Limitações no cativeiro quanto a promoção de bem-estar em primatas na percepção do visitante do Zoológico de Curitiba

Palavras-chave: Ética Animal, Bioética Ambiental, Educação Ambiental, Vulnerabilidade, Biofilia.

Resumo

A continuidade dos zoológicos tem sido condicionada a intervenções conservacionistas e educativas, contudo sua legitimidade é apoiada na demanda da população por entretenimento e contato com a natureza, abstendo-se de uma avaliação crítica a respeito dos limites éticos envolvidos na relação com os animais. Objetivou-se caracterizar o entendimento do visitante quanto ao cativeiro de primatas e analisar a influência do público no comportamento dos animais. Constatou-se que os entrevistados identificaram as limitações do recinto e sugeriram mudanças para elevação do bem-estar animal, contudo, não relacionam sua própria presença como fator de estresse. Os dados suportam a necessidade de ampliação de intervenção da Educação Ambiental aliada a um eficiente processo de comunicação aprimorado por meio da Bioética Ambiental.

Biografia do Autor

Natalia Aline Soares Artigas, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Licenciada em Ciências Biológicas PUCPR, Especialização em Conservação da Natureza e Educação ambiental, Mestranda do Programa de Pós Graduação PUCPR
Marta Luciane Fischer, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Bacharel e Licenciada em Biologia/PUCPR, Licenciada em Arte Educação/FAP, Mestre e Doutora em Zoologia, Pós-doutora em Ecologia Química. Docente dos Cursos de Biologia, Psciologia e Pós-Graduação em Bioética/PUCPR. Ex editora chefe da Revista Estudos de Biologia. Ex Coordenadora CEUA/PUCPR. Lider do Grupo de Pesquisa Bioética Ambiental.
Publicado
2019-03-30
Como Citar
Artigas, N. A. S., & Fischer, M. L. (2019). Limitações no cativeiro quanto a promoção de bem-estar em primatas na percepção do visitante do Zoológico de Curitiba. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 14(1), 49-68. https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.2613
Seção
Artigos