Evidenciação dos impactos ambientais relacionados aos resíduos sólidos: um estudo com empresas do ramo de medicamentos listadas na B3

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11636

Palavras-chave:

Evidenciação ambiental; resíduos sólidos; empresas de medicamentos.

Resumo

Considerando que as informações relacionadas aos impactos ambientais na gestão dos resíduos sólidos são voluntárias, este trabalho busca analisar se as oito empresas do ramo de medicamentos listadas na B3 estão cumprindo o seu papel socioambiental junto aos stakeholders. A análise de conteúdo foi empregada com o objetivo de identificar e analisar as informações investigadas nas demonstrações contábeis e demais relatórios divulgados pelas companhias no ano 2018. Os resultados demonstram que a maioria das empresas não evidenciam os impactos ambientais decorrentes dos resíduos sólidos. Além disso, as informações constantes na maioria dos documentos são insuficientes, quando não inexistentes, para avaliação desses impactos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Mônaco Vieira, universidade La Salle

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Feevale (2007), especialista em Pericia Contábil pela Universidade Gama Filho (2010) e em Controladoria e Gestão pela Escola Aberta do Brasil (2013), Mestre em Avaliação de Impactos Ambientais pela Universidade La Salle (2020).

Vanessa Pires, Universidade Federal do Rio Grande

Graduada em Administração de Empresas pela Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2009) e em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2019). Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2011) e Doutora em Administração de Empresas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2017). Professor Adjunto com Dedicação Exclusiva na Universidade Federal do Rio Grande (FURG) no Campus Santo Antônio da Patrulha/RS. 

Referências

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anuário estatístico do Mercado Farmacêutico 2018. Brasília, 2019. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/374947/3413536/Anu%C3%A1rio+Estat%C3%ADstico+do+Mercado+Farmac%C3%AAutico+-+2018/c24aacbf-4d0c-46a7-bb86-b92c170c83e1>. Acesso em: 06 set. 2019.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 222, de 28 de março de 2018. Regulamenta as boas práticas de gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde e dá outras providências. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3427425/RDC_222_2018_.pdf/c5d3081d-b331-4626-8448-c9aa426ec410>. Acesso em: 06 set. 2019

BALBINO, M. L. C.; BALBINO, E. C. O descarte de medicamentos no Brasil: Um olhar socioeconômico e ambiental do lixo farmacêutico. Revista Brasileira de Estudos Jurídicos - Faculdades Santo Agostinho, v. 7, n. 1, p. 87-100, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Portal, 2019. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/pol%C3%ADtica-de-res%C3%ADduos-s%C3%B3lidos>. Acesso em: 14 jul. 2019.

BRASIL. Lei n.º 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 3 de ago. de 2010.

B3 – Brasil, Bolsa, Balcão. Consulte as demonstrações financeiras, fatos relevantes, comunicados, entre outras informações importantes das empresas listadas na B3. 2019. Disponível em: <http://bvmf.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/BuscaEmpresaListada.aspx?segmento=Medicamentos+e+Outros+Produtos&idioma=pt-br>. Acesso em: 20 nov. 2019.

B3 – Brasil, Bolsa, Balcão. Índice de sustentabilidade empresarial (ISE). 2019. Disponível em: <http://www.b3.com.br/pt_br/market-data-e-indices/indices/indices-de-sustentabilidade/indice-de-sustentabilidade-empresarial-ise.htm>. Acesso em: 20 ago. 2019.

COSTA, D. A. O. Diagnóstico do sistema de coleta de resíduos de medicamentos pós-uso na cidade de Natal/RN. Monografia (Graduação em Engenharia Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2a ed. Tradução de Our common future. 1a ed. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Consulta de documentos de Companhias Abertas. 2019. Disponível em: <https://cvmweb.cvm.gov.br/SWB/Sistemas/SCW/CPublica/CiaAb/FormBuscaCiaAb.aspx?TipoConsult=c>. Acessado em: 20 de nov. de 2019.

DE OLIVEIRA, O. V.; FERREIRA, V. H. F. A. Motivos da não evidenciação de relatórios socioambientais das companhias listadas no Novo Mercado da B3. Environmental & Social Management Journal/Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 12, n. 3, 2018.

DO PATROCÍNIO, M. A. F.; MOURA, A. M.; SILVA, A. R. Nível de evidenciação ambiental das Companhias Siderúrgicas listadas na B3. Revista de Informação Contábil, [S.l.], v. 12, n. 1, p. 18-35, 2018.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Plageder, 2009.

GIACOMIN, J. E.; OTT, E.; GRANDO, T. Estudo sobre variáveis determinantes do nível de divulgação de informação voluntárias ambientais. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, São Paulo, Vol. 7, n. 1 p. 97-115, 2018.

KARLINER, J.; GUENTHER, R. Agenda Global Hospitais Verdes e Saudáveis: uma agenda abrangente de saúde ambiental para hospitais e sistemas de saúde em todo o mundo. 2011. Disponível em: <http://www.hospitaissaudaveis.org/arquivos/GGHHA-Portugese.pdf>. Acesso em: 19 out. 2019.

MIKHAILOVA, I. Sustentabilidade: evolução dos conceitos teóricos e os problemas da mensuração prática. Revista Economia e Desenvolvimento, n° 16, 2004.

MONTEIRO, P. R. A.; FERREIRA, A. C. S. A evidenciação da informação ambiental nos relatórios contábeis: um estudo comparativo com o modelo do ISAR/UNCTAD. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 1, n. 1, p. 82-101, 2007.

OLIVEIRA, V.E. Avaliação do Gerenciamento dos Resíduos Sólidos de um Hospital no Município de Minas Gerais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n°. 7, p. 59-70, 2020.

OUROFINO. Relatório de Sustentabilidade 2018. Disponível em: <https://ri.ourofino.com/show.aspx?idCanal=Qbsk/0MuuUlJr8HJhG1G+Q==>. Acesso em: 20 nov. 2019.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. (2012). Estudos de casos de desenvolvimento sustentável na prática: “Ganhos triplos” para o desenvolvimento sustentável. 2012. Disponível em: <https://www.undp.org/content/dam/undp/library/Cross-Practice%20generic%20theme/ganhos_triplos_para_desenvolvimento_sustentavelissuu-portuguese.pdf>. Acesso em: 17 out. 2019.

RAIA DROGASIL S.A. Relatório Anual 2018. Disponível em: <https://www.rd.com.br/show.aspx?idCanal=jS19Pe5uOxBIaJrqxv+WCQ==>. Acesso em: 20 nov. 2019.

RICARDO, V. S.; BARCELLOS, S. S.; BORTOLON, P. M. Relatório de sustentabilidade ou relato integrado das empresas listadas na BM&FBovespa: fatores determinantes de divulgação. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 11, n. 1, p. 90, 2017.

SILVA, T.; VICENTE, E.; PFITSCHER, E.; ROSA, F. Environmental disclosure – informações sobre resíduos sólidos divulgadas pelas empresas potencialmente poluidoras listadas na BM&FBOVESPA. Ambiente contábil, v. 5, n. 2, p. 229-249, 2013.

SOUSA, A.C.A. A evolução da política ambiental no Brasil do século XX. Achegas.net, Rio de janeiro, v. I, n. 26, 2005.

SOUZA, C.D.F.A.; FALQUETO, E. Descarte de Medicamentos no Meio Ambiente no Brasil. Revista Brasileira Farmácia, v. 96, n. 2, p.1142-1158, 2015.

VOSS, B.; PFITSCHER, E. D.; ROSA, F.S.; RIBEIRO, M.S. Evidenciação Ambiental dos Resíduos Sólidos de Companhias Abertas no Brasil Potencialmente Poluidoras. Revista Contabilidade Financeira, São Paulo, v.24, n.62, p.12, 2013.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Vieira, F. M., & Pires, V. (2021). Evidenciação dos impactos ambientais relacionados aos resíduos sólidos: um estudo com empresas do ramo de medicamentos listadas na B3. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 392–409. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11636

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2021-01-05
Aceito em 2021-08-03
Publicado em 2021-10-01