“Ecologicamente correto”: relato de experiência na aplicação de metodologias ativas para alunos do ensino médio em uma escola de tempo integral do município de Porto Velho (RO)

Autores

  • Luiz Alexandre Tavares Miranda Faculdade de Educação de Porto Velho - UNIRON https://orcid.org/0000-0001-8124-7440
  • Flávia Cruz Mendes Faculdade de Educação de Porto Velho - UNIRON
  • Luiz Henrique Maciel Feitoza Universidade Federal de Rondônia
  • Diones Gonçalves dos Santos Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio em Tempo Integral Brasilia, Faculdade de Educação de Porto Velho - UNIRON
  • Marlene Guimarães Santos Faculdade de Educação de Porto Velho - UNIRON
  • Tatiana Lemos da Silva Machado Faculdade de Educação de Porto Velho - UNIRON https://orcid.org/0000-0001-5059-1775

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12402

Palavras-chave:

Sustentabilidade; Educação Ambiental; Intervenção.

Resumo

apresentamos, neste estudo, as experiências vividas na orientação dos alunos matriculados na disciplina eletiva “Ecologicamente Correto”, em Escola Estadual de Ensino Médio em Tempo Integral, no município de Porto Velho, na realização de miniprojetos de Educação Ambiental e uso sustentável dos recursos naturais aplicados no ambiente escolar. O miniprojeto teve duração de dois meses. A metodologia ativa se aplicou na execução de projetos sustentáveis na própria escola e realizados pelos alunos. Realizaram-se projetos de arborização, paisagismo, coleta seletiva, horta suspensa e compostagem, com o intuito de levar os alunos a se conscientizarem da importância de haver uma intervenção positiva sobre o meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, A.M.; ALMEIDA, D.L.; SILVA, V.F. Utilização de minhocas na estabilização de resíduos orgânicos: vermicompostagem. In: Comunicado Técnico. Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA, 1992.

ARAÚJO, U.E.; SASTRE, G. Aprendizagem Baseada em Problemas no ensino superior. São Paulo: Summus, 2009.

ALMEIDA, N. D. T. Consciência Ambiental coleta e reciclagem no ambiente escolar. Pós-Graduada em Meio Ambiente e Desenvolvimento na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga-BA, Brasil. 2011.

BALDIN, N.; SANTOS, J.; CAVALHEIRO, J. N.; MELLO, A. C., DEPIN, S. Educação Ambiental nas Escolas: Implementando um Minhocário. Encontro Paranaense de Educação Ambiental. UNIOESTE, 2013.

BARBOSA, R.; BARBIRATO G.; VECCHIA, F. Vegetação urbana: análise experimental em cidade clima quente e úmido. Conforto no ambiente construído. Curitiba: Fundamentos. 2003.

BERBEL, N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BIANCHINI, T. Coleta seletiva é a saída. Ecologia e Desenvolvimento, Rio de Janeiro, a. 11, n. 96, p. 20, set. 2001.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988, 292 p. acesso:02 de dezembro 2018 as 17:30.

BRASIL. MEC. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996.

BRASIL. MEC. 2001. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais: Ensino de quinta a oitava séries e Ensino Médio. Brasília: MEC /SEF, 2001.

BRASIL. Congresso Nacional. Plano Nacional de Educação (PNE) 2011-2020. Brasília: Congresso Nacional, 2011.

CAJAIBA, R. L. Horta orgânica escolar como contributo para desenvolvimento da Educação Ambiental em uma escola pública rural no município de Uruará – PA. Anais do IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Salvador, BA. 2013.

CALLEJAS, I. J. A.; DURANTE, L. C.; OLIVEIRA, A. S.; NOGUEIRA, M. C. J. A. Diversidade e índices arbóreos em ambientes escolares. Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria. 2014.

CAMPOS, M. M. F. Educação Ambiental e paradigmas de interpretação da realidade: tendências reveladas. Tese (Doutorado). Campinas, SP: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2000.

CARVALHO, I. A Invenção ecológica. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2001.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo, SP: Cortez, 2004.

CARVALHO-SOUZA, G. F. A percepção de crianças sobre o lixo marinho: uma abordagem lúdica na popularização das ciências. Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental, 2012.

CAVALCANTE, M. D. L. A. A destinação final de resíduos: boa qualidade. 2002.

DEMO, P. Professor do futuro e reconstrução do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2004.

DEUS, T. R. V.; PIMENTEL, A. S. P.; SOUZA, A. P. R.; RAMOS, P. R. Educação Ambiental nas escolas: arborização do Colégio Estadual Rui Barbosa, Juazeiro-BA. V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. 2014.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

FAGUNDES, J. F. Arborização e jardinagem na escola municipal de ensino fundamental Assis Brasil em Palmeira das Missões–RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, n. 2, p. 1162-1173, 2015.

FEITOSA, I. C. R; SATO, G. H. O. Arborização no âmbito escolar como prática de Educação Ambiental. Anais do IX Mostra de Extensão. UNIVASF. 2014.

FELIX, R.A.Z. Coleta Seletiva em Ambiente Escolar. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v.18, janeiro a junho de 2007.

FIORILLO, C. A. P. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 10ª Ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.

FRODA, S. M. O projeto de vida: escolas do programa ensino integral. Secretaria Estadual de Educação de São Paulo / Pontifícia Universidade Católica, 2014.

JACOBI, P. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo, 2005.

JACOBS, M. Green Economy. London, UK: Pluto Press, 1991.

KOWALTOWSKI, D. K. Arquitetura Escolar. 1. ed. Cidade: Oficina de textos, 2011.

LANDGRAF, M.D.; ALVES, S.C.S.; REZENDE, M.O.O. Caracterização de ácidos húmicos de vermicomposto de esterco bovino compostado durante 3 e 6 meses. Química Nova. São Carlos - SP, v.22, n.4, 2008.

LIMA, E. C. Horta suspensa em garrafas pet: uma alternativa para a Educação Ambiental e sustentabilidade. Anais do III Congresso Nacional de Educação. 2016.

MATOS, E.; QUEIROZ, L.P. Árvores para cidades. Salvador: Ministério Público do Estado da Bahia: Solisluna,2009.

MARIN, M. J. S.; PAVIOTTI, A. B.; MATSUYAMA, D. T; SILVA, L. K. D.; GONZALEZ, C.; ILIAS, M. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das Metodologias Ativas de Aprendizagem. Revista brasileira de educação médica. V.10, n.13 .2010

MARTELLI, A.; JOAQUIM JUNIOR, B. Análise da incidência de supressão arbórea e suas principais causas no perímetro urbano do município de Itapira-SP. REVSBAU. 2010.

MEDEIROS, M.C. S. et al. Meio ambiente e Educação Ambiental nas escolas públicas. Revista âmbito Jurídico, Rio Grande, n.120, Jan., 2014.

MEDINA, N. M. A formação dos professores em Educação Ambiental. In: Panorama da Educação Ambiental no ensino fundamental / Secretaria de Educação Fundamental – Brasília: MEC; SEF, 2001.

MELO, B.; SANT´ANA, G. A prática da metodologia ativa: compreensão dos discentes enquanto autores do processo ensino-aprendizagem. Comunicação em Ciências da Saúde, 2012.

MORGADO, F. S. A horta escolar na Educação Ambiental e alimentar: experiência do Projeto Horta Viva nas escolas municipais de Florianópolis. Centro de Ciências Agrárias. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

MUNCK, L.; BORIM-DE-SOUZA, R. Desenvolvimento sustentável ou modernização ecológica? Uma análise exploratória. Serviço social em revista. 2010.

NEIVA, A. Reciclagem cresce no Brasil. Ecologia e Desenvolvimento. Rio de Janeiro, a. 11, n. 96, p. 18-19, set. 2001.

PENA, F. P.; RODRIGUES, C. A.; SCORTEGAGNA, P. E.; UDHE, L. T. Aprimoração de tecnologia social na criação da lixeira ecológica em ação extensionista no município de Itabaiana (PB), operação porta do sol – Projeto Rondon, 2015.

PIVA, A. A difusão do pensamento de Edgar Morin na pesquisa em Educação Ambiental no Brasil. PPG Educação. Belo Horizonte, MG: UFMG. 2004.

PLÁCIDO, D. R. Da jardinagem ao paisagismo: proposta de intervenção paisagística na Universidade Federal de Sergipe – São Cristóvão/SE. UFS, 2009.

SANTOS, E. M.; FARIA, L. C. M. O educador e o olhar antropológico. Fórum Crítico da Educação: Revista do ISEP. Programa de Mestrado em Ciências Pedagógicas. v. 3, n. 1, out. 2004.

SANTOS, J. P. G. M. Escola de tempo integral no Brasil: Histórico Reflexões e Pespectivas. Pontífica Universidade Catolica de São Pulo – PUC. São Paulo, 2013.

SANTOS, M. A.; SANTOS, A. F. C. Uso do paisagismo para incentivo da Educação Ambiental nas instituições de ensino superior tendo como parâmetro o IFBA Campus Vitória da Conquista. IFBA. 2017.

SILVEIRA-FILHO, J.; SILVA, A.R.F.; OLIVEIRA, A.L.T.; BARROS, J.M.V.; PINHEIRO, J.V.; SEGUNDO, V.C.V. A horta orgânica escolar como alternativa de Educação Ambiental e de consumo de alimentos saudáveis para alunos das escolas municipais de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cadernos de Agroecologia, v.6, n.2, 2011.

TRINDADE, N.A.D. Consciência ambiental: coleta seletiva e reciclagem no ambiente escolar. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, 2011.

VEIGA, A; AMORIM, E; BLANCO, M. Um retrato da presença da Educação Ambiental no ensino fundamental brasileiro: o percurso de um processo acelerado de expansão. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2005

VILHENA, A.; D’ALMEIDA, M. L. O. Processamento do lixo: segregação de materiais. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: IPT/CEMPRE, 2000.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998, reimpressão: 2008.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

Miranda, L. A. T., Mendes, F. C., Feitoza , L. H. M., Santos, D. G. dos, Santos, M. G., & Machado, T. L. da S. . (2022). “Ecologicamente correto”: relato de experiência na aplicação de metodologias ativas para alunos do ensino médio em uma escola de tempo integral do município de Porto Velho (RO). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(6), 512–525. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12402

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido: 2021-07-09
Aceito: 2022-10-28
Publicado: 2022-12-01