Círculos de cultura no PIBID: uma experiência intercultural na formação da docência

Autores

  • Ronualdo Marques Universidade Federal do Paraná
  • Yanina Micaela Sammarco Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13037

Palavras-chave:

Ensino de Biologia, Formação docente, PIBID, Educação Ambiental, Circulo de Cultura

Resumo

A interculturalidade tornou-se uma oportunidade de formação e integração entre os(as) pibidianos(as) do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/UFPR/BIOLOGIA) e docentes de diferentes regiões do Brasil no contexto de pandemia do vírus Sars-CoV-2, na qual puderam compartilhar suas experiências e práticas educativas com a Educação Ambiental no Ensino de Biologia. Metodologicamente, se tratou de um círculo de cultura com quatro encontros formativos virtuais. Dessa forma, considera-se que esses momentos possibilitaram reflexões para se ter um novo olhar para as inúmeras possibilidades de ressignificações das práticas educativas favorecendo a formação continuada para a práxis pedagógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronualdo Marques, Universidade Federal do Paraná

Mestre em Ensino de Ciências no Programa de Pós Graduação de Formação Científica, Educacional e Tecnológica - PPGFCET na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, UTFPR; Professor de Ciências e Biologia no Ensino Fundamental,Médio e Profissional na Secretária Estadual de Educação do Paraná - SEED. Graduado em CIÊNCIAS BIOLÓGICAS pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO -2009. Especializado em Educação Especial pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí; Especializado em Educação e Gestão Ambiental pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí; Especializado em Gestão Pública Municipal pela UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná; Especializado em Filosofia Contemporânea pela FACEL - Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras.

Yanina Micaela Sammarco, Universidade Federal do Paraná

Graduação em Ciências Biológicas (UFRGS) Mestrado em Engenharia Ambiental (UFSC) Doutorado em Educação Ambiental (Universidad Autônoma de Madri e USP) Docente UFPR/area Biologia da Educação/DTFE/Setor de Educação Docente PPGMADE

Referências

AMBROSETTI, N.B. et al. Contribuições do Pibid para a formação inicial de professores. Educação em Perspectiva, v. 4, n. 1, 2013.

BAUER, M.W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. Gareschi, P. A. (trad.), 7a edição, Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BRANDÃO, C.R. O que é método Paulo Freire. 34 ed., São Paulo: Brasiliense, 2013.

CARNEIRO, S.M.M.; DICKMANN, I. Educação Ambiental na escola a partir de Paulo Freire. In: HAGEMEYER, R. C. C.; SÁ, R. A.; GABARDO, C. V. (Orgs.). Diálogos epistemológicos e culturais. Curitiba: W. A. p. 233-254. 2016.

FALS BORDA, O. Una sociología sentipensante para América Latina. México: Siglo XXI Editores; Buenos Aires: CLACSO, 2015.

FIGUEIREDO, J. B. A. Colonialidade e descolonialidade: uma perspectiva eco relacional. Entrelugares: Revista de Sociopoética e Abordagens Afins. v. 2 n. 2, mar./ ago. 2010.

FLEURI, R. M. A questão do conhecimento na educação popular. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2003.

FLORES, Maria Assunção. Dilemas e desafios na formação de professores. In: MORAES, Maria Célia; PACHECO, José Augusto; EVANGELISTA, Maria Olinda (Org.). Formação de professores: perspectivas educacionais e curriculares. Porto: Porto Editora, 2004. p. 127-160.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 36 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, P. Conscientização. Teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. Tradução de Kátia de Mello e Silva, 3 ed., São Paulo: Centauro, 2001.

FREIRE, P. Educação e Mudança. 12ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. 25. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GABARDO, C.V.; MIRANDA, T.C. Diálogos entre formação de professores e consciência histórica: espaços culturais e artefatos artísticos enquanto fontes propulsoras de conhecimento. In: HAGEMEYER, R.C.; SÁ, C.R.; GABARDO, C.V. (Org.). Diálogos Epistemológicos e Culturais. 1. ed. Curitiba: W.A. Editores, v. 1, p. 5-278. 2016.

GADOTTI, M. Pedagogia da terra. 1. ed. São Paulo: Petrópolis, 2000.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S.G.; GHEDIN, E. (orgs). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

HAGEMEYER, R.C.C.; SÁ, R.A.; GABARDO, C.V. (orgs.) Diálogos epistemológicos e culturais. Curitiba: W&A Editores, 2016 (Coleção Pesquisa em Cultura e Escola).

HERMANN, N. Hermenêutica e educação. 1 ed., Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

HENZ, C.; TONIOLO, J.M.S.A. (orgs). Dialogus: círculos dialógicos, humanização e auto(trans)formação de professores. 160 p. São Leopoldo: Oikos, 2015.

JOSSO, M.C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez Editora, 2004.

LEFF, E. Discursos sustentáveis. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LOUREIRO, C.F.B. “Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em Educação Ambiental”, Educação e Sociedade, v.27, n.94, 2006, pp.131 152.

LOUREIRO, C.F.B. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

MARQUES, R. et al. Interfaces do PIBID na formação inicial e na práxis pedagógica num trabalho colaborativo para a construção da identidade profissional. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, 2021, p.e118101018534,.

MARQUES, R. O professor em trabalho remoto no contexto da pandemia da Covid-19. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 6, n. 16, p. 06–14, 2021.

MARQUES, R; FRAGUAS, T. A ressignificação da educação: virtualização de emergência no contexto de pandemia da covid-19. Brazilian Journal of Development, v. 6, n.11, p. 86159-86174, nov. 2020.

MARQUES, R.; XAVIER, C.R. Análise das inferências na construção do senso crítico numa sequência didática na Educação Ambiental. Revista Cocar (online), v. 1, p. 51-74, 2019.

MARQUES, R.; XAVIER, C.R. Análise do Senso Crítico em uma Sequência Didática na Educação Ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, [S. l.], v. 35, n. 1, p. 132–150, 2018.

MINAYO, M.C.S. (Org.). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. Rio de Janeiro: Hucitec, 2014. 408 p.

MINDAL, C.B.; GUÉRIOS, E. C. Formação de professores em instituições públicas de ensino superior no Brasil: diversidade de problemas, impasses, dilemas e pontos de tensão. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 50, p. 21-33, out./dez. 2013.

MIZUKAMI, M.G.N. Escola e desenvolvimento profissional da docência. In: GATTI, B.A. et al. Por uma política nacional de formação de professores. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

NÓVOA, A. Prefácio. In: JOSSO, M.C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez Editora, p. 11-34, 2004.

ROSSO, A.J.; TOZETTO, A.S.; BRANDT, C.F.; FREIRE, L.I.F.; CERRI, L.F.; CAMPOS, S.X. Novas diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores e algumas novas ficções na leitura da escola. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 69, p. 82-842, out./dez. 2010.

SAMMARCO, Y.M.; RODRIGUEZ, I.B.; FOPPA, C.C. Educação Ambiental, educação do campo e ambientalização escolar: diálogos entre diversas paisagens escolares. Ambiente & Educação, v. 25, n. 2, p. 310-340, 2020.

SANTOS, E.A.V.; VASCONCELOS, M.T.O. A Educação Ambiental no ensino básico através das intervenções do PIBID e as contribuições do programa para a formação docente. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 13, n. 4, p. 51–65, 2018.

SCHON, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

TEIXEIRA, C.; TORALES, M.A. A questão ambiental e a formação de professores para a educação básica: um olhar sobre as licenciaturas. Educar em Revista, p. 127-144, 2014.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 14. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

VIEIRA PINTO, A. Ciência e Existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

VIEIRA PINTO, A. Sete lições sobre a educação de adultos. São Paulo: Cortez, 1982.

RAIMUNDO, J.A. A práxis como fenômeno formador do/a docente. 2018. 118 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Defesa: Curitiba, 2017.

TORALES, M.A.C. A inserção da Educação Ambiental nos currículos escolares e o papel dos professores: da ação escolar à ação educativo-comunitária como compromisso político-pedagógico. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande/RS, v. especial, p. 1-17, 2013.

VÁZQUEZ, A.S. Filosofia da Praxis. 3. Ed. Tradução de Luiz Fernando Cardoso. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T.T. (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 7. ed, p. 7-72. Petrópolis, RJ: Vozes. 2007.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

Marques, R., & Sammarco, Y. M. (2022). Círculos de cultura no PIBID: uma experiência intercultural na formação da docência. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(6), 381–399. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13037

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-12-08
Aceito: 2022-10-07
Publicado: 2022-12-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.