Prática educativa: trilha Serviços Ecossistêmicos da Árvore

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.15742

Palavras-chave:

Educação ambiental, Interpretação ambiental, Geoética, Geoeducação, Planejamento ambiental

Resumo

Estudos sinalizam o aumento do número de pessoas usando espaços públicos ao ar livre, principalmente após o período de isolamento social provocado pela doença do coronavírus 19 (COVID-19). O referido aumento requer, por parte do poder público, a potencialização do planejamento ambiental para parques urbanos, com reflexo no bem-estar mental das pessoas, a partir de propostas de práticas educativas de cunho socioambiental. As práticas podem envolver os serviços ecossistêmicos, o ser humano, a percepção e a Educação Ambiental. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com o objetivo de apresentar as etapas de um planejamento ambiental, envolvendo os serviços ecossistêmicos das árvores, o ser humano, a percepção e a Educação Ambiental para trilhas em Espaços Verdes Urbanos (EVU).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clayton Angelo Silva Costa, CEFET-MG

Professor Visitante do Instituto Politécnico de Bragança | Portugal (IPB) no período de setembro de 2023 à fevereiro de 2024. Subchefe do Departamento de Geociências do CEFET-MG Campus Nova Suíça (mandato 2023/2025). Doutor em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre pelo Instituto de Ciências Biológicas da UFMG. Mestre em Ciências Ambientais. Geógrafo. Coordenador de projeto e programa de extensão nas áreas de educomunicação, interpretação, percepção, planejamento, análise e educação ambiental. Responsável, em 2023, pelas disciplinas: Análise Ambiental (Curso técnico em Meio ambiente), Planejamento Ambiental e Urbano, Ecologia Humana e Epistemologia Ambiental (Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária), Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (Mestrado) e Educação Ambiental (Graduação em Educação Social). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Tecnológica, na linha de Pesquisa IV: Práticas Educativas e Tecnologias Educacionais (no contexto da Educação Ambiental). Membro do Conselho Gestor ICMBio do Parque Nacional Serra do Cipó (mandato 2021/2024). Membro titular do Conselho Consultivo da Área de Proteção Ambiental Parque Estadual Fernão Dias (mandato 2023/2025) e membro do Conselho Consultivo do Parque Florestal Estadual da Baleia, via Instituto Estadual de Florestas (IEF). 

Referências

ALBERTON , J.G.; JACOBI, U.S. Planejamento de uma trilha interpretativa em um trecho de mata ciliar do rio Piratini, Cerrito (RS). Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 15, n. 2, 2022.

ALVES MEIRA, S.; SILVA, E. Potencial educativo do geopatrimônio do Parque Nacional de Ubajara, Ceará, Brasil:. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 15, n. 2, p. 17-29, jan. 2022.

ARAUJO, J.C. et al. Abordagem geossietêmica em trilhas da mata atlântica: geodiversidade, geoética e interpretação ambiental para o atingimento dos ODS da agenda 2030. Revista Geociências Unesp, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 527-541, dez. 2022.

AUGUSTO, F.A.S. Espaços verdes urbanos, acessibilidade e demografia: uma exploração metodológica acerca da oferta e procura na cidade de Braga. 2023. PhD Thesis. Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/>. Acesso em: 19 set 2023.

BENINI, S.M.; MARTINS, E.S. Decifrando as áreas verdes públicas. Formação (Online), [S. l.], v. 2, n. 17, 2011. Disponível em: <https://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/view/455>. Acesso em: 28 jan. 2023.

CASTRO, P.T. et al. Geoethics and geoconservation: integrated approaches. Journal of the Geological Survey of Brazil, v. 4, n. SI1, p. 527-541, 2021.

COSTA, P.G. et al. Trilhas Interpretativas para o uso público em parques: desafios para a Educação Ambiental. Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 12, n. 5, 2019.

FIORESE, C.H.U; SILVA, G.A.Z. Áreas verdes do perímetro urbano do município de Muniz Freire-ES. Cadernos Camilliani, v. 16, n. 1, out. 2021.

LACERDA, C.M.S. Espaços verdes em Oslo, Noruega e Rio de Janeiro, Brasil: a relevância socioambiental do Parque Frogner e da Quinta da Boa Vista para a paisagem urbana da cidade contemporânea. 2023. Disponível em: <https://app.uff.br/>. Acesso em: 22 set 2023.

LEITE, E.S. Análise temporal da relação entre dengue e variáveis climáticas na cidade de Uberlândia - MG. 2023. 101 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2023. Doi <http://doi.org/ 10.14393/ufu.te.2023.8041>. Disponível em: <https://repositorio.ufu.br/>. Acesso em: 25 set 2023.

MAGALHÃES DE OLIVEIRA, H. et al. Avaliação dos efeitos da arborização nas variáveis de temperatura e umidade relativa do ar na cidade de Manicoré, Amazonas, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, [S. l.], v. 32, n. 19, p. 292–310, 2023.

MAGRO, T.C; FREIXÊDAS, M. Trilhas: como facilitar a seleção de pontos interpretativos. Circular Técnica IPEF, n.186, p.4-10, 1998.

NUNES FILHO, F.A. et al. Educação Ambiental Intergeracional: a implementação do jardim sensorial Nhonhô Barbosa. Conjecturas, [S. l.], v. 22, n. 13, p. 29–43, 2022.

OLIVEIRA , B.C et al. Trabalhando os sentidos do corpo humano por meio de videoulas e atividades práticas. Revista INTER EDUCA, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 169–186, 2023.

OLIVEIRA SILVA, L.; FIGUEIREDO, L.A.V. Racionalidades e sensibilidades em trilhas interpretativo-perceptivas: promovendo ações formativas de Educação Ambiental na Vila de Paranapiacaba-Santo André (SP). Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 4, n. 1, 2011.

RIBEIRO, A.A.; BALSAN, R. Interpretação ambiental: planejamento de uma trilha interpretativa na Trilha dos Namorados em Arraias (TO). Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 13, n. 3, 2020.

RODRIGUES, A.B.A. et al. A importância da arborização urbana: a percepção de crianças no bairro de Santa Terezinha. Educação Ambiental em Ação, v.20, n.82. 2023.

ROSSO, P. et al. Áreas verdes urbanas e trilhas ecológicas como locais e instrumentos de Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 16, n. 4, p. 536-553, 2021.

SILVA, A.A. et al. Jardim sensorial: subsídios para escolha das espécies e elaboração de roteiros educativos. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 18, n. 1, p. 75–93, 2023.

SILVA, B.A. Árvores para geração de serviços ecossistêmicos e bem-estar em paisagens rurais e urbanas. 2022. PhD Thesis. Caderno Comunica - Volume 1. Universidade Federal de São Carlos.

SILVA, E.V.; BURGUI-BURGUI, M.; LANDIM NETO, F.O. Ecoética y Educación Ambiental: bases para la gestión del territorio. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, [S. l.], v. 39, n. 1, p. 10–26, 2022.

SOUZA, M.A. Sobre o conceito de prática pedagógica. In: SILVA, M.C.B. Práticas pedagógicas e elementos articuladores. Curitiba: Universidade Tuiuti, 2016. p. 38-65.

SPERANDIO, F.C. et al. Análise de correspondência entre Sexos na percepção ambiental dos frequentadores de parques urbanos. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v.16, n.3, 2020. Disponível em: <https://publicacoes.amigosdanatureza.org.br/index.php/forum_ambiental/article/view/2346>. Acesso em: 31 jan. 2023.

XIMENES, D.S.S. et al. A importância dos espaços públicos e áreas verdes pós-pandemia na cidade de São Paulo (SP). Revista LABVERDE, v. 10, n. 1, dezembro 2020.

Downloads

Publicado

01-06-2024

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido: 2023-10-05
Aceito: 2024-04-01
Publicado: 2024-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.