A relação escola e comunidade no litoral paranaense: reflexões a partir de uma matriz de indicadores de Educação Ambiental

Autores

  • Vanessa Marion Andreoli Universidade Federal do Paraná
  • Estefani Martins Ferreira Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12930

Palavras-chave:

Educação Ambiental; Relação escola e comunidade; Matriz de indicadores.

Resumo

A Educação Ambiental, voltada para a construção de comunidades sustentáveis, é um caminho que potencializa o fortalecimento da comunidade e seu pertencimento ao território. O artigo reflete sobre a importância da relação entre a escola e a comunidade a partir da aplicação de uma matriz de indicadores de Educação Ambiental para as escolas estaduais localizadas no litoral do Paraná. Com características híbridas, a pesquisa foi realizada por meio de um questionário online e os resultados indicam que mais da metade das escolas participantes, ainda que apresentem uma relação até certo ponto frágil com suas comunidades, se esforçam para construir canais de participação e comunicação efetivos e aproximação com as instituições locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, N. C. et al. Receita orçamentária: uma análise comparativa entre os sete municípios do litoral do Paraná. Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC – Ciência, Cultura e Saberes tradicionais para enfrentar a pobreza. São Luiz, Maranhão: 2010. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/64ra/resumos/resumos/2805.htm. Acesso em 19 jun. 2021.

ANDREOLI, V. M. A Educação Ambiental no contexto dos colégios estaduais da Ilha do Mel/PR: Currículo, ação docente e desenvolvimento comunitário local. Tese. Programa de Pós-Graduação em Educação, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2016. 370 f. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/46452. Acesso em 20 ago. 2021.

BRANDÃO, C. R. O Que é Educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em 10 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. (2010). Decreto n. 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Programa Mais Educação. Brasília: MEC. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/programa-mais-educacao/apresentacao . Acesso em 24 nov. 2021.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em 23 out. 2020.

BRASIL. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. Rio de Janeiro: Rio 92, 1992. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf. Acesso em 15 out. 2021.

BRASIL. Resolução n. 02/2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Ministério da Educação, Brasília, DF, 15 de junho de 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s 010384782011000700016&lng=en&nrm=iso. Acesso em 30 mar. 2020.

BRASIL. Vamos cuidar do Brasil com escolas sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, Ministério do Meio Ambiente. Elaboração de texto: Tereza Moreira. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.seduc.go.gov.br/documentos/nucleomeioambiente/material2013/caderno.pdf . Acesso em 18 de. 2020.

Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental, Tbilisi (Georgia, ex-URSS), de 14 a 26 de outubro de 1977.

CARVALHO, V. S. Educação Ambiental e desenvolvimento comunitário. Rio de Janeiro/RJ: WAK, 2002.

DÉCADA da Ciência Oceânica Brasil. 2020. Disponível em: http://decada.ciencianomar.mctic.gov.br/. Acesso em 29 out. 2021.

GÓMEZ, J. A. C; FREITAS, O. M. P.; CALLEJAS, G. V. Educação e Desenvolvimento Comunitário Local: perspectivas pedagógicas e sociais da sustentabilidade. Porto: Profedições, 2007.

GUERRA, A. F. S.; WEILER, J. M. A. O saber fazer de uma comunidade tradicional e a escola: possibilidades de diálogos. Anais 37° Reunião Nacional da ANPED – outubro de 2015, UFSC – Florianópolis. Disponível em: https://www.anped.org.br/biblioteca/item/o-saber-fazer-de-uma-comunidade-tradicional-e-escola-possibilidades-de-dialogos. Acesso em 19 mar. 2021.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental: questões de vida. São Paulo: Cortez, 2019.

MINAYO, M. C. de S. Construção de Indicadores Qualitativos para Avaliação de Mudanças. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro, n. 33, v. 1 Supl. 1, p. 83-91, 2009.

PACHECO, J. Aprender em comunidade. In: GREIER, P.; GOUVÊA, T. Edushifts: o futuro da educação é agora, [S.l.: s.n.], 2017.

PARANÁ. Lei nº. 17505 de 11 de Janeiro de 2013. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras providências. 2013.

PARANÁ. Núcleo Regional de Educação de Paranaguá. Disponível em: nre.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=59. Acesso em: 20 dez. 2021.

Seminário Internacional de Educação Ambiental, Belgrado (Sérvia, ex-Iugoslávia), 06 de setembro de 1975.

SINGER, H. Mudança de paradigma. In: GREIER, P.; GOUVÊA, T. Edushifts: o futuro da educação é agora, [S.l.: s.n.], 2017.

TORALES, M. A. A formação de educadores ambientais e o papel do sistema educativo para a construção de sociedades sustentáveis. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, PPGEA – FURG. v. 32, n.2, p. 266-282, jul./dez. 2015.

TRAJBER, R; MENDONÇA, R. M. (Orgs.). O que fazem as escolas que dizem que fazem Educação Ambiental? 1. ed. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/UNESCO. 2006. v. 23. 252 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao5.pdf. Acesso em: 05 ago. 2021.

TRAJBER, R; SATO, M. Escolas Sustentáveis: incubadoras de transformações nas comunidades. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. V. especial, setembro de 2010.

UHDE, E. M. et al. Práticas de Educação Ambiental em uma escola de campo. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v.16, n.1, p.114-129, 2021.

VIEIRA, S. R.; TORALES-CAMPOS, M. A.; MORAIS, J. L. Proposta de matriz de indicadores de Educação Ambiental para avaliação da sustentabilidade socioambiental na escola. Revista Eletrônica do Mestrado Em Educação Ambiental, v.33, n.2, p.106-123, 2016.

Downloads

Publicado

01-04-2022

Como Citar

Andreoli, V. M., & Ferreira, E. M. (2022). A relação escola e comunidade no litoral paranaense: reflexões a partir de uma matriz de indicadores de Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(2), 73–89. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12930

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-11-11
Aceito: 2022-01-14
Publicado: 2022-04-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.