, p. 11-35.

TAMAIO, I. O professor na construção do conceito de natureza: uma experiência de educação ambiental. São Paulo: Annablume: WWF, 2002.

TAMAIO, I.; LAYRARGUES, P.P. Quando o parque (ainda) não é nosso. Educação ambiental, pertencimento e participação social no Parque Sucupira, Planaltina (DF). Espaço & Geografia, Brasília, v.1, n.17, p.145-182, 2014.

VASCONCELLOS, H.S.R. (Coord. e Rel.). Inovação pedagógica? A educação ambiental em saúde no currículo da escola pública. Relatório de Projeto Integrado. Rio de Janeiro: PUC-Rio/CNPq, 2002.

Publicado
2020-08-22
Como Citar
Pereira, D. C., Moreira, S. A., Neto, L. S., Matos, F. de O., & Aloufa, M. A. I. (2020). Desafios de Educação Ambiental na perspectiva de técnicos do Parque da Cidade Dom Nivaldo do Monte em Natal (RN). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 196-212. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9963
Seção
Artigos