Indicadores de sustentabilidade socioambiental em escolas de educação básica

Autores

  • Claudia Maris Coelho Pezzi Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC), Lages, SC
  • Lúcia Ceccato de Lima Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC), Lages, SC

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14383

Palavras-chave:

Indicadores; Sustentabilidade Socioambiental; Gestão Escolar, PPP e PGE.

Resumo

Os indicadores de sustentabilidade socioambiental deveriam estar na pauta de discussão da educação básica. A implantação desses indicadores na escola promove uma educação que inclui a justiça social e a conservação ambiental, para formar cidadãos preocupados com o futuro comum. Sendo assim, objetiva-se analisar a percepção dos gestores em relação ao que está registrado nos documentos das unidades escolares, como o Projeto Político-Pedagógico (PPP) e o Plano de Gestão escolar (PGE), no que tange às dimensões e ao uso de indicadores voltados à sustentabilidade socioambiental. Para tanto, utiliza-se uma pesquisa qualitativa e descritiva, desenvolvida a partir de questionário on-line enviado aos gestores e de análise documental. Destaca-se que os gestores possuem conhecimento e conscientização perante essa questão, porém, isso não se reflete nos documentos analisados. A educação pública precisa avançar no que se refere às práticas pedagógicas socioambientais, que são trabalhadas de forma fragmentada e seguindo roteiros que não atendem a essa demanda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Ceccato de Lima, Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC), Lages, SC

Pós - doutora em Educação Ambiental e Sustentabilidade pela Universidade Autonoma de Madrid - Espanha (UAM - 2017). Doutora em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC - 2007). Mestre em Educação/Educação e Ciência pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC - 1999). Especialista em Metodologia da Pesquisa pela Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC - 1996). Especialista em Educação pela Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC - 1993). Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC - 1984). Professora no ensino superior a partir de 1989. Desde 2010 é professora e pesquisadora dos mestrados da UNIPLAC: Mestrado em Educação – PPGE e Mestrado em Ambiente e Saúde – PPGAS, integrando as linhas de pesquisa: Educação, Processos-socioculturais e Sustentabilidade (PPGE) e Condições da Vida e Manejo Ambiental (PPGAS), respectivamente. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Ambiente, Educação e Saúde - GEPES AMBIENS. Discute temas interdisciplinares: Educação Ambiental e Ambientalização das Instituições; Epistemologia e Formação Humana; Educação Básica e Superior; Ciências Ambientais; Ambiente, Saúde e Sustentabilidade em áreas de afloramento do Sistema Aquífero Guarani/ Serra Geral. Experiência na Educação Básica - SEC/SC (1984 - 2017). Participa de redes nacionais e internacionais de Pesquisa em Educação Ambiental e Sustentabilidade.

Referências

BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO – BID; PINHEIRO, M.V.; SÁNCHEZ, L.R.; LONG, S.C.; PONCE, A. Banco Interamericano de desenvolvimento, Maria Vizeu, Laura Rojas. Indicadores de Governança Ambiental para a América Latina e Caribe. Tradução Hilda Lemos. 2020. Disponível em: <https://publications.iadb.org>. Acesso em: 28 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1999. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/lei9795.pdf>. Acesso: 24 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre Educação Ambiental e Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. 1999. In: MADAUAR, Odete. (Org.). Constituição Federal, coetânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Indicadores da qualidade na educação: ação educativa. 3. ed. ampliada. UNICEF, PNUD, INEP, SEB/MEC (Coord.): São Paulo: Ação Educativa, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n.º 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da União, 15 de junho de 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2022.

BRASIL Ministério da Educação. Indicadores de educação. 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/indicadores-educacionais>. Acesso em: 12 jul. 2021.

BRITO, R.O.; CUNHA, C.; SIVERES, L. Gestão participativa e sustentabilidade socioambiental: um estudo em escolas da rede pública de Sobral-CE. Ciência & Educação (Bauru), [s.l.], v. 24, n. 2, p. 395-410, abr., 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1516-731320180020009>. Acesso em: 25 set. 2022.

ESTADO DO PARANÁ. Leis Estaduais. Lei n.º 17.505, de 11 de janeiro de 2013. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental. Diário Oficial do estado do Paraná, n. º 8875, Curitiba, PR, 11 jan., 2013.

ESTADO DE SANTA CATARINA. Legislação Estadual. Decreto n.º 194, de 31 de julho de 2019. Dispõe sobre a gestão escolar da educação básica e profissional da Rede Estadual de Ensino. Florianópolis, 31 de julho de 2019.

JACOBI, P. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, mar. 2003.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão escolar: teoria e prática. 5. ed. Goiânia, 2004.

LÜCK, H. A evolução da gestão educacional, a partir de mudança paradigmática. 12. ed. Curitiba: Positivo, 1997.

LÜCK, H. Concepções e processos democráticos de gestão educacional. (Cadernos de Gestão, v. II). Petrópolis: Vozes, 2006.

MACEDO, C.V.P.; FREITAS, A.A.F.; GUERRA, D.S. Uma escala para mensuração da importância percebida pelos docentes sobre a abordagem socioambiental nos cursos de administração de empresas. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo, v. 14, n. 1, fev. 2013.

MAMEDE, F; FRAISSAT, G. Construindo com arte o nosso meio ambiente. In: SANTOS, J.E.; SATO, M. (orgs.). A Contribuição da Educação Ambiental à esperança de Pandora. São Carlos: RiMa, 2001.

SECRETARIA DO ESTADO DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA – SED/SC. Orientações para elaboração do plano de gestão da escola. Disponível em: <https://www.sed.sc.gov.br/legislacoes-estadual-e-federal/plano-de-gestao-escolar-409/processo-2019/8039-portaria-n-1434-publicado-doe-08-08-19/file>. Acesso em: 17 ago. 2021.

SECRETARIA DO ESTADO DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA – SED/SC. Secretaria do estado de educação de Santa Catarina. Educação Ambiental: políticas e práticas pedagógicas. Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Educação. Florianópolis: Secretaria de Estado da Educação, 2018.

SECRETARIA DO ESTADO DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA – SED/SC. Secretaria do estado de educação de Santa Catarina. Decreto n.º 194, de 31 de julho de 2019. Dispõe sobre a gestão escolar da educação básica e profissional da Rede Estadual de Ensino de SC. Disponível em: <https://leisestaduais.com.br/sc/decreto-n-194-2019-santa-catarina-dispoe-sobre-a-gestao-escolar-da-educacao-basica-e-profissional-da-rede-estadual-de-ensino>. Acesso em: 25 set. 2022.

Downloads

Publicado

01-06-2023

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-09-28
Aceito: 2023-01-26
Publicado: 2023-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.