A pegada ecológica como ferramenta de Educação Ambiental sobre papel e mídias eletrônicas

Autores

  • Maria Clara Lira Guimarães Centro Universitário Cesmac
  • Mayara Andrade Souza Centro Universitário Cesmac
  • Paulo Rogério Barbosa de Miranda Centro Universitário Cesmac https://orcid.org/0000-0002-8933-9945
  • Velber Xavier Nascimento Centro Universitário Cesmac
  • Jefferson Cavalcante de Lima Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
  • João Gomes da Costa Embrapa Alimentos e Territórios: Maceió, AL, BR https://orcid.org/0000-0002-0761-0755
  • Adriane Borges Cabral Uncisal e Cesmac

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13337

Palavras-chave:

Indicadores de sustentabilidade; Impactos ambientais; Conscientização ambiental.

Resumo

A pegada ecológica (PE) é um indicador de sustentabilidade que transforma os impactos ambientais causados ​​por um indivíduo ou coletivo em números. Este trabalho teve como objetivo analisar a PE das metodologias de estudo (papel e mídias eletrônicas) utilizadas pelos alunos de um Centro Universitário de Alagoas. Por meio da aplicação de questionários e análises de dados tabulados, foi possível verificar o consumo de papel e energia elétrica destinado ao estudo dos alunos e consequentemente suas PE. A PE tem sido utilizada como uma ferramenta valiosa de Educação Ambiental para reflexão e adoção de atitudes que visam reduzir os impactos ao meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, R. C. Análise da aplicabilidade da pegada ecológica em contextos universitários: Estudo de casos nos campos de São Carlos da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, 2010.

ANDRADE, B. B. Turismo e Sustentabilidade no Município de Florianópolis: Uma Aplicação do Método da Pegada Ecológica. 2006. 152 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2006.

ANDRADE, P. S. APA da Serra de Baturité: Um estudo da Sustentabilidade ambiental do município de Guaramiranga através da Pegada Ecológica. 2018. 95 f. Dissertação (Mestrado acadêmico em Sociobiodiversidade e tecnologias sustentáveis)- Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Redenção-CE, 2018.

BELLEN, H. M. V. Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. São Paulo: FGV, 2005. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=EKPPu5y5WyIC&pg=PA27&dq=sustentabilidade&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjov6--n8LoAhWlG7kGHV3vA0YQ6AEIYzAH#v=onepage&q&f=false> Acesso em: 16 mar. 2021.

BIZI, A. Pegada Ecológica: Ferramenta para a Formação de Consumidores Conscientes. Tamandaré, PR, 2009. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/428-4> Acesso em: 12 mar. 2021.

BORBA, M. P.; FALCÃO, A. Pegada ecológica: que marcas queremos deixar no planeta. Brasília: WWF-Brasil, 38p, 2007.

BRASIL, Ministério de Minas e Energia. Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2019: ano base de 2018. Disponível em: <http://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-160/topico-168/Anu%C3%A1rio_2019_WEB.pdf> Acesso em: 12 mar. 2021

CIDIN, R. C. P. J.; DA SILVA, R. S. Pegada ecológica: instrumento de avaliação dos impactos antrópicos no meio natural. Estudos Geográficos, v. 2(1), p.43-52, 2004.

DIAS, G. F. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. As Dimensões Humanas das Alterações Globais – Um Estudo de Caso Brasileiro (Como o Metabolismo Ecossistêmico Urbano Contribui para as Alterações Ambientais Globais). São Paulo: Gaia, 2002.

DIAS, T. S.; PENNA, L. F. R. Diagnóstico de Papel A4: O caso do Instituto Federal de Minas gerais – Campus Governador Valadares, 2014. Disponível em: <http://www3.ifmg.edu.br/site_campi/v/images/arquivos_governador_valadares/TCC-_Ta%C3%ADs_Silveira_Dias.pdf> Acesso em 10 jan. 2020.

GONÇALVES, M. P. G.; SIPAÚBA, J. S.; DE QUEIROZ, JR. J. V.; MOUSINHO, J. M. R. P.; DE AGUIAR FILHO, U. M. Influência do tempo de estudo no rendimento do aluno universitário, Revista Fundamentos, v.2 (2), 2015.

HOLLANDA, L.; VAREJÃO, M. Energia e sustentabilidade: desafios do Brasil na expansão da oferta e na gestão da demanda. 2014.

IBGE. Projeções da população: Brasil e unidades da federação: revisão 2018. v.40, 2 ed., 56 p., Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <https://ww2.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao> Acesso em: 16 set. 2018.

INEP. Censo da População Superior, 2017. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/> Acesso em: 10 mar. 2021.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 9.ed São Paulo: Perspectiva, 2007.

MENDES, F. A. T.; REIS, S. M. Importância socioeconômica e ambiental. Manual Técnico do Cacaueiro para a Amazônia Brasileira. CEPLAC/SUEPA, Belém, p. 12-19, 2013.

NASCIMENTO J.; de LIMA, R. G.; da S. PASSOS, I. C.; CABRAL, A. B. Aplicação do RTQ-C como instrumento norteador para ações e estratégias de conscientização e Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v.16, No 1: 347-358, 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). População mundial chegará a 9,7 bilhões em 2050, prevê ONU, 2007. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/noticias/afp/2019> Acesso em: 10 mar. 2021.

PIRES, L. F.; MORALES, A. G.; SANT'ANA, R. C. G. Análise da Pegada Ecológica no Campus de Tupã da Universidade Estadual Paulista. Multitemas, [S.l.], maio 2017. ISSN 2447-9276.

RAMOS, A. L. M.; NOGUEIRA, A. P. L.; FERRAZ, D. P. A.; BREZOLIN, L. M. T. F.; PINTO, L. M.; MUNIZ, W. F. Questionário de Hábitos de Estudo para estudantes universitários: validação e precisão. Paidéia, v.21, n.50, p.363-371, 2011.

REES, W. E. Revisitando a capacidade de carga: indicadores de sustentabilidade por área. População e meio ambiente, v. 17, n. 3, pág. 195-215, 1996.

RUSCHEINSKY, A. Educação Ambiental. Penso Editora, 2009.

SOUZA, K. P.; AGUIAR, D. R. da C.; LIMA, L. D. dos S. C. Avaliação da sustentabilidade na Biblioteca Central Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia/MG. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 119-145, set. 2017.

TAVARES, A. O. do C.; AGRA FILHO, S. S. Aplicações da Pegada Ecológica no Brasil: um estudo comparativo. Brazilian Journal of Environmental Sciences (Online), n. 21, p. 54-64, 2011.

TORRESI, S. I. C. de; PARDINI, V. L.; FERREIRA, V. F. O que é sustentabilidade? Quím. Nova. São Paulo, v. 33, n. 1, pág. 1, 2010.

TAVARES, A. O. do C.; AGRA FILHO, S. S. Aplicações da Pegada Ecológica no Brasil: um estudo comparativo. Brazilian Journal of Environmental Sciences (Online), n. 21, p. 54-64, 2011.

TORRESI, S. I. C. de; PARDINI, V. L.; FERREIRA, V. F. O que é sustentabilidade? Quím. Nova. São Paulo, v. 33, n. 1, pág. 1, 2010. Disponível em < https://www.scielo.br/j/qn/a/VkxbRDxfJvvpwRjZfCTsJYC/?lang=pt> Acesso em 16 mar. 2021.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Guimarães, M. C. L., Souza, M. A., Miranda, P. R. B. de, Nascimento, V. X., Lima, J. C. de, Costa, J. G. da, & Cabral, A. B. (2022). A pegada ecológica como ferramenta de Educação Ambiental sobre papel e mídias eletrônicas. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(3), 338–350. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13337

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-01-11
Aceito: 2022-03-11
Publicado: 2022-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)