Educação Ambiental e oralidades: a construção do Caparaó Capixaba pelos relatos das(os) educadoras(es)

Autores

  • Aramis Cortes de Araujo Junior Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) campus de Alegre
  • Eduardo Fausto Kuster Cid Instituto Federal do Espírito Santo campus Vitória
  • Sabrine Lino Pinto Instituto Federal do Espírito Santo campus Vitória

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.15724

Palavras-chave:

Educação ambiental; Território; Caparaó Capixaba; História Oral.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar a história de construção do Caparaó capixaba a partir das oralidades expostas por autoras(es) que estiveram à frente de todo este processo iniciado há mais de trinta anos. O ponto de convergência para isso foi a mobilização em prol da abertura de uma portaria do lado do estado do Espírito Santo que desse acesso ao Pico da Bandeira, exclusivo, até então, pelo lado mineiro. Utilizamos como metodologia a história oral para a realização das entrevistas com as(os) selecionadas(os), juntamente com pesquisas em fontes documentais, trabalhos acadêmicos e reportagens. Concluímos com a importância desse processo e as suas repercussões até os dias atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, V. Manual de história oral. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

AMARANTE, F. B. A influência da criação do Parque Nacional do Caparaó (1961-2014) sobre a mudança da paisagem em Alto Caparaó (MG): sob a perspectiva do turismo. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2016. Disponível em: < https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/10054/1/texto%20completo.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2023.

CARVALHO, I. C. de M. Educação Ambiental Crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRARGUES, P. P. (coord.). Identidades da Educação Ambiental brasileira / Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. 156 p. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_publicacao/20_publicacao09122010092436.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2022.

CARVALHO, I. C. de M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

DUTRA, G. J. S. A relação socioambiental no Alegre-microrregião do Caparaó a partir do século XIX e no projeto plantadores de água (2013-2015): uma análise de história ambiental. Dissertação (mestrado) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Agroecologia, 2019. 118 f. Disponível em: <https://repositorio.ifes.edu.br/handle/123456789/2223>. Acesso em: 12 ago. 2021.

FRANÇOIS, E. A fecundidade da história oral. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. de M. (Coord.) Usos & abusos da história oral. 8. Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. 304p.

GOBBO, S. D’. A.; GARCIA, R. F. Consórcio intermunicipal de desenvolvimento sustentável da região do Caparaó: um relato de experiências. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, 2010. Disponível em: <https://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2010/anais/arquivos/0730_0584_02.pdf> Acesso em: 18 abr. 2023.

MASSINI, V. S. A cobertura natural, o potencial paisagístico e o turismo no Parque Nacional do Caparaó (ES-MG) segundo a hierarquia de paisagens de Georges Bertrand. Dissertação (mestrado) – UFES, Departamento de Geografia, 2017. Disponível em: <https://repositorio.ufes.br/handle/10/9336>. Acesso em: 05 abr. 2023.

MASSONI, L. F. H. A história oral e as memórias dos excluídos na escrita do conhecimento. Rica, vol. 2, nº 4, set./out. 2017.

MEIHY, J. C. S. B.; HOLANDA, F. História oral: como fazer, como pensar. 2. Ed. São Paulo: Contexto, 2019.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989. p. 3-15.

PORTELLI, A. O que faz a história oral diferente? Proj. História, São Paulo, v.14, fev. 1997. Disponível em: < https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/819741/mod_resource/content/1/PORTELLI,%20Alessandro%20%E2%80%93%20O%20que%20faz%20a%20hist%C3%B3ria%20oral%20diferente.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2022.

RIBEIRO, F.N. As tessituras da Educação Ambiental na região do Caparaó capixaba: a formação dos sujeitos ecológicos. Dissertação (mestrado), Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação. 2008. Disponível em: <https://sappg.ufes.br/tese_drupal//nometese_123_FL%C1VIA%20NASCIMENTO%20RIBEIRO.pdf>. Acesso em: 02 fev. 2022.

SANTOS, E. M. B. Parques por decreto: um estudo de caso do Parque Nacional do Caparaó. Dissertação (mestrado) – UFMG, Departamento de História. 2004. 184f. Disponível em: <https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/38619>. Acesso em: 05 fev. 2023.

SANTOS, E. M. B. Parque Nacional do Caparaó: histórias de um lugar. HALAC, vol. III, n. 1, set.2013-fev. 2014. p. 117-143.

SATTLER, M. A. Sustentabilidade de sistemas agroflorestais na região do Caparaó. Tese (Doutorado – Produção Vegetal) – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias. Campos dos Goytacazes, RJ, 2013. Disponível em: <https://uenf.br/posgraduacao/producao-vegetal/wp-content/uploads/sites/10/2014/08/Marcos-Sattler.pdf>. Acesso em: 10 out. 2021.

Downloads

Publicado

01-06-2024

Como Citar

Araujo Junior, A. C. de, Cid, E. F. K., & Pinto, S. L. (2024). Educação Ambiental e oralidades: a construção do Caparaó Capixaba pelos relatos das(os) educadoras(es). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 19(3), 195–213. https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.15724

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2023-10-01
Aceito: 2024-04-01
Publicado: 2024-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.