Inclusão e prática da Educação Ambiental: construção dos Projetos Políticos Pedagógicos nas escolas estaduais em Juazeiro (BA)

Autores

  • Neemias da Silva Souza Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Ricardo José Rocha Amorim Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Dinani Gomes Amorim Universidade do Estado da Bahia - UNEB

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.15022

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Interdisciplinaridade, Sustentabilidade

Resumo

O aumento das crises ambientais, com a exploração inadequada dos recursos naturais, contaminação, poluição e degradação ambiental, tem despertado a atenção de diferentes atores sociais. Como a educação é considerada um dos principais meios de construção de conhecimento e formação do cidadão, as escolas possuem papel fundamental na promoção de atitudes e ações mais responsáveis dos estudantes frente aos assuntos de preservação da natureza. A presente pesquisa tem por objetivo analisar como os Projetos Políticos Pedagógicos das escolas públicas da cidade de Juazeiro-BA abordam as questões ambientais. Com método qualitativo e caráter documental, a pesquisa debruça sobre a legislação vigente e vivência escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo José Rocha Amorim, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pernambuco (1989), com mestrado em Engenharia de Produção, linha Mídia e Conhecimento, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002) e doutorado em Electrónica y Computación pela Universidad de Santiago de Compostela (2007) - revalidado como Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco (registrado, processo nº 009949/2009-SRD). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado da Bahia e professor titular da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina. Atua na área de Ciência da Computação com ênfase em Inteligência Artificial, Representação de Conhecimento e Engenharia de Software. Também, atua na área de Informática na Educação, com ênfase em Ontologia Educacional, Padrões de Metadados Educacionais, Objetos de Aprendizagem, Learning Design e Analíticos de Aprendizagem. Orienta trabalhos de mestrado, especialização, iniciação científica e de conclusão de curso na área de Computação e Informática na Educação. Participa de corpo editorial e como revisor de periódicos e conferências internacionais.

Dinani Gomes Amorim, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Graduação em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pernambuco (1988), Especialização em Ciência da Computaçao. pela Universidade Federal de Pernambuco (1993) e doutorado em Electrónica y Computación pela Universidad de Santiago de Compostela (2007) - reconhecido como Ciências da Computação e Matemática Computacional pela Universidade de São Paulo (USP) (registrado, processo n 2009.1.19269.1.3) e Pós-doutorado em Computação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)(2013), Atualmente é professora adjunto da Universidade do Estado da Bahia e professora Titular da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina. Professora do Corpo permanente do Programa de Pós-graduação do Mestrado em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos (UNEB/DCH) e do Programa de Pós-graduação do Mestrado em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental (UNEB/DTCS) .Tem experiência na área de Inteligência Artificial com ênfase em Redes Neurais Artificiais, representação de conhecimento e web Semântica na Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Aprendizado de Máquina, Reconhecimento de Padrões, Padrões de Metadados Educacionais, Learning Objects e IMS Learning Design. Participa de corpo editorial e revisora de periódicos internacionais/nacionais e de conferências da área. Avaliadora do Ministério da Educação e Cultura (MEC) desde 2008.

Referências

ANDRÉ, M.E.D.A. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus. p.29-114, dez/1995.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo. Editora Person/Edições 70. p, 24-281, nov/1977.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é o que não é. Petrópolis. 5 ed. Revista e ampliada: Vozes. p,20-200, out/2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.795, de 27 de abril de 1999: Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Brasília, p.28, abr/1999.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: proposta preliminar. 2ª versão revista. Brasília: MEC. p,41-652, abril/2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente e saúde. Brasília, MEC. V.9. p,32-53, set/1997.

CANDAU, V. M. A didática e a relação forma/conteúdo: Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, p. 26-32, mar/1995.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. P. Alegre: Artmed. (Coleção Inovação Pedagógica, v. 1). p.50-120. jan/2002.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRARGUES, P.P. (Coord.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental. p.17-24, fev/2004.

COLLET, S.A.O., MORELLO, C. A Influência dos Agrotóxicos no Meio Ambiente e na Saúde Humana. Cadernos PDF, Versão On-line, ISB 978-85-8015-076-6. Paraná: p.4-13, nov/2013.

COPELLO LEVY, M. I. Escola ambientalizada e formação de professoras: compromissos e desafios. In: TAGLIEBER, J. E.; GUERRA, A. F. S. Pesquisa em Educação Ambiental: Pensamentos e reflexões. Pelotas, UFPel. p, 105-143. out/2004.

CORREIA. M.L.A. ROUSSEAU: Meio Ambiente e Ética Ambiental. UNIFOR, Ceará. p. 2-25. jun/2015.

FAZENDA, I.C.A. Interdisciplinaridade. São Paulo: PUCS. p. 59-138, jun/2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. p.1-148, fev/1997.

FUMEC. Fundação Municipal Para Educação Comunitária: Constituição de 1988. Página inicial. Disponível em: <http://www.fumec.br/cerai/docs/constituicao_federal_de_1988.pdf>. Acesso em 22 fev.2022.

GARCIA, V.E. Educação Ambiental para a sustentabilidade: formação continuada em foco. Minas Gerais. Revista Multidisciplinar. p. 1-25. mai/2019.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra. São Paulo: Peirópolis. p. 1-217. jun/2001.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus. p.1-174, abr/2004.

KITZMANN, D. Ambientalização de Espaços Educativos: Aproximações Conceituais e Metodológicas. Rio Grande: FURG. p.1-22, jun/2007.

LAYRARGUES, P.P.; LIMA, G.F.C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente e Sociedade. São Paulo V: XVII. p. 13-18, abr/2014.

MARQUES, J. Raízes da Ecologia Humana: Sociedade Brasileira de Ecologia Humana. Paulo Afonso: Oxente. Org. p. 72-230. out/2017.

OLIVEIRA, H.F.F.; PEDRO, A.M.; ANDRADE, R.S.; MOREIRA, V.J.S.B.; BOTEZELLI, L.; IMPERADOR, A.M. Educação Ambiental no ensino Superior: Uma análise do Currículo do Curso de Pedagogia em uma Universidade Federal de Minas Gerais. São Paulo. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 5, p. 23–32, 2022.

SANTOS, B.S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 63. Coimbra:fora. p. 268-280. jan/2002.

SATO, M. Educação Teoria e Prática. São Carlos: Rima, p. 24-35, fev/2002.

SILVA, M.L. A Escola Bosque e suas Estruturas Educadoras- uma casa de Educação Ambiental. In: MELLO, S.S.; TRAJBER, R. (org.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental na escola /Coordenação:. – Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, p.116-245, mai/2007.

SOUZA. N.S. A carência da Educação Ambiental nos Projetos Políticos Pedagógicos de escolas públicas no submédio do Vale do São Francisco. Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências Sociais), Universidade Federal do Vale do São Francisco – UNIVASF, Juazeiro-BA. p.15-61, out/2018.

SOUZA. N.S. Políticas públicas e sustentabilidade: impactos positivos e negativos em um estado pandêmico. Anais do VI WIPIS – III Sustentare. Versão On-line PUC-Campinas. p.2-8, nov/2020.

TRAVASSOS, E.G. A Educação Ambiental nos currículos: dificuldades e desafios. Revista de Biologia e Ciência da Terra, v.1, n 2. Belo Horizonte. p. 2-11, dez/2011.

USP. Universidade de São Paulo. Educação Ambiental como Meio de Desenvolvimento e Ações de Sustentabilidade. Página inicial. Disponível em: <https://www5.usp.br/noticias/meio-ambiente/educacao-ambiental-como-meio-de-desenvolvimento-e-acoes-de-sustentabilidade>. Acesso em 22 fev. 2022.

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

Souza, N. da S., Amorim, R. J. R. ., & Amorim, D. G. (2023). Inclusão e prática da Educação Ambiental: construção dos Projetos Políticos Pedagógicos nas escolas estaduais em Juazeiro (BA). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(7), 195–210. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.15022

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2023-04-20
Aceito: 2023-10-29
Publicado: 2023-12-01