O espaço escolar e seu potencial de desenvolvimento da Educação Ambiental marinha e costeira: a visão da supervisão escolar

Autores

  • Kamila Regina de Toni Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE
  • Alessandra Larissa D' Oliveira Fonseca Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
  • Cleise Helen Botelho Koeppe Prefeitura Municipal de Florianópolis - Departamento de Educação
  • Marta Jussara Cremer Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14678

Palavras-chave:

Educação Ambiental Marinha e Costeira, educação básica, interdisciplinaridade, escolas públicas

Resumo

A Educação Ambiental Marinha e Costeira -EAMC- visa de forma interdisciplinar, desenvolver práticas de ensino para enfrentar os desafios da nossa sociedade, como as mudanças climáticas e a poluição marinha. As escolas são espaços em que temas ambientais podem ser vivenciados para promover os ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. O trabalho teve como objetivo compreender como são desenvolvidas as práticas em EAMC nos anos finais de escolas municipais de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. A metodologia do estudo seguiu a abordagem qualitativa (questionários semiestruturados) a partir da visão de Supervisores Escolares -SE, de onde emergiram categorias para discussão evidenciadas a partir de Análise Textual Discursiva. Os SE indicaram que as práticas necessitam atenção em relação a distintos quesitos estruturais e pedagógicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kamila Regina de Toni, Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2002) Especialização em Ecologia Aquática Costeira pela FURG (2004) e mestrado em Ecologia pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2012). Professora de Ensino em Ciências da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Atualmente, doutoranda do Programa de Pós Graduação em Saúde e Meio Ambiente da UNIVILLE.

Alessandra Larissa D' Oliveira Fonseca, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Doutora em Oceanografia Quimica e Geologica pela Universidade de São Paulo (2004). Professora Associada da Coordenadoria Especial em Oceanografia da Universidade Federal de Santa Catarina, vinculada aos Cursos de Graduação em Oceanografia e de Pós-Graduação em Geografia e Oceanografia. Desenvolveu Pós-Doutorado na Louisiana State University (EUA, 2013-2014) e na Universidade do Algarve (PT, 2018-2019). Tem como linhas de pesquisa a poluição marinha, com o foco à eutrofização e ao impacto gerado pelo lixo, os processos biogeoquímicos na interface terra-mar e a educação ambiental. Participa do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Transferência de Material na Interface Continente-Oceano (INCT-TMCOcean) e da Rede de Monitoramento de Habitats Bentônicos Costeiros (ReBentos). As atividades de extensão estão voltadas para a capacitação de professores da rede pública em educação ambiental marinho-costeira. Mãe de duas filhas, nascidas em 1996 e 1998, período em que não havia direito à licença maternidade na Pós-Graduação.

Cleise Helen Botelho Koeppe, Prefeitura Municipal de Florianópolis - Departamento de Educação

Possui graduação em ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992), mestrado em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2013) e doutorado em Educação em Ciências Quìmica da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2020). Atualmente é professora de ensino médio - Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina e professora substituta de ensino fundamental da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação em ciências, formação de professores, epistemologia, alteridade, educação ambiental crítica, ensino de ciências e interdisciplinaridade.

Marta Jussara Cremer, Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995), mestre em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos (1999) e doutora em Zoologia pela Universidade Federal do Paraná (2007). É docente na Universidade da Região de Joinville desde 2000, lecionando no Bacharelado em Biologia Marinha, e docente permanente dos Programas de Pós-Graduação em Saúde e Meio Ambiente (Univille) e Ecologia (UFSC). É coordenadora da Unidade de Estabilização de Animais Marinhos da Univille e curadora do Acervo Biológico Iperoba. Coordena também o Laboratório de Ecologia e Conservação de Tetrápodes Marinhos e Costeiros, a partir do qual coordena o Projeto Toninhas do Brasil, o Projeto Tartarugas da Babitonga; e o Projeto Botos do Limite Sul. É consultora da empresa Socioambiental Consultores Associados, atuando como Coordenadora Temática de Telemetria no âmbito do Projeto de Monitoramento de Cetáceos da Bacia de Santos. Suas linhas de pesquisa incluem Ecologia Animal, Qualidade Ambiental e Saúde, Biologia da Conservação e Políticas Públicas de Meio Ambiente. É mãe de Helena Cremer Buéri (2008) e Marina Cremer Buéri (2013).

Referências

ALMEIDA, E. S. Geologia da Ilha - SC. In: BASTOS, M. D. A. (Coord.). Atlas do Município de Florianópolis. Florianópolis: IPUF, 2004.

ASBAHR, F. S. F. Sentido pessoal e projeto político pedagógico: análise da atividade pedagógica a partir da psicologia histórico-cultural. 2005. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

ANDRADE, D. F. D. Implementação da Educação Ambiental em escolas: uma reflexão. Fundação Universidade Federal do Rio Grande. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 4, 17-29, 2000.

BENNETT, L. M; GADLIN, H. Conflict prevention and management in science teams. In: HALL, K.L., VOGEL, A.L.; CROYLE R.T.D. (eds.). Strategies for Team Science Success. Cham: Springer International Publishing, pp.295–302, 2019. Doi: 10.1007/978-3-030-20992-6_22.

BARRADAS, J. Os Oceanos como instrumento de Educação Ambiental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 2, p. 24–33, 2020.

BERNARDES, M. B. J. PRIETO, É. C. Educação Ambiental: disciplina versus tema transversal. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental. ISSN: 1517-1256, v. 24, p. 173–185, 2010.

BETINI, G. A. A construção do projeto político-pedagógico da escola. Rev. Pedag. UNIPINHAL, v. 1, n. 3, p. 37-44, 2005.

BIONDO, F. G; DE OLIVEIRA, V. P. Abordagem expositiva das Ciências do Mar e da Educação Ambiental em um aquário de visitação. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 38, n. 2, p. 115-140, 2021.

BIZERRIL, M. X. A; FARIA, D. S. Percepção de professores sobre a Educação Ambiental no ensino fundamental. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 82, n. 200/201/202, p. 57-69, jan./dez. 2001.

BOSA, C. R; TESSER, H. C. DE B. Desafios da Educação Ambiental nas escolas municipais do município de Caçador – SC. Revista Monografias Ambientais, v.13, n.2, 2014. Pp.2996–3010.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. MEC, 2017. Brasília, DF, 2017. Disponível em <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-BNCC/>. Acesso em agosto /2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei Nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprovada pelo Plano Nacional de Educação - PNE.

BRASIL. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf>. Acesso em agosto /2020.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF. 1997.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2012.

CLAUDINO, C. A. O patrimônio público da paisagem litorânea de Santa Catarina: estudo de caso Ganchos e tendências turísticas. Dissertação Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. PPG- Geografia. 2003.

CORREIA, J. F. O contributo da Educação Ambiental para a proteção dos oceanos. Mestrado em Ecologia Marinha. 2020. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/44288/1/ulfc125798_tm_Joana_Correia.pdf>. Acesso em agosto /2020.

DEFREYN, S; DUSO, L. A Educação Ambiental nas práticas pedagógicas no ensino fundamental: análise dos artigos publicados na Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental-REMEA. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 39, n. 1, p. 350-371, 2022.

DIEDERICHSEN, S. D. et al. Gestão costeira no município de Florianópolis, SC, Brasil: Um diagnóstico. Revista de Gestão Costeira Integrada, v. 13, n. 4, p. 499–512, 2013.

FAUVILLE, G. Questions as indicators of ocean literacy: students’ online asynchronous discussion with a marine scientist, Internacional Journal of Science Education. International Journal of Science Education, v. 39, n. 16, pág. 2151-2170, 2017.

FAUVILLE, G; MCHUGH, P; DOMEGAN, C; MÄKITALO, Å; MOLLER, L. F; PAPATHANASSIOU, M; GOTENSPARRE, S. Using collective intelligence to identify barriers to teaching 12–19-year-olds about the ocean in Europe, Marine Policy, Volume 91, 2018, Pages 85-96.

FERREIRA, D. C. K; DE MOURA ABREU, C. B. Professores Temporários: Flexibilização das contratações e condições de trabalho docente. Trabalho e Educação, v. 23, n. 2, p. 129-139, 2014.

FLORIANÓPOLIS. Secretaria Municipal de Educação. Departamento de Educação Fundamental. Proposta Curricular / Prefeitura Municipal de Florianópolis, 2008.

FLORIANÓPOLIS. Proposta Curricular da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis - 2016 / Organizado por Claudia Cristina Zanella e Ana Regina Ferreira de Barcelos e Rosângela Machado – Florianópolis: Prefeitura de Florianópolis. Secretaria de Educação, 2016. 278 p.: il. ISBN 978-85-67589-52-7

FLORIANÓPOLIS -Prefeitura Municipal de Florianópolis - Portal Educacional – Disponível em: https://sites.google.com/prod/sme.pmf.sc.gov.br/portaleducacional. Jul de 2022.

FONSECA, A. L. et al. Um mundo à beira mar, curso de capacitação e alternativas didáticas, uma parceria com a escola do mar. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, v. 7, n. 10, p. 1-8, 2010.

FONSECA, A, L. O; HORTA, P. A. A mudança climática em pauta e os ciclos de 30 anos. A Ponte, Belo Horizonte, p. 9 - 11, 13 abr. 2022.

GHILARDI-LOPES, N, P; KREMER, L, P; BARRADAS, J, I. A importância da “alfabetização do oceano” no Antropoceno e como a educação ambiental pode ajudar na sua promoção. In: GHILARDI-LOPES, NP, BERCHEZ, F. (eds) Educação Ambiental Costeira e Marinha. Biodiversidade Marinha Brasileira. Springer, Cham. 2019. https://doi.org/10.1007/978-3-030-05138-9_1

GRZEBIELUKA, D.; SILVA, J. A. Educação ambiental na escola: do Projeto Político Pedagógico à prática docente. Revista Monografias Ambientais, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 76–101, 2015. DOI: 10.5902/2236130818693.

PEDRINI, A. G.; SAITO, C. H. Paradigmas metodológicos em educação ambiental. Editora Vozes Limitadas, 2015.

HORTA, P. A.; RÖRIG, L. R. COSTA, G. B.; BARUFFI, J. B.; BASTOS, E.; ROCHA, L. S.; DESTRI, G. FONSECA, A. L. Marine Eutrophication: Overview from Now to the future. In: HÄDER, D.P.; HELBLING, W.E.; VILLAFAÑE, V.E. (Org.). Anthropogenic Pollution of Aquatic Ecosystem. 1 ed. Cham, Switzerland: Springer Nature, 2021, v. 1, p. 157-180. Doi 10.1007/978-3-030-75602-4.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?view= município.>. Acesso: set. 2020.

INEP. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística da Educação Básica 2015. Brasília: INEP, 2015. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/basica-censo-escolar-sinopse-sinopse>. Acesso em agosto /2020.

KOEPPE, C. H. B.; ENCK, J.; RIBEIRO, M. E. M. CALABRÓ, L. Interdisciplinaridade, razão e imaginação: alternativas para superar obstáculos docentes e discentes. Revista Prática Docente. v. 5, n. 1, p. 502-521, jan. /abr. 2020.

KRUG, L.C. A constituição de Educadores Ambientais no campo das Ciências do Mar: estudo de caso do Curso de Oceanologia da FURG. Tese. PPGEA, FURG, Rio Grande -RS. 2018.

LOUREIRO, C.F.B. Teoria Social e Questão Ambiental: Pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In. LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R. S. (Orgs.), Sociedade e Meio Ambiente: A educação em debate (pp. 17-54). São Paulo: Cortez. 2012.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E, M., M. E., M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. Métodos de coleta de dados: observação, entrevista e análise documental. São Paulo: EPU, 1986.

MATIAS, T. P.; IMPERADOR, A. M. As funções da Educação Ambiental na efetividade de políticas ambientais marinhas e costeiras no Brasil. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 1, p. 95–106, 2022. DOI: 10.34024/ RevBEA. 2022.17.12689.

MINAYO, M. C. S. Trabalho de campo: contexto e observação, interação e descoberta. Cap 3. In: MINAYO, M C S.; GOMES, S. F. D. R. (Org.) Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Ed. Vozes, 34 ed, 2015.

MORAES, R. GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 2. ed. Ed. Unijuí. Ijuí RS. 2011.

MUNIZ, A. C. T.; BUENO, C.; ANDRADE, D. F. de. Análise histórica da Educação Ambiental da rede pública municipal de ensino do Rio de Janeiro: reflexões sobre o trabalho transversal e interdisciplinar. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 3, p. 208–229, 2022.

OLIVEIRA, L. de; NEIMAN, Z. Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 3, p. 36–52, 2020.

PAZOTO, C. E; SILVA, E. P; DUARTE, M. R. Alfabetização oceânica nos currículos escolares brasileiros: uma oportunidade para melhorar a gestão costeira e abordar os riscos costeiros? Ocean and Coastal Management. v. 219, p. 106047, 2022.

PEREIRA, R. C; SOARES-GOMES, A. Biologia marinha. Rio de Janeiro: Interciência, v. 2, p. 608, 2009.

PINHO, R. A pesca artesanal na Baía Sul da Ilha de Santa Catarina: um patrimônio da cultura local. Revista Confluências Culturais. v. 5; n. 2, 2016.

REIS, A. F. Preservação ambiental no contexto urbano: cidade e natureza na Ilha de Santa Catarina. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 12, n. 1, p. 45, 2010.

SANTORO, F; SELVAGGIA, S; SCOWCROFT, G; FAUVILLE, G; TUDDENHAM, P. Ocean literacy for all: a toolkit (Vol. 80). UNESCO Publishing. 2017.

SANTOS, A. G; SANTOS, P. C. A. A inserção da Educação Ambiental no currículo escolar. Revista Monografias Ambientais - REMOA v. 15, n. 1, jan.- abr. 2016, p. 369-380.

SANTOS, Prefeitura Municipal. Santos é a primeira cidade do mundo a estabelecer cultura de preservação dos oceanos na rede de ensino. Disponível em: <https://www.santos.sp.gov.br/?q=noticia/santos-e-a-primeira-do-mundo-a-estabelecer-cultura-de-preservacao-dos-oceanos-na-rede-de-ensino>. NOV/2021. Acesso em Dez de 2022.

SANTOS, M. A. R; BENTES, L. M. N; DOS PASSOS, S. N. Epistemologia da complexidade e metodologia de projetos na educação básica: caminhos possíveis para a inter e transdisciplinaridade: Revista Contexto e Educação, v. 33, n. 106, p. 21-40, 2018.

SCHOEDINGER, S; CAVA, F; STRANG, C; TUDDENHAM, P. Ocean Literacy Through Science Standards. In: Anais de OCEANS 2005 MTS/IEEE. IEEE, 2005. p. 736-740. Disponível em: <http://www.education.noaa.gov/>. Acesso em agosto /2020.

SEKI, A. K. et al. Professor temporário: um passageiro permanente na Educação Básica brasileira. Práxis Educativa, v. 12, n. 3, p. 942-959, 2017.

UNESCO, 2019. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/14.>. Acesso em agosto /2020.

VIEGAS, P; NEIMAN, Z. A prática de Educação Ambiental no âmbito do ensino formal: estudos publicados em revistas acadêmicas brasileiras. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 10, n. 2, pág. 45-62, 2015.

Downloads

Publicado

01-06-2023

Como Citar

Toni, K. R. de, Fonseca, A. L. D. O. ., Koeppe, C. H. B., & Cremer, M. J. (2023). O espaço escolar e seu potencial de desenvolvimento da Educação Ambiental marinha e costeira: a visão da supervisão escolar. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(4), 438–460. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14678

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-12-13
Aceito: 2023-03-02
Publicado: 2023-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.