Trilha interpretativa: aliando atividade física aos conceitos biológicos numa proposta de Educação Ambiental

  • Cisnara Pires Amaral Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, RS
  • Cadija Coutinho Universidade do Pampa, RS https://orcid.org/0000-0002-5182-7775
  • Mário Luiz Corcini Carvalho Escola Estadual Cristóvão Pereira, RS
Palavras-chave: Espaço Não-formal, Conhecimento Científico, Arvorismo, Educação

Resumo

A atividade realizada entre as disciplinas de Educação Física e Biologia teve o intuito de proporcionar aprendizado, conhecimento científico e atividade física em trilha com arvorismo realizada no interior do município de Santiago/RS. Para tal, os discentes foram conduzidos ao distrito de Ernesto Alves onde fotografaram a organologia vegetal e suas peculiaridades, realizando um glossário do Reino Plantae. O trabalho proporcionou contato com a natureza, identificação de espécies visualizadas no livro didático, evidenciou o prazer dos discentes em realizar atividade em um espaço não-formal, constatando que trilhas não servem apenas para entretenimento e, sim, como ferramenta para aprendizado e conhecimento.

Biografia do Autor

Cisnara Pires Amaral, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, RS

Tenho alguns artigos sobre trabalhos de educação ambiental, gostaria de submeter

Referências

AGUIAR, P. C. B.; COSTA NETO, R. F.; BRUNO, N. L.; PROFICE, C. C. Da Teoria à Prática em Educação Ambiental. Rev. Gestão e Sustentabilidade Ambiental. Florianópolis, v.6, n.2, p.111 – 132, 2017.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018, p.29.

BOHRER, P. V.; KROB, A. J. D. Instrumentos de avaliação de resultados: conhecendo e aperfeiçoando a atuação do educador ambiental e do Instituto Curicaca. In: Cassiano Pamplona Lisboa; Eunice Aita Isaia Kindel (Org.). Educação Ambiental: da teoria à prática. 1 ed. Porto Alegre: Mediação, p. 83-97. 2012.

BRANCALIONE, L. Educação Ambiental: refletindo sobre aspectos históricos, legais e sua importância no contexto social. Rev. Educação do IDEAU. Uruguai. v.11, n.23, p.1-13, 2016.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente, saúde. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAMPOS, R. F.; FILLETO, F. Análise do perfil, da percepção ambiental e da qualidade da experiência dos visitantes da Serra do Cipó (MG). Revista Brasileira de Ecoturismo. v.4, n.1, p.69-94, 2011.

CORTI, A. P.O.; SOUZA, R. Diálogos com o mundo juvenil: subsídios para educadores. 2 ed. São Paulo: Ação Educativa, 2012, p.33.

COSTA, E. S. A.; COSTA, I. A. S.; OLIVEIRA, K. S.; MELO, A. V.Trilhas interpretativas na área verde da escola como estratégia de ensino para aprendizagem de conceitos ecológicos. Revista da SBEnBIO. n.7, v.1. Enebio e II Enebio Regional 1. Universidade do Rio Grande do Norte – UFRN, 2014, p.110.

DALLA COSTA, A. A.; SILVA, J. C..; MIOLA, A.; KUHNEN, R.; HAUSCHILDT, G. Z. T. Educação Humanizadora: valorizando a vida na sociedade contemporânea. In: VII CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, Santa Maria, 2017. Anais ... Santa Maria: Biblos, 2017, p.68.

DEMO, P. Educação Hoje: novas tecnologias, pressões e oportunidades. São Paulo: Atlas, 2009, p.31.

EISENLOHR, P.V.; MEYER, L.; MIRANDA, P.L.S.; REZENDE, V.L. et al. Trilhas e seu papel ecológico: o que temos aprendido e quais as perspectivas para a restauração dos ecossistemas? Rev. Hoehnea. v.40, n.3, p.407-418, 2013.

FARO, I.F. Educação para o Meio Ambiente. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017.

FAZENDA, I.; CASADEI, S. R. Natureza e Interdisciplinaridade: reflexões para a Educação Básica. Rev. Interdisciplinaridade. São Paulo, v.1, n. 2, 2012, p.46.

FORTUNATO, R.; CONFORTIN, R.; SILVA, R. T. Interdisciplinaridade nas escolas de educação básica: da retórica à efetivação pedagógica. REI (Revista de Educação do Ideau). v.8, n.17, p.2-15, 2013.

HARARI, Y. N. Sapiens: Uma breve história da Humanidade.. Porto Alegre: L&M, 2018, p. 469.

LAZZARI, G.; GONZATTI, F.; SCOPEL, J. M.; SCUR, L. Trilha ecológica: um recurso pedagógico no ensino de Botânica. Scientia Cum Industria. v.5, n.3, p. 161-167, 2017.

LEFF, E. Aventuras da epistemologia ambiental: da articulação das ciências ao diálogo dos saberes / Tradução de Silvana Cobucci Leite. São Paulo: Cortez, 2012, p.90.

LIEFLÄNDER, A. K.; BOGNER, F. X. The effects of children’s age and sex on acquiring pro-environmental attitudes through environmental education. The Journal of Environmental Education. 2014, v.45, n.2, p. 105–117.

LIEFLÄNDER, A. K.; FRÖHLICH, G.; BOGNER, F. X.; SCHULTZ, P. W. Promoting connectedness with nature through environmental education. Environmental Education Research. 2013, v.19, n.3, p. 370–384.

LISBOA, C. P.; KINDEL, E. A. I. (org.). Educação Ambiental: da teoria à prática. Porto Alegre: Mediação, 2012, p.25.

MARTINS, E. C.; TAVARES, D. E. A escuta sensível – prática do docente interdisciplinar no ensino médio. Rev. Interdisciplinar. São Paulo, v.1, n.6, abril, 2015.

NOGARO, A. O compromisso ético do educador na e para com a educação na sociedade líquida. In: Antônio Amélio Dalla Costa, Jadir Zaro e Jolair da Costa Silva (org.) Educação Humanizadora e os desafios da sociedade pós-moderna. Santa Maria: Biblos, p. 56-71, 2015.

OLSSON, D.; GERICKE, N. The adolescent dip in students’ sustainability consciousness—Implications for education for sustainable development. The Journal of Environmental Education. 2016, v.1, n.47, p.35-51.

ROCHA, M. B.; ROBERTO, L. H.; QUITÁ, C.; SILVEIRA, L. F., VASCONCELLOS, V. Estudos sobre trilhas: uma análise de tendências em eventos de Ensino de Ciências e Educação Ambiental. Acta Scientia. Canoas v.18 n.2 p.517-530, maio/ago. 2016.

SANTOS, M. C.; FLORES, M. D.; ZANIN, E. M. Trilhas Interpretativas como instrumento de interpretação, sensibilização e Educação Ambiental na APAE de Erechim/RS. Vivências. v.7, n.13: p.189-197, Outubro/2011.

SANTOS, R. L. F.; ALMEIDA, R. C. Educação Ambiental e Trilhas Ecológicas: o caminhar para um futuro consciente e sustentável. Revista Científica do Unisalesiano. Lins – SP, ano 2, n.4, p.265-276, jul/dez, 2011.

SILVA, F. W. Corpo e Natureza: perspectiva para uma educação do Corpo Mundo. 2007. Florianópolis, 2007. 155f. Dissertação (Mestrado em Educação Física)- Universidade Federal de Santa Catarina, p.139.

SILVA, F. W.; SAMMARCO, Y. M.; TEIXEIRA, A. F. Educação Ambiental lúdica: diálogos do corpo, lazer e arte. In: Cassiano Pamplona Lisboa; Eunice Aita Isaia Kindel (Org.). Educação Ambiental: da teoria à prática. 1 ed. Porto Alegre: Mediação, p. 49-69. 2012.

SILVA, N.C. O despertar da conscientização ambiental no ensino de Geografia. Revbea. São Paulo: v.10, n.1, 2015, p.76.

SOUZA, M. C. C. Educação Ambiental e as trilhas: contexto para a sensibilização ambiental. Revbea. São Paulo, v.9, n.2, p.239-253, 2014.

UITTO, A.; SALORANTA, S. The relationship between secondary school students’ environmental and human values, attitudes, interests and motivations. Procedia-Social and Behavioral Sciences. v.9, n.0, p. 1866–1872, 2010.

Publicado
2020-02-15
Como Citar
Amaral, C. P., Coutinho, C., & Carvalho, M. L. C. (2020). Trilha interpretativa: aliando atividade física aos conceitos biológicos numa proposta de Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(1), 27-43. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9567
Seção
Artigos