O estado da arte do campo temático Mídia e Educação Ambiental (período 2010 a 2018) na pesquisa acadêmica brasileira

  • Bety Rita Rodrigues Ramos Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica)
  • Giovana Galvão Tavares Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica)
  • Vivian da Silva Braz Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica)
Palavras-chave: Educação ambiental; mídia; estado da arte.

Resumo

Este trabalho traça o “estado da arte” da temática mídia e educação ambiental na pesquisa acadêmica brasileira, no período de 2010 a 2018. A metodologia adotada foi bibliográfica quantitativa e qualitativa e análise de dados. Foram analisados treze trabalhos selecionados na Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior) e na BDTD (Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações). O estudo aponta aspectos como: temática pouco explorada; educomunicação como abordagem predominante; trabalhos interdisciplinares; tratamento superficial da mídia aos temas ambientais; importância da mídia na divulgação da temática; e também a existência de aspectos ideológicos, políticos e mercadológicos que envolvem os meios de comunicação de massa.

 

 

Biografia do Autor

Bety Rita Rodrigues Ramos, Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica)

Assessora de Comunicação do Instituto Brasília Ambiental (IBRAM). Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Amazonas, pós graduada em em Design, Propaganda e Marketing pela mesma instituição, e em Estratégias de Comunicação, Mobilização e Marketing Social pela Universidade de Brasília. 

Giovana Galvão Tavares, Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica)

Professora Doutora Coordenadora do Núcleo de Educação Ambiental - Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente do Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica).

Vivian da Silva Braz, Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica)

Professora Doutora - Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente. do Centro Universitário de Anápolis.

Referências

ARIEIRA, A. A. S. Representações Sociais de Educação Ambiental para estudantes: jornalismo como estratégia pedagógica. 2103. 85 f. Dissertação (Curso de Mestrado Profissional em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente) – Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda. Volta Redonda, RJ: UniFOA, 2013.

BACIC, M. C. Análise de mídias audiovisuais sob a perspectiva da educação ambiental crítica e dos professores da educação básica. 2017. 268 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BARBIERI, J. C. Gestão Ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva, 2011.

BARBOSA, V. Meio ambiente: os acontecimentos que marcaram 2011. Revista EXAME. Publicado em 9 janeiro de 2014. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Programa Nacional de Educação Ambiental. Educomunicação socioambiental: comunicação popular e educação. Organização: Francisco de Assis Morais da Costa. Brasília: MMA, 2008. 50 f.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa de Educomunicação Socioambiental. Série Documentos Técnicos 2. Brasília: Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental, 2005. Disponível em: Acesso em: 08 abr. 2019.

BORBA, M. C; PENTEADO, M.G. Informática e Educação Matemática. 2ª Ed. Belo Horizonte. Editora Autêntica, 2001.

BUENO, W. C. Comunicação, jornalismo e meio ambiente: teoria e pesquisa. São Paulo: Mojoara Editorial, 2007.

CHAGAS, M. F. das. Mídia em educação Ambiental: o uso do recurso tecnológico audiovisual no cotidiano escolar. 2013. 161 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente) – Centro Universitário Plínio Leite, Niterói, Rio de Janeiro, 2013.

COGO, M. de F. O Telejornalismo local e seus modos de produzir sentidos em Educação Ambiental. 2015. 201 f. Tese na área de Educação (Programa de Pós-Graduação em Educação) Centro em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. Espírito Santo, 2015.

CRESPO, S. Educar para a sustentabilidade: a educação ambiental no Programa da Agenda 21. In: NOAL, F.O. REIGOTA M & BARCELOS, V.H.L. Tendências da Educação Ambiental Brasileira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, pgs 211-115, 1998.

CRISPIM, R. B. Estratégias singulares de agendamento: o caso do Greenpeace. Comun. Inf., v. 6, n. 2, pgs. 75 e 76, jul/dez. 2003.

DEROSA, C. M. O Discurso do Tema das Mudanças Climáticas e Aquecimento Global no Jornal Diário Catarinense. 2013. 108 f. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) - Programa Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina. 2013.

FERREIRA, N. S. A. As Pesquisas denominadas o “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, Agosto/2002.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura).

GADOTTI, M. Ecopedagogia e educação para a sustentabilidade, p. 1-18, Disponível em: Acesso em: 08 abr. 2019.

GARRÉ, B. H. O Dispositivo da Educação Ambiental: Modos de Constituir-se Sujeito na Revista Veja / Bárbara Hees Garré. – 2015. f. 39.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2010a.

LOUREIRO, C.F.B. Educação ambiental e Teorias Críticas. In: GUIMARÃES, M (Org.). Caminhos da Educação Ambiental: da forma à ação. Campinas: Papirus, 2006, Cap. 4. Página de 51 a 86.

KREUZ, A. M. Estado da Arte das Produções na Revista Brasileira de Educação Ambiental de 2010 a 2016. 2018.165 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Geografia) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Paraná. 2018.

MARTINS, M. da C. Educação ambiental: um estudo de caso na Escola Municipal de Ensino Fundamental Jorge Bif. Siderópolis, SC. Criciúma: Ed. do Autor, 2009. 90 f.

MEZZARI, S. A revista Nova Escola e as tendências em educação ambiental. 118 f. 2012. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade do Extremo Sul Catarinense. Criciúma: Ed. do Autor, 2012.

MORALES, A. G. A formação do profissional educador ambiental: reflexões, possibilidades e constatações. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2012.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2º edição revisada. São Paulo: Cortez, 2011. 102 p. ISBN 978-85-249-1754-7.

PEREEIRA, Cristiane Leite. Telejornalismo e Educação Ambiental: formação do sujeito consumidor? Brasília 2010. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília. 2010.

PITANGA, A. F. O enfrentamento da crise socioambiental: Um diálogo em Enrique Leff sobre a racionalidade e o saber ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: Acesso em: 09 abr. 2019.

PORTO, R. G. da C. O Uso da Mídias na Educação Ambiental. 2015. 39 f. Trabalho final do Curso Especialização em Mídias para a Educação. Centro Interdisciplinar de Novas tecnologias na Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2015.

PRATA, C. L. Gestão Escolar e as Tecnologias. In: ALONSO Myrtes; ALMEIDA, Maria Elizabeth B. de; MASETTO, Marcos Tarsciso

Programa de Educomunicação Socioambiental, Série Documentos Técnicos – 2, - 4ª versão. Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental – Brasília 2005 (Série publicada pelo Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental)

REIGOTA, M. Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. 2.ed Rio de Janeiro: DP&A, 2001. 148 p. (Coleção o sentido da escola).

SANTOS, F. F. dos. Comunicação e educação ambiental: uma análise de conteúdo da revista XXI Ciência para a Vida da Embrapa. Tupã, 2017. 234 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócio e Desenvolvimento da Faculdade de Ciências e Engenharia) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). 2017.

SILVA, D. A. B. M. da. A mídia a serviço da educação: a revista Nova Escola. Marília: UNIMAR, 2009. 116 p.

SILVA, R. L. F.. O meio ambiente por trás da tela - estudo das concepções de educação ambiental dos filmes da TV escola. 2007. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: Acesso em: 10 abr. 2019.

SOARES, I. de O. S. Educommunication. São Paulo: NCE–ECA/USP. 2004.

SOARES, M. Alfabetização no Brasil – O Estado do conhecimento. Brasília: INEP/MEC, 1989.

TEIXEIRA, F. Mídia como instrumento de educação e de formação da consciência ambiental “abordagens na educação tecnológica”, 2011.
Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC, 2011.

TOZONI-REIS, M. F. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Ciência & Educação (Bauru), v.8. n.1.p. 83-96, 2002.

TRAJBER, R. Educomunicação para coletivos educadores. Encontros e caminhos: formação de educadoras (ES) ambientais e coletivos educadores/ Luiz Antonio Ferraro Júnior, Organizador. – Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005.

TRISTÃO, M. A educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. São Paulo: Annablume; Vitória: Facitec, 2008.

VIEGAS, P. L. A prática de Educação Ambiental no âmbito do ensino formal: estudos publicados em revistas acadêmicas brasileiras (2007 a 2012). 2014. 133 f. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade na Gestão Ambiental), Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba. 2014.
Publicado
2019-09-16
Como Citar
Rita Rodrigues Ramos, B., Galvão Tavares, G., & da Silva Braz, V. (2019). O estado da arte do campo temático Mídia e Educação Ambiental (período 2010 a 2018) na pesquisa acadêmica brasileira. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 14(3), 138-154. https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.9511
Seção
Artigos