O papel da Educação Ambiental para o alívio da pressão sobre os recursos naturais na Reserva Especial de Maputo

Autores

  • Joao Francisco de Carvalho Choe Universidade Púngè - Chimoio
  • Rogério Filipe Mário Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil e Universidade Púnguè – Chimoio.

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14015

Palavras-chave:

Palavras-chave: Área de conservação; conservação dos recursos naturais; educação ambiental.

Resumo

As Áreas de Conservação são um tipo especial de área protegida, ou seja, espaços territoriais com características naturais relevantes, legalmente instituídos pelo poder Público, com objectivos de conservação e de limites definidos, sob regime especial de administração, às quais se aplicam garantias adequadas de protecção. O objectivo desta pesquisa é analisar o papel da Educação Ambiental (EA) para o alívio da pressão sobre os recursos naturais da Reserva Especial de Maputo (REM), uma Área Protegida que alberga uma variedade de vida, desde a fauna e flora. Esta pesquisa baseou-se numa abordagem exploratória que consistiu na observação, colecta, interpretação e análise dos dados, como procedimentos técnicos, trata-se de um estudo de campo em que foram os seguintes instrumentos de recolha de dados: observação directa e entrevistas semi-estruturadas. Foi utilizada a amostragem não-probabilística por conveniência, abrangendo um total de dez (10) indivíduos, dos quais (5) são funcionários da REM afectos ao Departamento de Desenvolvimento Comunitário (DDC); (2) são fiscais da REM afectos aos Departamento de Fiscalização; e (3) são membros do Comité de Gestão de Recursos Naturais (CGRN) das comunidades de Guengo, Gala e Tchia. Como resultados constatou-se que as acções de EA são desenvolvidas de forma transversal pelos vários departamentos, com maior destaque pelo Departamento de Desenvolvimento Comunitário. As acções de EA praticadas vão desde as palestras de sensibilização nas comunidades e nas escolas, excursões e actividades de recreação em datas comemorativas ligadas ao meio ambiente. Para além da EA, o mesmo departamento juntamente com os parceiros da REM, tem desenvolvido e implementado projectos de desenvolvimento comunitário, para a geração de renda pelas comunidades e diminuir a pressão que estas têm exercido sobre os recursos naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joao Francisco de Carvalho Choe, Universidade Púngè - Chimoio

Faculdade de Educação.

Rogério Filipe Mário, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil e Universidade Púnguè – Chimoio.

Doutorando em Educação, Arte e História da Cultura.

Referências

AGUIAR, P.C. B.; MOREAU, A. M. S.; SANTOS, A.. Áreas naturais protegidas: Um breve histórico do surgimento dos parques nacionais e das reservas extractivas. Revista geográfica de América central. Bahia. Brasil, 2013.

ALVES, N. S. Degradação ambiental em unidade de conservação: o caso do parque municipal natural dos parecis – guajará-mirim/RO. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento Académico de Ciências Sociais e Ambientais / DACSA, 2018.

ANAC, Plano Estratégico da Administração Nacional das Áreas de Conservação 2015-2024, 2014.

AQUINO, A.; MAUSSE, A.; MWEHE, R.; LIM., C. Mecanismo de Doações Dedicadas às Comunidades Locais em Moçambique: Participação Comunitária para Tomada de Decisões sobre a Gestão de Recursos Naturais, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2014.

BERBERT, M. S.; LEMES, T.P.; VIEIRA, S.; PROCIDONIO, M.; XAVIER, R. L. O teatro como ferramenta para a Educação Ambiental. Ambiência. Guarapuava, v.3, 2007.

BOLETIM DA REPÚBLICA: Lei nº 20/97 de 1 de Outubro, lei de ambiente. Imprensa Nacional de Moçambique, Maputo.

BOLETIM DA REPÚBLICA: Lei nº 5/2017, lei de Protecção, Conservação e Uso Sustental da Diversidade Biológica. Impresnsa Nacional de Moçambique. Maputo.

BOLETIM DA REPÚBLICA: Regulamento da Lei de Florestas e Fauna Bravia - Decreto nº 12/2002, de 6 de Junho.

CÂNDIDO, M. C. A. Desenvolvimento sustentável e pobreza no contexto de globalização. O caso de Moçambique. Dissertação de Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais. Especialização Globalização e Ambiente. Lisboa. Portugal, 2010.

CARVALHO, J. R. M.; CURI, W. F.; LIRA, W. S. Processo participativo na construção de indicadores hidro ambientais para bacias hidrográficas, 2013.

CORREIA, J. S. Concepção e Implementação de um WebSIG no Parque Nacional da Gorongosa usando software de código aberto e livre, 2011.

CRUZ, C. A.; SOLA, F. As unidades de conservação na perspectiva da educação ambiental. Revista de Educação Ambiental: Ambiente & Educação. Vol. 22, n. 2, 2017.

DE LIMA, I. L. T. Acção de Educação Ambiental na comunidade do entorno da Flona de Nísia floresta – RN, 2017.

DOS SANTOS, C. F.; SILVA, A. J. A importância da Educação Ambiental no ensino infantil com a utilização de recursos tecnológicos. R. gest. sust. ambient., Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 4-19. Brasil, 2017.

DRUMMOND, A. O sistema brasileiro de parques nacionais: análise dos resultados de uma política ambiental. EDUFF. Niterói. Brasil, 2002.

DNAC. Plano de Gestão da Reserva Especial de Maputo, 2010-2014, 2009

EFFTING, R.T. Educação Ambiental nas Escolas Públicas: Realidade e Desafios. Paraná: Universidade Estadual do Oeste de Paraná. Brasil, 2007.

FRANCO, J. A.; SCHITTINI., G. M.; BRAZ, V. S. História da conservação da natureza e das áreas protegidas: panorama geral. Historiæ, Rio Grande. Brasil, 2015.

FRANÇA, P. A. R.; GUIMARÃES, M. G. V. A Educação Ambiental nas Escolas Municipais de Manaus (AM): um estudo de caso a partir da percepção dos discentes. Revista Monografias Ambientais, v.13, n.2, pp.3128–3138, 2014.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. UFRGS. Porto Alegre. Brasil, 2009.

GIL, A.C.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas. São Paulo. 6ª Ed,2008.

GOUVEIA, A. O. Bioestatística, Epidemiologia e Investigação.: LIDEL Edições. Rio de Janeiro. Brasil,2006.

IUCN. As áreas protegidas podem contribuir para a redução da pobreza? 2011.

JACOBI, P. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, 2003.

JAQUECENE, D. B., SANCHEZ, M. Y. M., & SILVA. R. F. Impacto de la Educación Ambiental en las Comunidades Próximas del Parque Nacional de Gorongosa - Estudio de Caso Comunidad de Nhambita. Revista Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, v. 34, n. 3, pp. 147-165,.2017.

JÚNIOR, J. M. L.; DA COSTA, N. B. O papel da Educação Ambiental na preservação do meio ambiente: uma breve discussão Anais da Conferencia Nacional de Educação, 2018.

LAYRARGUES, P. P. Para onde vai a Educação Ambiental? O cenário político-ideológico da Educação Ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Rev. Contemporânea de Educação, v. 7, n. 14, pp. 388-411, 2012.

MACEDO, R.L.G.; MACEDO, S. B.; VENTURIN, N.; ANDRETTA, V. AZEVEDO, F.C.S. Pesquisa de percepção ambiental para o entendimento e direcionamento da conduta ecoturística em áreas de conservação. Anais do Congresso interdisciplinar de ecoturismo em unidades de conservação, 2005.

MACHADO, D.S. Educação Ambiental e o ecoturismo e seus impactos. Rev. Electrónica saberes da educação. Petrópolis-Rio de Janeiro. Brasil, 2003.

MACUCULE, A. Introdução à Gestão Participativa de Recursos Naturais. IUCN. Maputo,2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª Edição. Editora Atlas S.A. São Paulo. Brasil, 2003.

MARULO, A. M, Turismo e Meio Ambiente: uma analise do ecoturismo e sua contribuição socio-ambiental no distrito Matutuine: caso da Reserva Especial de Maputo, 2012.

MENDONÇA, D. J.F.; CÂMARA, R. J. B. Educação Ambiental em unidades de conservação: um estudo sobre projectos desenvolvidos na APA do Maracanã, 2012.

MOMETTI, A. C.; DUTRA- LUTGENS H. Envolvimento comunitário e Educação Ambiental na conservação e maneio dos recursos naturais: uma experiência com crianças e adolescentes nas unidades de conservação de Itirapina, São Paulo. Brasil, 2013.

MOREIRA, J. C. Educação Ambiental e interpretação ambiental voltada aos aspectos geocientíficos: actividades geoeducativas, interpretativas e turísticas. In: Geoturismo e interpretação ambiental [online]. 1st ed. rev. and enl. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

MUTIMUCUIO, I. Módulo Métodos de investigação: Apontamentos. UEM - Centro de Desenvolvimento Académico. Maputo, 2008.

MICOA. Perfil ambiental e mapeamento do uso actual da terra nos distritos costeiros de Moçambique. Projecto de Avaliação ambiental estratégica da zona costeira-Moçanbique, Distrito de Matutuine. Maputo, 2012.

MITADER. Estratégia e plano de acção para a conservação da diversidade biológica em Moçambique (2015-2035). Maputo, 2015.

MITUR Plano Estratégico da Administração Nacional das Áreas de Conservação (2015-2024), 2014.

NEIMAN, Z.; RABINOVICI, A. A Educação Ambiental através do Ecoturismo: o diferencial das atividades de contato dirigido com a natureza. Pesquisa em Educação Ambiental (Online), v. 3, p. 77, 2008.

NTELA, P. B. T. Categorias de conservação e gestão de áreas protegidas em Moçambique: “Reserva Especial de Maputo, uma categoria complexa e confusa”. Revista VITAS – Visões Transdisciplinares sobre Ambiente e Sociedade, Ano III, nº 6, 2013.

PELACANI, B.; XIMENES, S. S. F.; ANDRADE., D. F. Educação Ambiental e unidades de conservação: Um ensaio crítico sobre dicotomias e integrações do território. Anais do VIII EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. Rio de Janeiro. Brasil,2015.

PINTO, V. P. S., & GUIMARÃES, M. A. Educação Ambiental no contexto escolar: temas ambientais locais como temas geradores diante das questões sócioambientais controversas. Revista de Geografia - PPGEO - UFJF. v7. Juiz de Fora. Brasil, 2017.

PISSATTO, M.; MERCK, A. M. T.; GRACIOLI, C. R. Ações de Educação Ambiental realizadas no âmbito de três áreas de conservação do rio grande do sul. Revista Electrónica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental REGET/UFSM, v. 5, n. 5, p. 804–812, 2012.

REIGOTTA, M. (2002). Meio ambiente e representação social. 5.ed. São Paulo: Cortez,2002.

SANTOS, E. L.; BRAGA, V.; SANTOS, R. S.; BRAGA, A. M. Desenvolvimento: um conceito multidimensional. Revista electrónica do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional em debate. Porto. Portugal, Ano 2, n.1, 2012.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: CARVALHO, I.C.M.; SATO, M. (orgs). Educação Ambiental-Pesquisas e Desafios. Porto Alegre. Brasil, 2005.

SCHNEIDER, C. H. Educação Ambiental como Instrumento de ação do engenheiro Ambiental em planeamento. Paraná: Universidade Católica do Paraná. Brasil, 2005.

SILVA, G. G. H. A importância das unidades de conservação na preservação da diversidade biológica. Revista Logos, n. 12. Rio Claro. Brasil, 2005.

SITOE, A. A.; GUEDES, B. S.; SITOE, S. N. D. M. Avaliação dos modelos de maneio comunitário de recursos naturais em Moçambique. Ministério da Agricultura: direcção nacional de terras e florestas, 2007.

TEIXEIRA, J. - A Participação das Comunidades na Gestão das Florestas em Moçambique: Caso do Distrito de Inharrime, Dissertação de Mestrado apresentada à 318 FCSH da Universidade Eduardo Mondlane, como um dos requisitos para a obtenção do grau académico de Mestre em População e Desenvolvimento, UEM – Maputo, 2009.

VALENTI, M. W. Educação Ambiental em unidades de Conservação. Mapeando tendências. Dissertação de mestrado, Programa de pós-graduação em Ecologia e Recursos Naturais. São Paulo. Brasil, 2010.

Downloads

Publicado

01-04-2023

Como Citar

Choe, J. F. de C., & Mário, R. F. (2023). O papel da Educação Ambiental para o alívio da pressão sobre os recursos naturais na Reserva Especial de Maputo. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(3), 51–76. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14015

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-06-24
Aceito: 2022-12-13
Publicado: 2023-04-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.