Concepções de Educação Ambiental de professores/as em formação: uma análise em licenciaturas da UFPB

Autores

  • Theóffillo da Silva Lopes Universidade Federal da Paraíba
  • Francisco José Pegado Abílio Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14499

Palavras-chave:

Concepções, Educação Ambiental, Formação Inicial de Professores

Resumo

Este trabalho teve como objetivo identificar as concepções de Educação Ambiental dos/as estudantes dos cursos de Licenciatura em Ciências Sociais, História, Geografia e Ciências Biológicas da UFPB, Campus de João Pessoa, durante sua formação inicial. Para tanto, em uma abordagem qualitativa, foi aplicado um questionário semiestruturado com a finalidade de caracterizar o público-alvo, a importância da EA para esse público e suas concepções acerca da mesma. A partir da Análise de Conteúdo, foi possível observar que as concepções apresentadas expressam uma inclinação a uma Educação Ambiental Conservadora, se apresentando através das macrotendências Conservacionista e Pragmática.

Biografia do Autor

Theóffillo da Silva Lopes, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando em Educação pelo PPGE/UFPB, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo PRODEMA/UFPB, Especialista em Educação Ambiental pelas Faculdades Integradas de Patos (FIP) e Graduado em Pedagogia pela UFPB. Pedagogo da PROEX/UFPB (Técnico-Administrativo em Educação) e Professor da Educação Básica I na Prefeitura Municipal de João Pessoa, com atuação na Educação de Jovens e Adultos.

Francisco José Pegado Abílio, Universidade Federal da Paraíba

Professor Titular do Departamento de Metodologia da Educação, do Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bacharel em Ciências Biológicas pela UFPB (1994), Licenciado em Ciências Biológicas pela UFPB (2001), Mestre em Ciências Biológicas (Zoologia) pela UFPB (1997), Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) (2002) e Pós-Doutor em Educação (Educação Ambiental) pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT - 2011) sob a supervisão da Profa. Dra. Michèle Sato. 

Referências

ALMEIDA, J. P. Formação docente para a promoção da Educação Ambiental: o caso de uma escola estadual em Maceió (AL). Revista Brasileira de Educação Ambiental, Rio Grande, V. 8, Nº 1: 114-129, 2013.

BATISTA, M. S. S. Educação Ambiental no ensino superior: reflexões e caminhos possíveis. Curitiba: Appris, 2017.

BORTONI-RICARDO, S.M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 19 de julho de 2021.

DELIZOICOV, D; DELIZOICOV, N. C. Educação Ambiental na escola. In: LOUREIRO, C.F.B.; TORRES, J.R. (Orgs.). Educação Ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014.

ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 5. ed. Campinas: Editora Autores Associados, 2018.

FREIRE, P. Conscientização. São Paulo: Cortez, 2016.

GARCIA, A. Não estamos vendo redução de emissões na prática, alerta vice-presidente do IPCC. CNN Brasil, São Paulo, 05 de abril de 2022. Disponível em: <https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/nao-estamos-vendo-reducao-de-emissoes-na-pratica-alerta-vice-presidente-do-ipcc/>. Acesso em: 07 de abril de 2022.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus, 1995.

GUIMARÃES, M. Abordagem relacional como forma de ação. In: GUIMARÃES, M. (org.). Caminhos da Educação Ambiental: da forma à ação. Campinas, SP: Papirus, 2006.

GUIMARÃES, M. Armadilha paradigmática na Educação Ambiental. In: CASTRO, Ronaldo Souza de; LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P. (Orgs.). Pensamento complexo, dialética e Educação Ambiental. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas, SP: Papirus, 2004.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental: participação para além dos muros da escola. In: Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental na escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, 2007.

LAYRARGUES, P. P. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental. In: LOUREIRO, C.F.B.; TORRES, J.R. (Orgs.). Educação Ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVII, n. 1, p. 23-40, jan./mar. 2014.

LOUREIRO, C. F. B. Complexidade e Dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em Educação Ambiental. Revista Educação & Sociedade, Campinas, vol. 27, n. 94, p. 131-152, jan./abr. 2006.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental: questões de vida. São Paulo: Cortez, 2019.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R.S. (Orgs.). Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LOUREIRO, C. F. B. Pensamento crítico, tradição marxista e a questão ambiental: ampliando os debates. In: LOUREIRO, C. F. B. [et al.]. (org.). A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2014.

TORRES, J. R.; FERRARI, N.; MAESTRELLI, S. R. P. Educação Ambiental crítico-transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana. In: LOUREIRO, C.F.B.; TORRES, J.R. (Orgs.). Educação Ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014.

TRISTÃO, M. A Educação Ambiental na formação de professores: redes de saberes. São Paulo: Annablume, 2004.

UNESCO. Declaração de Tbilisi. Algumas Recomendações da Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental aos Países Membros. Tbilisi, CEI, de 14 a 26 de outubro de 1977). Disponível em: <http://educacao.riodasostras.rj.gov.br/rearo/pdf/decltbilisi.pdf>. Acesso em: 16 de março de 2022.

Downloads

Publicado

01-04-2023

Como Citar

Lopes, T. da S., & Abílio, F. J. P. (2023). Concepções de Educação Ambiental de professores/as em formação: uma análise em licenciaturas da UFPB. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(3), 124–155. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14499

Edição

Seção

Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2022-10-21
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-01-26
##plugins.generic.dates.published## 2023-04-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.