A Educação Ambiental pela representação social de alunos ingressantes em Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas, Física e Química da Universidade Federal do Espírito Santo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12622

Palavras-chave:

Ciências Naturais. Educação Ambiental. Ensino de Ciências. Formação Inicial de Professores. Teoria das Representações Sociais.

Resumo

Investigamos a Educação Ambiental entre alunos ingressantes em Licenciaturas em Ciências Biológicas, Física e Química da Universidade Federal do Espírito Santo – Alegre, baseados na Teoria das Representações Sociais (TRS) e do Núcleo Central, numa abordagem qualitativa e exploratória, compreendendo questionários fundamentados na Técnica de Associação Livre de Palavras. Os resultados (evocações) foram homogeneizados e analisados por meio das Análises Prototípica e de Similitude. Evidenciamos uma Representação Social da Educação Ambiental caracterizada pelos conceitos “preservação”, “poluição”, “conscientização” e “reciclagem”. Concluímos pela composição de um grupo social entre os licenciandos e de uma Representação Social caracterizada por elementos das correntes “conservacionista/recursista”, “resolutiva”, “moral/ética” e “ecoeducação”, tendo a TRS, para além de sua relevância social, contribuído favoravelmente ao estudo da Educação Ambiental e, em especial, no campo do Ensino/Educação em Ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Almeida de Freitas, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais (área: Ciências da Natureza), Licenciado em Química pelo Centro Universitário São Camilo, Mestre em Ensino, Educação Básica e Formação de Professores e Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Marcos Vogel, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui graduação em Licenciatura em Química pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, mestrado e Doutorado em Ensino de Ciências (Modalidade Química) pela Universidade de São Paulo (USP); Atualmente é professor Adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) no Centro de Ciências Exatas, Naturais e da Saúde (CCENS); é coordenador Institucional do Programa Institucional de Iniciação à Docência (PIBID) na UFES.

Referências

ABRIC, J. C. Las Representaciones Sociales: Aspectos Teóricos. In: ABRIC, Jean Claude (Org.). Prácticas sociales y representaciones. México: Ediciones Coyoacán, 1. ed., p. 11-32, 2001.

AMARAL, L. S. do; ALVES, M. S. Nó ou Núcleo central e esquema periférico. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, n. 23, p. 30-36, 2013.

ARAÚJO, M. S. de; NASCIMENTO, C. M. C. do. Perspectivas e práticas para a Educação Ambiental: representações sociais a partir do olhar docente do ensino fundamental em escolas de Boa Vista (RR). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.13, n.4, p.248–259, 2018.

ASTOLFI, J. P.; DEVELAY, M. A didática das ciências. Trad.: Magda Sento Sé Fonseca. Campinas, SP: Papirus, 16ª ed., 2012, 123 p.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, v. 21, n. 2, p. 513–518, 2013.

CARVALHO, L. M. et al. A Educação Ambiental no Brasil: análise da produção acadêmica – teses e dissertações. CNPq: Relatório Científico. Rio Claro, UNESP – Rio Claro, UNICAMP, USP – Ribeirão Preto, 2016. Disponível em: <http://www.earte.net/downloads/Earte_Relat%C3%B3rio_Cient%C3%Adfico_CNPq_2016.pdf>.

FREITAS, R. A. de. A Educação Ambiental sob o prisma da Representação Social de licenciandos em cursos das Ciências da Natureza. 2019. Dissertação (Mestrado em Ensino, Educação Básica e Formação de Professores – Centro de Ciências Exatas, Naturais e da Saúde, Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre, 2019. Disponível em: <https://ensinoeeducacao.alegre.ufes.br/pt-br/pos-graduacao/PPGEEDUC/detalhes-da-tese?id=13601>.

FREITAS, R. A.; VOGEL, M. Educação Ambiental e o Ensino de Ciências da Natureza no Ensino Médio: levantamento das publicações entre 2013 e 2017 no contexto da Educação brasileira. Debates em Educação Científica e Tecnológica. v. 8, n. 03, p. 31-59, 2021.

GUIMARÃES, Z. F. S. Educação Ambiental na Escola: escolarizar o ambiente ou ambientalizar a escola? Eis a questão. COLECIONA: Fichário do Educador Ambiental, v. 2, out. 2008.

JODELET, D. La representación social: fenómenos, concepto y teoría. Psicologia Social II. Buenos Aires: Paidos, p. 469-493, 1986.

NASCIMENTO, A. R. A.; MENANDRO, P. R. M. Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e Pesquisas em Psicologia, n. 2., p. 72-88, 2006.

MARTINS, A. M.; CARVALHO, C. A. S.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Pesquisa em representações sociais no Brasil: cartografia dos grupos registrados no CNPq. Psicologia – Teoria e Prática, v. 16, n. 1, p. 104-114, 2014.

MOSCOVICI, S. A Representação Social da Psicanálise. [S.l.]: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Trad.: Sonia Fuhrmann. Petrópolis: Vozes, 2012, 456 p.

NASCIMENTO, A. R. A.; MENANDRO, P. R. M. Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e Pesquisas em Psicologia, n. 2., p. 72-88, 2006.

RAMOS, E. C. Educação Ambiental: origem e perspectivas. Educar em Revista, v. 17, n. 18., p. 201-218, 2001.

RATEAU, P.; MOLINER, P.; GUIMELLI, C.; ABRIC, J. C. Teoria das Representações Sociais. Handbook of Theories of Social Psychology. [S.l.]: SAGE Publications Ltd, v.2., p. 1-22, 2012.

REIGOTA, M. A Educação Ambiental frente aos desafios apresentados pelos discursos contemporâneos sobre a natureza. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 2., p. 163-179. 2010.

REIGOTA, M. Educação Ambiental: a emergência de um campo científico. Perspectiva, v. 30, n. 2, p. 499-520. 2012.

REIS, A. O. A.; SARUBBI JUNIOR, V.; BERTOLINO NETO, M. M.; ROLIM NETO, M. L. (orgs.). Tecnologias Computacionais para o auxílio em pesquisa qualitiva: software EVOC. São Paulo: Schoba, 2013, 108 p.

SÁ, C. P. Representações Sociais: Teoria e Pesquisa do Núcleo Central. Temas em Psicologia, n. 3, 1996.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: Michèle Sato; Isabel Carvalho (org.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: [s.n.], p. 17-44, 2005.

SOUZA, P. P. S. de; PEREIRA, J. L. de G. Representação social de meio ambiente e Educação Ambiental nas escolas públicas de Teófilo Otoni-MG. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.6, n.1, p.35–40, 2011.

TAVARES, D. W. S.; BRITO, R. C.; CÓRDULA, A. C. C.; SILVA, J. T.; NEVES, D. A. B. Protocolo Verbal d Teste de Associação Livre de Palavras: perspectivas de instrumentos de pesquisa introspectiva e projetiva na ciência da informação. Ponto de Acesso, v. 8, n. 3., p. 64-79, 2014.

TRISTÃO, M. A Educação Ambiental na formação de professores: redes de saberes. Annablume, 2004.

TRISTÃO, M. Tecendo os fios da Educação Ambiental: o subjetivo e o coletivo, o pensado e o vivido. Educação e Pesquisa, v. 31, p. 251-264, 2005.

TRISTÃO, M. Uma abordagem filosófica da pesquisa em Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 55., p. 847-860, 2013.

VOGEL, M. Influências do PIBID na representação social de licenciandos em química sobre ser professor de química. 2016. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2016. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-02062016-105635/en.php>.

ZABALA, A. A Prática Educativa: como ensinar. Tradução: Ernani F. F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, Reimpressão 2010, 1998.

Downloads

Publicado

01-04-2022

Como Citar

Freitas, R. A. de, & Vogel, M. (2022). A Educação Ambiental pela representação social de alunos ingressantes em Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas, Física e Química da Universidade Federal do Espírito Santo. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(2), 239–259. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12622

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-08-12
Aceito: 2022-02-09
Publicado: 2022-04-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.