“O fim do sonho americano” e o debate das racionalidades substantiva, cosmopolita e ambiental em modelos de desenvolvimento econômico-social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13044

Palavras-chave:

Desenvolvimento; Racionalidade; Documentário; Econômico; Social.

Resumo

As crises exigem respostas teóricas, éticas e estratégicas, com isso, a pesquisa objetiva promover um debate sobre a concepção da racionalidade nos modelos de desenvolvimento econômico-social, com suporte em estudo observacional do documentário “O fim do sonho americano” (2016). Realiza-se uma discussão sobre concepções de racionalização substantiva (RAMOS, 1989), cosmopolita (SANTOS, 2002, 2007, 2010) e ambiental (LEFF, 2004, 2009, 2010, 2011) em contraposição à instrumental. A lógica evidenciada no documentário situa 10 princípios defendidos de como o sonho americano está associado à perspectiva de mercado (racionalidade instrumental), por certo, observa-se emergência, ou urgência, de novos parâmetros compreensivos sobre desenvolvimento em sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Pinto de Almeida Bizarria, Faculdade Luciano Feijão e Professora Colaboradora PPGP/ UFPI

Estágio Pós-Doutoral - Programa de Pós-Graduação em Administração - Universidade Estadual do Ceará (2021-2022). Doutora e Mestre em Administração (Universidade de Fortaleza). Especialista em Saúde Pública e Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Professora do curso de Administração da Faculdade Luciano Feijão (FLF) onde lidera o Grupo de Pesquisa CNPq Trabalho e Gestão das Organizações. Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública na UFPI (Mestrado Profissional). Cargo efetivo de Psicóloga Organizacional/Unilab, desde 2010. Experiência profissional em Gestão de Pessoas (Coordenação, Gerência e Chefia de Unidades). Atuação na Educação a Distância desde 2012 (Tutoria, Professor Formador, Orientador de TCC e Coordenação). Foi bolsista CAPES no Mestrado e bolsista FUNCAP de Inovação Tecnológica no Doutorado. Estudos e pesquisas sobre: Relações de Trabalho e Gestão de Pessoas, Estudos Organizacionais e Administração Pública e Gestão Social

Flávia Lorenne Sampaio Barbosa, Universidade Federal do Piauí

Graduada (2003) em Administração pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), especialização (2006) em Gestão Empresarial pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e, mestrado(2012) e doutorado (2018), em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Atualmente, docente efetiva do Curso de graduação em Administração da UFPI, campus Amílcar Ferreira Sobral (CAFS), em Floriano-PI; docente permanente do Programa de Pós-graduação em Gestão Pública e do Programa de Pós-graduação em Administração Pública (PROFIAP), ambos da UFPI, nível mestrado profissional; docente do curso de especialização em Gestão de Pequenas e Médias Empresas do CAFS/UFPI; e, professor formador e orientador, na modalidade bolsista da CAPES, do curso de bacharelado em Administração do Centro de Ensino à Distância (CEAD) da UFPI. Do mais, pesquisadora integrante do grupo de pesquisa NUPEGEP, vinculado ao curso de Pós-graduação em Gestão Pública da UFPI, e do grupo de pesquisa intitulado "Trabalho e Gestão das Organizações" em parceria com a Faculdade Luciano Feijão (FLF); coordenadora, no âmbito da UFPI, da aplicação do Estudo Mundial sobre Empreendedorismo junto aos Estudantes Universitários do Brasil (GUESSS Brasil); e, avaliadora científica da Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI. Temas de pesquisa: estudos interdisciplinares em Gestão Social e Gestão Pública; e em educação, trabalho e subjetividade

Irlanda Pires de Sá Sousa, Instituto Federal do Piauí

Especialista em Gestão Pública pela Universidade Federal do Piauí, possui graduação em Ciências Contábeis pela Faculdade Piauiense – FAP Teresina (2008). Servidora pública no cargo efetivo de professora de contabilidade, do Instituto Federal do Piauí, Campus Paulistana. É membro do Núcleo de Pesquisa em Processos Organizacionais e Tecnologia NuProTec (IFPI) e NUPEGEP (UFPI). Possui experiência profissional em orçamento público, contabilidade e finanças, bem como na gestão de políticas públicas. 

Fagner Martins Santana, Universidade Federal do Piauí – UFPI

Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Gestão Pública, da Universidade Federal do Piauí (PPGP/UFPI); Especialista em Gestão Prisional pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI, em cooperação com a Academia de Formação Penitenciária do Piauí - ACADEPEN; Especialista MBA em Logística pelo Instituto Camilo Filho; Graduado em Administração pela Universidade Estadual do Piauí e Licenciatura Plena em Educação Artística/ Habilitação em Música pela Universidade Federal do Piauí - UFPI. É servidor efetivo da Secretaria de Estado da Justiça do Piauí - SEJUS/PI, no cargo de Policial Penal; Foi Coordenador do Núcleo de Controle Interno da SEJUS/PI; Foi Diretor da Diretoria de Unidade de Administração Penitenciária - DUAP da SEJUS/PI; Foi Gerente da Casa de Detenção Provisória "Dom Inocêncio López Santamaria", em São Raimundo Nonato, unidade prisional em que também atuou como Coordenador Administrativo. Atualmente atua na Coordenação de Projetos e Convênios da SEJUS/PI.

Referências

ADDOR, F.; HENRIQUES, F. C. (Org.). Tecnologia, participação e território: reflexões a partir da prática extensionista - Pesquisa, Ação e Tecnologia - vol. 3. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

ALVEAR, C. A. S. A formação de redes pelas organizações sociais de base comunitária para o desenvolvimento local: um estudo de caso da Cidade de Deus. Dissertação em Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2008.

ANDRADE, S. P. C.; TOLFO, S. R.; DELLAGNELO, E. H. L. Sentidos do Trabalho e Racionalidades Instrumental e Substantiva: Interfaces entre a Administração e a Psicologia. Revista de Administração Contemporânea, 16(2), 200-21, 2012.

ANTUNES, R. ¿Cuál es el futuro del trabajo en la era digital? Observatorio Latinoamericano y Caribeño, 4, NI, 2020.

ARAUJO, R. Análise sobre a monocultura de soja e o desenvolvimento sustentável na Amazônia com base na teoria do desenvolvimento endógeno. Economia e Desenvolvimento, v. 26, n.1, 2014.

BARBOSA, R. N. C. Arranjo produtivo local, política do espaço e flexibilização do trabalho, Serv. Soc. Soc., 125, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: dições 70, 2016.

BARROS, M. J. F de; OLIVEIRA, V. F, de. Racionalidade administrativa: reprodução da lógica capitalista através do uso inadequado e ideológico do atributo de “racional” às ações administrativas. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v.13, n.2, p.247-263, 2012.

BIZARRIA, F. P. de A. Da Razão Substantiva à Razão Substantiva Cosmopolita: ensaiando novas possibilidades. Organizações & Sociedade, v.26, n.90, 2019.

BOISIER, S. Política econômica, organização social e desenvolvimento regional. In: HADDAD, P. R. (Org.). Economia regional: teorias e métodos de análise. Fortaleza: BNB/ETENE, 1989.

BRESSER-PEREIRA, L. C. O Conceito histórico de desenvolvimento econômico. Textos para discussão. Escola de Economia de São Paulo. FGV, 2006.

CARNEIRO, D. M; BAGOLIN, I. P. Abordagens acerca da relação crescimento econômico, desigualdade e pobreza. Revista Cadernos de Economia, v.16, n.30-31, pp.05-20, 2012.

Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais – CBAPL. Relatório Final de Atividades. 4ª CBAPL, 2009. Disponível em <https://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/conferencias/Arranjos_produtivos_IV/4%20-%20relatrio%20final%20apl.pdf>

CORRÊA, R. L. Espaço, um conceito-chave da Geografia. In: CASTRO, I. E.; CORRÊA, R. L. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

COSTA, J. M. Teorias de Crescimento Econômico: Um Estudo Comparado. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista – UNESP, 2007.

DUSSEL, E. Transmodernidade e Interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Revista Sociedade e Estado, v.31, n.1, 2016.

FRAGA, M. L. A empresa produtiva e a racionalidade substantiva. A Teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas no ambiente organizacional integrativo: De Mary Parker Follet a Collins e Porras: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Administração. Porto Alegre (RS), 2000.

FREITAS, A. F. DE; FERREIRA, M. A. M. Gestão social como projeto político e prática discursiva. Cadernos EBAPE.BR, v.14, n.2, p.278 a 292, 2016.

GRANITO, R. A. N.; MANTOVANI, D. M. N.; CUNHA, J. A. C. DA; RODRIGUES, S. DE S.; BASÍLIO, A. C. L. Desenvolvimento regional e novos paradigmas: iniciativas de promoção do desenvolvimento na comunidade da Mangueira. Cadernos EBAPE.BR, v.5, n.2, p.1-14, 2007.

KALBERG, S. Max Weber’s types of rationality: comerstones for the analysis of racionalization process in history. American Journal of Socioloy, v.85, n.5, p.1145-1179, 1980.

KÖCHE, J. C. Pesquisa científica: critérios epistemológicos. Petrópolis: Vozes, 2005.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. 2 ed. São Paulo. Cortez, 2002.

LEFF, E. Racionalidad ambiental. La reapropiación social de la naturaleza. México: Siglo XXI Editores, 2004.

LEFF, E. Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. Educação & Relidade, v.34, n.3, pp.17-24, 2009.

LEFF, E. Imaginarios sociales y sustentabilidad. Cultura y Representaciones Sociales, v.9, p.42-121, 2010.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de professor, p.14, v.2, p.309-335, 2011.

LEFF, E. Sustentabilidad y racionalidad ambiental: hacia ‘otro’ programa de sociología ambiental. Revista Mexicana de Sociología, p.73, n.1, p.5-46, 2011.

LEFF, E. Sociología y ambiente: formación socioeconómica, racionalidad ambiental y transformaciones del conocimiento. Ciencias sociales y formación ambiental, p.17-84, 1994.

LIMA, J. E de S. A Racionalidade e o Debate Ambiental Contemporâneo. Cad. de Pesq. Interdisc. em Ciências Humanas, Florianópolis, v.13, n.102, p.100-118 jan/jul, 2012.

LITTLE, P. E. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade, Brasília, 2002.

MANCE, E. A. A revolução das redes: a colaboração solidária como uma alternativa pós-capitalista à globalização atual. Petrópolis: Vozes, 1999.

MARTINS, J. C. Democracia e Desenvolvimento Econômico: relação de identidade, instrumentalidade ou contradição? Constituição, Economia e Desenvolvimento: Revista da Academia Brasileira de Direito Constitucional. Curitiba, 1, n. 1, 97-110, 2009.

MELO, A. B. de; SOUSA, J. E. De Planejamento territorial de redes produtivas. Revista Práticas de Administração Pública, v.1, n.2, p.41-48, 2017.

MENESES, M. P. Corpos de violência, linguagens de resistência: As complexas teias de conhecimentos no Moçambique contemporâneo. Revista Crítica de Ciências Sociais, v.8, 2008.

MIGNOLO, W. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluriversalidade epistémica. In: SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

MIGNOLO, W. Desafios decoloniais de hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu/PR, 1 (1), 12-32, 2017.

MOREIRA, S. B.; CRESPO, N. Economia do Desenvolvimento: das abordagens tradicionais aos novos conceitos de desenvolvimento. Revista de Economia, v.38, n.2, 36, p.25-50, maio/ago, 2012.

MOZZATO, A. R.; GRZYBOVSKI, D. Abordagem Crítica nos Estudos Organizacionais: Concepção de indivíduo sob a perspectiva emancipatória. Cadernos EBAPE.BR, v.11, n.4, p.520-542, 2013.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Arranjo Produtivo Local – Série Empreendimentos Coletivos. Brasília, 2017. Disponível em <https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/bis/arranjo-produtivo-local-serie-empreendimentos-coletivos,5980ce6326c0a410VgnVCM1000003b74010aRCRD>

OLIVEIRA, A. Uso de fontes fílmicas em pesquisas sócio-históricas da área da saúde. Texto & Contexto Enfermagem, v.26, n.4, p.1-10, 2017.

OLIVEIRA, G. B.; LIMA, J. E. de S. Elementos endógenos do desenvolvimento regional: considerações sobre o papel da sociedade local no processo de desenvolvimento sustentável. Rev. FAE, Curitiba, v.6, n.2, p.29-37, maio/dez, 2003.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B.DE S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989.

Requiem for the American Dream. Direção: Peter D. Hutchison; Kelly Nyks e Jared P. Scott. Produção: Peter D. Hutchison; Kelly Nyks e Jared P. Scott. [S.l.], 2016.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas.3. ed. - 15 reimpressão - São Paulo: Atlas, 2014.

ROCHA, A. C. Capitalismo e racionalidade instrumental: reflexões acerca do tempo livre em Theodor Adorno. Ideias, Campinas, SP, v.9, n.1, p.149-170, 2018.

SANTOS, B. de S. Seis razões para pensar. Lua Nova, v.54, p.13-24, 2001.

SANTOS, B. de S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, v.63, p.237-280, 2002.

SANTOS, B. de S. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, v.78, p.3-46, 2007.

SANTOS, B. de S. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. 3. ed. São Paulo: Cortez. (Coleção questões da nossa época), 2010.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. Coimbra. Almeidina, 2009.

SANTOS, E. L.; SANTOS, R. S.; BRAGA, V. Administração do Desenvolvimento na perspectiva Guerreirista: conceitos, contribuições e implicações. Cadernos EBAPE.BR, v.13, n.3, p.462-477, 2015.

SANTOS, M. O retorno do território. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A. & SILVEIRA, M. L. Org. Território: Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994.

SERVA, M. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas (RAE). São Paulo, v.37, n.2, p. 18-30. Abr./Jun. 1997.

SOUZA, H. G.; TABOSA, F. J. S.; ARAÚJO, J. A..; CASTELAR, P. U. C. Uma análise espacial de como o crescimento e a desigualdade afetam a pobreza no Brasil. Revista De Administração Pública, v.55, n.2, p.459–482, 2021.

SOUZA, V. F.; SAMPAIO, C. A. C. Em busca de uma racionalidade convergente ao ecodesenvolvimento: um estudo exploratório de projetos de turismo sustentável e de responsabilidade social empresarial. Revista de Administração Pública, v.40, n.3, p.411-425, 2006.

TENÓRIO, F. G. Um espectro ronda o terceiro setor, o espectro do mercado: ensaios sobre gestão social. Ijuí: Editora Unijuí, 2ª ed. 2004.

TRIGILIA, C. Social Capital and Local Development. European Journal of Social Theory, v.4, n.4: p.427–442, 2001.

VELOSO, J. Sobre Is The Man Who Is Tall Happy? (Michel Gondry, França, 2013). Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, v.10, p.149-164, 2015.

Downloads

Publicado

01-04-2022

Como Citar

Bizarria, F. P. de A., Barbosa, F. L. S. ., Sousa, I. P. de S. ., & Santana, F. M. . (2022). “O fim do sonho americano” e o debate das racionalidades substantiva, cosmopolita e ambiental em modelos de desenvolvimento econômico-social . Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(2), 90–108. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13044

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-12-10
Aceito: 2022-01-27
Publicado: 2022-04-01